Pular para o conteúdo principal

O lobby de luz acesa

No Brasil, lobby é sinônimo de palavrão. E este entendimento, infelizmente, é reforçado, a cada governo e cada legislatura, por escândalos quase sempre no contexto dos relacionamentos entre autoridades e grupos econômicos e outros. Historicamente, a atividade do lobby surgiu na ante-sala da Câmara dos Comuns, na Inglaterra, onde os políticos da época eram abordados por quem tinha algum interesse a defender. Nos EUA, o significado é o mesmo, só que na sala de entrada do hotel onde se os hospedavam os presidentes recém eleitos, antes da posse e de ocuparem a Casa Branca. Nesse hall de entrada, os presidentes também recebiam pressões, conheciam reivindicações, candidatos a assessores. Hoje acontece assim, mas infelizmente não sob os olhares dos que estão nas salas públicas, mas de forma particular, muitas vezes, escusa.
Nos Estados Unidos, o lobby, como atividade profissional, é regulamentado desde 1946. No Brasil, a atividade é desregulamentada, embora feita cotidianamente, sem regras discutidas com a sociedade e com os interessados, e, por isso mesmo, se transformou em terreno propício para todo o tipo de ilegalidade e da venda de facilidades. A importância de regulamentar o lobby no Brasil e dar transparências aos seus processos, identificar os lobistas, saber para quem eles trabalham e quanto gastam e recebem por seu trabalho, por certo coibiria (não acabaria) a corrupção nas relações entre governo e os grupos sociais. A agenda pública que envolve hoje atividades de lobby é de extrema importância para a sociedade brasileira, tão carente de desenvolvimento. Por isso mesmo, ela deve ser arejada por práticas legais e principalmente legitimas, que vêm da opinião pública.
Pense, por exemplo, nos interesses políticos, sociais e econômicos que hoje estão envolvidos em questões como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), lançado agora pelo governo Lula. Ou a grande discussão que envolve a questão ambiental e o desenvolvimento sustentável, os impostos que impactam os setores produtivos e os simples mortais, e, ainda, tudo que diz respeito à convergência de mídias, entre outros temas.
É ingênuo acreditar que os lobbies, praticados de forma desregulamentada e de maneira privada, não estão agindo nos corredores de Brasília e de outras capitais brasileiras.
As empresas, por exemplo, fazem os seus relacionamentos com autoridades sob o guarda-chuva de áreas que chamam de "relações governamentais ou institucionais", entre outras. E como vivermos, em matéria de lobby, num território sem lei, todos, mesmo os que praticam os relacionamentos com o governo dentro da legalidade, estão sob suspeição.
Nesta quinta-feira, 01 d março, o ex-ministro das Comunicações, Said Farhat, lançou em São Paulo, o livro Lobby. O que é. Como se faz: Ética e transparência na representação junto a governo. A obra é um tratado de 511 páginas que ilumina o assunto, esclarece como a atividade pode se transformar em instrumento para o aperfeiçoamento da democracia e da ética no Brasil. Said Farhat, um dos pioneiros e principais comunicadores do Brasil, faz também o registro histórico, prático e teórico do exercício da atividade de lobby no Brasil, da defesa legítima e aberta de interesses de atores sociais identificáveis. Farhat, que generosamente registra nesta obra as principais passagens de sua vida, dedicada ao tema, produz não apenas memória, mas compartilha conhecimento, experiências e histórias vividas.
Os ganhos da regulamentação do lobby no Brasil são destacados pelo jornalista Carlos Eduardo Lins da Silva que afirma, na orelha da obra, "que numa democracia saudável, o exercício do lobby honesto, transparente, com informação confiável e representação qualificada só pode aperfeiçoar as políticas públicas adotadas pelo Estado".
A iniciativa de Said, com certeza, ajudará a tirar um pouco do ranço da palavra, ao mostrar que existe lobby fora dos cantos sombrios, à luz do dia ou em noites iluminadas.

Paulo Nassar é professor da Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Diretor-presidente da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE). Autor de inúmeros livros, entre eles O que é Comunicação Empresarial, A Comunicação da Pequena Empresa, e Tudo é Comunicação.

Fale com Paulo Nassar: paulo_nassar@terra.com.br

Para saber mais, visite o site: http://www.lobbying.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…