Pular para o conteúdo principal

Você é a favor da regulamentação do lobby no Brasil?

O Estado de S.Paulo – Caderno Aliás
15.11.2008

Limites na intermediação de interesses

A Controladoria-Geral da União (foto) realizou, nessa semana, um seminário internacional sobre a regulamentação do lobby no Brasil. O objetivo do encontro era promover o debate sobre a criação de regras e limites para a prática do lobby, a partir de experiências bem-sucedidas de países desenvolvidos e de propostas contidas em projetos de lei sobre o assunto que tramitam no Congresso. As discussões devem subsidiar um texto que regulamente a atividade.

Resultado da enquete:

Sim: 56%

Não: 44%

Comentários

"M" as Miracle disse…
Antes mesmo que se discuta a Legalização do lloby no Brasil, é preciso que haja, em primeiro lugar, um melhor esclarecimento sobre o que é efetivamente a atividade de lobby, seja no Brasil, seja no mundo.
O fato é que hoje no Brasil, o lobby é confundido com o tráfico de influência e a defesa de interesses próprios ou de determinada classe.
Há que se esclarecer o que compete ao lobby, qual sua "real intenção" e qual sua finalidade.
De outro jeito, não é possível entender para opinar.
Parafraseando a Bíblia: "e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"; Se essa máxima for seguida a risca, tenho certeza de que o processo de tomada de decisões será melhor, mais justo e mais igualitário.
Marcos Rocha, aluno UNINOVE - 1º semestre Direito
Marcos,

O meu objetivo com esse espaço virtual é justamente tentar contribuir para a melhor compreensão sobre essa atividade.
Porém, creio que antes de mais nada é preciso se perguntar: regulamentar para quem?
Se mantivermos o mesmo formato de representação de interesses atual não haverá possibilidade de consolidação democrática, uma vez que os grupos de interesse não tem a mesma capacidade para acessar os tomadores de opinião.
Assim, é preciso, antes de mais nada, no formato de representação de nossa sociedade. Pluralismo ou neocorporativismo?
"M" as Miracle disse…
Profa.
Voce fez a pergunta certa: regulamentar para quem?
E usando da sua aula sobre Russeau, que foi tão bem ministrada, "se temos que escolher representantes, se este for um mal necessário, então que haja fiscalização por parte do povo e que a renovação dos representantes seja constante".
Agora uma pergunta: voce como estudiosa, tem alguma sugestão de como podemos contribuir para que esse processo eleitoral seja melhorado, ou seja, que as pessoas tenham a real consciencia sobre quem eleger?
aproveitando o espaço, quero te agradecer porque tenho aprendido muito mais sobre politica durante suas aulas do que em todo o meu tempo de vida (que não é pouco).
Obrigado por dividir seu conhecimento conosco.
Anônimo disse…
Entendo pertinente a regulamentação do Lobby no Brasil, e de forma geral. Melhor formalizar, a par de eventuais imperfeições que possam surgir de tal regulamentação, do que continuar do jeito que está atualmente a prática de Lobby no Legislativo brasileiro.
A atividade lobbysta, legalizada, é prática comum em países de primeiro mundo, de tal sorte que não vejo razão para não se fazer o mesmo em nosso país. Aliás, penso que a Legalização dos Lobbys está na mesma linha de importância do financiamento público de campanha eleitoral (prática utilizada até mesmo pelos EUA).

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…