Pular para o conteúdo principal

O modelo norte americano é o melhor a ser seguido por nossos legisladores?

Obama cria regras contra lobby na Casa Branca e congela salários
Publicidade

da Folha Online

Em seu primeiro dia de trabalho, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, instituiu novos limites a lobistas na Casa Branca e congelou os ganhos dos seus assessores com maiores salários. No total, o presidente assinou duas ordens executivas e três memorandos presidenciais nesta quarta-feira, anunciando o início de uma "nova era" da política.

As novas regras de Obama sobre o lobby não apenas proíbem que seus assessores tentem influenciar a administração após deixar o governo. Elas também proíbem que os já contratados trabalhem em áreas para as quais já fizeram lobby, ou de se aproximar de agências do governo que já foram alvo de pressão.

Presentes proibidos

As medidas desta quarta-feira também proíbem lobistas de dar presentes de qualquer valor a membros de sua administração. Não ficou claro de imediato se a proibição incluiria a tradicional cláusula das "relações prévias", que permite presentes de amigos ou associados com os quais os empregados tenham laços fortes.
Quem sair de seu governo estará proibido de tentar influenciar antigos colegas nos dois anos seguintes. Obama pede a toda a sua equipe que participe de uma "palestra" sobre ética como a que ele disse ter visto na semana passada.
Obama disse que as regras são mais estritas "que as de qualquer outra administração da história". Elas seguem suas promessas de campanha de ser duro com a influência de lobistas na Casa Branca.

"As novas regras sobre lobby, sozinhas, não importa o quão duras, não serão o suficiente para consertar um sistema falido em Washington", afirmou o presidente. "É por isso que estou criando regras que se aplicam não apenas os lobistas, mas a todos aqueles que foram selecionados para trabalhar em minha administração", completou.
Ao anunciar as medidas, o presidente disse que elas representam "uma clara ruptura dos 'negócios como sempre'".

"Na Ordem Executiva sobre Comprometimentos Éticos da Equipe do Ramo Executivo, o presidente, primeiro, proíbe funcionários do Executivo de receber presentes de lobistas", afirma a nota da Casa Branca. "Segundo, ele fecha a porta que permite que funcionários do governo venham de e vão a trabalhos na iniciativa privada de forma que possa dar àquele setor uma influência indevida sobre o governo. Terceiro, ele requer que as contratações do governo sejam baseadas em qualificações, competência e experiência, não em conexões políticas", acrescenta.

O presidente anunciou também a primeira medida de combate a crise financeira, a começar pelo congelamento de salários dos funcionários da Casa Branca, da assessoria Nacional de Segurança e da Secretaria de Comunicação que tenham remuneração acima de US$ 100 mil (cerca de R$ 235 mil) no ano.

No Memorando Presidencial sobre Transparência e Governo Aberto e no Memorando Presidencial sobre a Lei de Liberdade de Informação, o presidente instrui todos os membros de sua administração a trabalharem sob os princípios da abertura, transparência e para engajarem os cidadãos a trabalhar com o governo, segundo o comunicado da Casa Branca.

Com agências internacionais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

O lobby, à espera de regulamentação

O lobby, à espera de regulamentação
Carlos Ming, Estadão, 19/05/2019

Formalização da prática pode trazer mais transparência, esclarecendo quem defende o que, em nome de quem e com atuação junto a quem. Há assuntos que há quatro décadas vêm e voltam no Congresso brasileiro, como as fases da lua. Um desses assuntos é a regulamentação do lobby, agora em crescente. Um projeto de lei tramita na Câmara dos Deputados em regime de urgência. Em paralelo, corre a solicitação de decreto federal, de iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), que impõe mais transparência à atividade dos lobistas no governo. As práticas de lobby, no Brasil, quase sempre estiveram associadas a corrupção e a relacionamento escuso entre os setores privado e público. Se não isso, têm servido para arrancar do governo, do Congresso e até mesmo do Judiciário decisões que atendem a interesses privados, nem sempre em harmonia com o interesse público. Por trás de um lobby podem estar empresas, setores da economia, sin…