Pular para o conteúdo principal

Especialista americano diz que regulamentação do lobby não é tarefa fácil

O professor de Ciência Política da Universidade do Alaska, Clive Thomas, um dos maiores especialistas no tema da intermediação de interesses nos Estados Unidos e União Européia, abriu na manhã de hoje o primeiro painel do "Seminário Internacional sobre Mediação de Interesses", elogiando o Brasil por dar início a uma ampla discussão sobre a regulamentação da atividade de lobby. Thomas lembrou, entretanto, que a criação dessa lei não será fácil. "A questão a ser discutida aqui é política", afirmou.
O primeiro painel do seminário, aberto por Clive Thomas, abordou os desafios da regulamentação do lobby. Ao relatar a vasta experiência americana sobre o lobby, Thomas deixou claro que o Brasil tem que debater e solucionar o problema com a regulamentação do lobby sem copiar ninguém. "O que se aplica nos Estados Unidos serve lá. A solução aqui tem que ser brasileira", afirmou.
Para o professor Clive Thomas, a regulamentação do lobby no Brasil vai enfrentar vários obstáculos, entre eles o de definir o que é um lobista e o que são os grupos de pressão. "Nem todos os lobistas são iguais". Outra dificuldade, segundo o professor, é que muitas metas pretendidas com a regulamentação não serão cumpridas, pois uma lei só funciona quando há vontade de todos os envolvidos. "É um jogo de poder. Tem as pessoas que querem e as que não querem", concluiu.
O segundo palestrante, Luiz Alberto dos Santos, subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Públicas Governamentais da Casa Civil da Presidência da República, autor de tese de doutorado sobre o assunto na Universidade de Brasília, apresentou um perfil mais teórico sobre a regulamentação do lobby, afirmando que o conceito do termo indica a "atuação de um grupo de pressão organizado por meio de um indivíduo. O lobby é conseqüência e não causa".
Ao destacar a influência do lobby nos órgãos públicos, Luiz Alberto dos Santos, ressaltou que o grande desafio será o de impedir a captura dos órgãos pelos interesses privados. "Os agentes públicos necessitam estar bem informados sobre quem está envolvido nessas atividades", defendeu.
O "Seminário Internacional sobre Mediação de Interesses" é uma iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Casa Civil da Presidência da República, o Ministério da Justiça, e o Centro Universitário de Brasília (UniCeub). A programação prevê a realização ainda hoje e amanhã, de seis painéis, com a participação de acadêmicos, parlamentares e especialistas no tema “intermediação de interesses”. A proposta do seminário é colher subsídios para a formulação de uma proposta que o Governo Federal deverá preparar para subsidiar a regulamentação do lobby.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…