Pular para o conteúdo principal

Seminário sobre lobby começa com defesa unânime da regulamentação

Representantes de instituições do Poder Executivo, do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e de organismo internacional, reunidos na noite desta segunda-feira (10) para a abertura do “Seminário Internacional sobre Mediação de Interesses”, foram unânimes ao defender a necessidade urgente de regulamentação da atividade de lobby no Brasil. Até amanhã (12), especialistas do Brasil e do exterior participarão do evento para a discussão de propostas que contribuam para regulamentar o exercício da atividade, considerada pelos presentes como legítima e inerente ao ambiente democrático.
“O que se pretende é criar um foro de debate que reúna todas as experiências relevantes sobre o tema, com representação de todos os setores da sociedade”, afirmou o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, ao explicar os objetivos do seminário. Segundo ele, “transparência é a palavra chave nesse processo, pois fará com que a atividade se desenvolva às claras, dentro de regras estabelecidas e de conhecimento de todos”.
As conclusões do seminário orientarão a elaboração de proposta do Governo Federal para a adoção de limites éticos na atividade de mediação de interesses. Hoje, diferentemente, por exemplo, da Europa e dos Estados Unidos, no Brasil os representantes de corporações, classes ou grupos sociais exercem sem regulamentação alguma o trabalho de influenciar decisões junto à Administração Pública. O evento é uma iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Casa Civil da Presidência da República, o Ministério da Justiça, e o Centro Universitário de Brasília (UniCeub).
O Procurador-Geral da República, Antonio Fernando Souza, afirmou que a discussão iniciada na noite de ontem é muito relevante para o País, “pois é necessário que a atividade de lobby que se realiza legitimamente possa se extremar daquela que se realiza nas sombras”.
Projetos adormecidos
No Congresso Nacional, duas propostas tratam da regulamentação do lobby, a mais antiga em tramitação há quase vinte anos. Presente à abertura do seminário, o presidente do Senado Federal, Garibaldi Alves, disse desconhecer a existência há tanto tempo de projetos de lei sobre o assunto e discursou para anunciar providências. "Imediatamente solicitarei ao presidente da Câmara dos Deputados para tomarmos posição ante as propostas existentes, a fim de dizermos à Nação que finalmente essa designação de lobista terá uma regulamentação", informou. "Não se pode agir às escuras, o País não mais aceita a clandestinidade."
O senador Marco Maciel, autor do Projeto de Lei 203/89, apresentado há quase duas décadas, aprovado pelo Senado e há 13 anos à espera de análise pela Câmara dos Deputados, também participou da abertura do Seminário Internacional sobre Mediação de Interesses. "O objetivo foi estabelecer exigências simples como o registro, a prestação de contas à Receita Federal e disciplinar o desenvolvimento das atividades de intermediação de interesses", discursou Maciel. Além dessa proposta, tramita na Câmara Federal o Projeto de Lei 1.207/2007, que tem como autor o deputado federal Carlos Zarattini.
Limites
Na Advocacia-Geral da União (AGU), portaria orienta a relação entre agentes públicos e representantes de corporações, instituições de classes ou grupos sociais. Para a solicitação de audiências, é preciso apresentar pedido escrito, o interessado defensor de interesses deverá comprovar sua representatividade e as discussões durante o encontro serão registradas formalmente. "A relação entre o estado e a sociedade precisa ser a mais transparente possível", argumentou o advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli. "As pessoas que defendem interesses precisam ser cadastradas e agir sob um regulamento".
O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), instituição parceira da CGU em iniciativas para a prevenção e o combate à corrupção, também participou da abertura do Seminário Internacional sobre Mediação de Interesses. O representante regional do UNODC para o Brasil e o Cone Sul, Giovanni Quaglia, defendeu a adoção de limites éticos para a prática do lobby, hoje vista no País de forma pejorativa e preconceituosa. "A intermediação não pode se confundir com corrupção ou com tráfico de influência. É, sim, natural de ambiente plural e democrático", disse.
A programação do seminário prevê a realização, entre hoje e amanhã, de seis painéis, com a participação de acadêmicos, parlamentares e especialistas na intermediação de interesses. Na tarde de amanhã, os relatores divididos por temas apresentarão as conclusões das discussões, a fim de enriquecer a proposta que o Governo Federal deverá preparar para subsidiar a regulamentação do lobby. "É preciso colocar o crachá no lobista", defendeu o ministro-chefe da CGU, Jorge Hage. "A regulamentação da atividade preverá quais os instrumentos legais e legítimos, estabelecerá uma linha divisória".

Fonte: Assessoria de Comunicação Social - CGU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…