Pular para o conteúdo principal

Tese de doutorado investiga o lobby no Brasil

A tese de doutorado de Andréa Cristina de Jesus Oliveira tem como título o "Lobby e Representação de Interesses: lobistas e seu impacto sobre a representação de interesses no Brasil" foi defendida em 2004, no Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas daUniversidade Estadual de Campinas, sob Orientação do Prof. Dr. Bruno W. Speck.

O link para o trabalho, na sua íntegra é: http://www.lobbying.com.br/tesededoutorado.

No resumo, a autora explica que "examina a atuação dos lobistas a fim de investigar sua relação com os poderesLegislativo e Executivo, com seus clientes e, sobretudo, as estratégias de ação que utilizam paraalcançar seus objetivos. Como a atividade lobista apresenta várias formas de atuação, a caracterizamosem quatro tipos: lobbying público; lobbying institucional; lobbying classista e lobbying privado. Nossaanálise, no entanto, foi delimitada à comparação dos lobbying classista e privado. O plenodesenvolvimento do lobbying no Brasil só foi possível com o fortalecimento do poder Legislativo,resultante do processo de redemocratização do país. Porém, a atual predominância do poder Executivosobre o poder Legislativo faz com que o foco de atuação do lobbying no Brasil se dirija aos dois poderes.Dessa forma, o foco de atuação do lobista depende do interesse que se deva defender e quem propôs amatéria que lhes interessa. A relação entre lobistas e clientes é tensa devido ao forte estigma demarginalidade que o lobbying carrega. Sendo assim, o cliente desconfia dos métodos do lobista e olobista, por sua vez, desconfia das intenções do cliente. Contudo, a atividade de lobbying é necessáriapara que se crie um canal de comunicação entre sociedade civil e Estado. Esse canal de comunicação éuma via de mão de dupla, pois, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa ou entidadejunto ao Estado, possibilita ao mesmo trocar idéias e informações com a sociedade civil, o que subsidiaráo seu processo de tomada de decisões e tornará a empresa ou entidade um interlocutor qualificado doEstado. As estratégias de ação comuns aos quatro tipos de lobbying são: monitoramento legislativo epolítico, elaboração de estudos técnicos e pareceres que subsidiem a informação que fornecem aostomadores de decisão e o corpo-a-corpo, que consiste em argumentar para convencer. A grandevisibilidade pública, a legitimidade, a capacidade de mobilização de suas bases e o caráter consensual emajoritário dos interesses defendidos pelas entidades classistas analisadas, são fatores que diferenciama sua atuação frente à dos escritórios de consultoria e lobbying, que costumam defender interessesespecíficos e particularistas. O lobbying realizado no Brasil é reativo, já que em um país em que o poderExecutivo propõe 85% dos projetos em tramitação e que regulamenta diversas áreas que afetam aatuação da iniciativa privada, seria difícil apresentar uma atuação propositiva. Apesar de polêmica, aregulamentação do lobbying é defendida por lobistas e autoridades públicas, uma vez que, pautado porregras claras, o lobbying poderia contribuir para a transparência do processo de tomada de decisões e anoção errônea de clandestinidade também chegaria ao fim Porém, parece não haver vontade política porparte dos parlamentares e a regulamentação da atividade continua a aguardar debates maiscontundentes, tanto por parte do poder Legislativo, quanto do poder Executivo".

É uma leitura que vale a pena para aprofundar o entendimento sobre a política brasileira.

Comentários

profvbarrientos disse…
Cara Prof. Andrea!
Por favor entre en contato conmigo:

Prof. Vicente Barrientos
Director
Instituto Iberoamericano
http://iiberoamericano.ru/
profvbarrientos@gmail.com
(007 916) 246 3563

Lhe envie email ao lobbying@lobbyinf.combr
Mas nao recebi rsposta.

Por favor visite e leia info sobe o nosso GR Congresso na Russia:
http://eng.gr-congress.ru/
profvbarrientos disse…
Prof. Andrea!
Agradeco pela su agentil atencao.

Peco informar como entrar en contato.
Web/Email/Celular/Telefone/Fax.

Postagens mais visitadas deste blog

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …