Pular para o conteúdo principal

Você é a favor da regulamentação do lobby no Brasil?

O Estado de S.Paulo – Caderno Aliás
15.11.2008

Limites na intermediação de interesses

A Controladoria-Geral da União (foto) realizou, nessa semana, um seminário internacional sobre a regulamentação do lobby no Brasil. O objetivo do encontro era promover o debate sobre a criação de regras e limites para a prática do lobby, a partir de experiências bem-sucedidas de países desenvolvidos e de propostas contidas em projetos de lei sobre o assunto que tramitam no Congresso. As discussões devem subsidiar um texto que regulamente a atividade.

Resultado da enquete:

Sim: 56%

Não: 44%

Comentários

"M" as Miracle disse…
Antes mesmo que se discuta a Legalização do lloby no Brasil, é preciso que haja, em primeiro lugar, um melhor esclarecimento sobre o que é efetivamente a atividade de lobby, seja no Brasil, seja no mundo.
O fato é que hoje no Brasil, o lobby é confundido com o tráfico de influência e a defesa de interesses próprios ou de determinada classe.
Há que se esclarecer o que compete ao lobby, qual sua "real intenção" e qual sua finalidade.
De outro jeito, não é possível entender para opinar.
Parafraseando a Bíblia: "e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"; Se essa máxima for seguida a risca, tenho certeza de que o processo de tomada de decisões será melhor, mais justo e mais igualitário.
Marcos Rocha, aluno UNINOVE - 1º semestre Direito
Marcos,

O meu objetivo com esse espaço virtual é justamente tentar contribuir para a melhor compreensão sobre essa atividade.
Porém, creio que antes de mais nada é preciso se perguntar: regulamentar para quem?
Se mantivermos o mesmo formato de representação de interesses atual não haverá possibilidade de consolidação democrática, uma vez que os grupos de interesse não tem a mesma capacidade para acessar os tomadores de opinião.
Assim, é preciso, antes de mais nada, no formato de representação de nossa sociedade. Pluralismo ou neocorporativismo?
"M" as Miracle disse…
Profa.
Voce fez a pergunta certa: regulamentar para quem?
E usando da sua aula sobre Russeau, que foi tão bem ministrada, "se temos que escolher representantes, se este for um mal necessário, então que haja fiscalização por parte do povo e que a renovação dos representantes seja constante".
Agora uma pergunta: voce como estudiosa, tem alguma sugestão de como podemos contribuir para que esse processo eleitoral seja melhorado, ou seja, que as pessoas tenham a real consciencia sobre quem eleger?
aproveitando o espaço, quero te agradecer porque tenho aprendido muito mais sobre politica durante suas aulas do que em todo o meu tempo de vida (que não é pouco).
Obrigado por dividir seu conhecimento conosco.
juslaboral.net disse…
Entendo pertinente a regulamentação do Lobby no Brasil, e de forma geral. Melhor formalizar, a par de eventuais imperfeições que possam surgir de tal regulamentação, do que continuar do jeito que está atualmente a prática de Lobby no Legislativo brasileiro.
A atividade lobbysta, legalizada, é prática comum em países de primeiro mundo, de tal sorte que não vejo razão para não se fazer o mesmo em nosso país. Aliás, penso que a Legalização dos Lobbys está na mesma linha de importância do financiamento público de campanha eleitoral (prática utilizada até mesmo pelos EUA).

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Evento discute engajamento e mobilização para advocacy via redes sociais na FGV/EAESP

Maiores informações e inscrições:http://gvredes.com.br/evento/mobilizacao-e-engajamento-para-advocacy-via-redes-sociais/