Pular para o conteúdo principal

Você é a favor da regulamentação do lobby no Brasil?

O Estado de S.Paulo – Caderno Aliás
15.11.2008

Limites na intermediação de interesses

A Controladoria-Geral da União (foto) realizou, nessa semana, um seminário internacional sobre a regulamentação do lobby no Brasil. O objetivo do encontro era promover o debate sobre a criação de regras e limites para a prática do lobby, a partir de experiências bem-sucedidas de países desenvolvidos e de propostas contidas em projetos de lei sobre o assunto que tramitam no Congresso. As discussões devem subsidiar um texto que regulamente a atividade.

Resultado da enquete:

Sim: 56%

Não: 44%

Comentários

"M" as Miracle disse…
Antes mesmo que se discuta a Legalização do lloby no Brasil, é preciso que haja, em primeiro lugar, um melhor esclarecimento sobre o que é efetivamente a atividade de lobby, seja no Brasil, seja no mundo.
O fato é que hoje no Brasil, o lobby é confundido com o tráfico de influência e a defesa de interesses próprios ou de determinada classe.
Há que se esclarecer o que compete ao lobby, qual sua "real intenção" e qual sua finalidade.
De outro jeito, não é possível entender para opinar.
Parafraseando a Bíblia: "e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"; Se essa máxima for seguida a risca, tenho certeza de que o processo de tomada de decisões será melhor, mais justo e mais igualitário.
Marcos Rocha, aluno UNINOVE - 1º semestre Direito
Marcos,

O meu objetivo com esse espaço virtual é justamente tentar contribuir para a melhor compreensão sobre essa atividade.
Porém, creio que antes de mais nada é preciso se perguntar: regulamentar para quem?
Se mantivermos o mesmo formato de representação de interesses atual não haverá possibilidade de consolidação democrática, uma vez que os grupos de interesse não tem a mesma capacidade para acessar os tomadores de opinião.
Assim, é preciso, antes de mais nada, no formato de representação de nossa sociedade. Pluralismo ou neocorporativismo?
"M" as Miracle disse…
Profa.
Voce fez a pergunta certa: regulamentar para quem?
E usando da sua aula sobre Russeau, que foi tão bem ministrada, "se temos que escolher representantes, se este for um mal necessário, então que haja fiscalização por parte do povo e que a renovação dos representantes seja constante".
Agora uma pergunta: voce como estudiosa, tem alguma sugestão de como podemos contribuir para que esse processo eleitoral seja melhorado, ou seja, que as pessoas tenham a real consciencia sobre quem eleger?
aproveitando o espaço, quero te agradecer porque tenho aprendido muito mais sobre politica durante suas aulas do que em todo o meu tempo de vida (que não é pouco).
Obrigado por dividir seu conhecimento conosco.
Anônimo disse…
Entendo pertinente a regulamentação do Lobby no Brasil, e de forma geral. Melhor formalizar, a par de eventuais imperfeições que possam surgir de tal regulamentação, do que continuar do jeito que está atualmente a prática de Lobby no Legislativo brasileiro.
A atividade lobbysta, legalizada, é prática comum em países de primeiro mundo, de tal sorte que não vejo razão para não se fazer o mesmo em nosso país. Aliás, penso que a Legalização dos Lobbys está na mesma linha de importância do financiamento público de campanha eleitoral (prática utilizada até mesmo pelos EUA).

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…