Pular para o conteúdo principal

Tese de doutorado investiga o lobby no Brasil

A tese de doutorado de Andréa Cristina de Jesus Oliveira tem como título o "Lobby e Representação de Interesses: lobistas e seu impacto sobre a representação de interesses no Brasil" foi defendida em 2004, no Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas daUniversidade Estadual de Campinas, sob Orientação do Prof. Dr. Bruno W. Speck.

O link para o trabalho, na sua íntegra é: http://www.lobbying.com.br/tesededoutorado.

No resumo, a autora explica que "examina a atuação dos lobistas a fim de investigar sua relação com os poderesLegislativo e Executivo, com seus clientes e, sobretudo, as estratégias de ação que utilizam paraalcançar seus objetivos. Como a atividade lobista apresenta várias formas de atuação, a caracterizamosem quatro tipos: lobbying público; lobbying institucional; lobbying classista e lobbying privado. Nossaanálise, no entanto, foi delimitada à comparação dos lobbying classista e privado. O plenodesenvolvimento do lobbying no Brasil só foi possível com o fortalecimento do poder Legislativo,resultante do processo de redemocratização do país. Porém, a atual predominância do poder Executivosobre o poder Legislativo faz com que o foco de atuação do lobbying no Brasil se dirija aos dois poderes.Dessa forma, o foco de atuação do lobista depende do interesse que se deva defender e quem propôs amatéria que lhes interessa. A relação entre lobistas e clientes é tensa devido ao forte estigma demarginalidade que o lobbying carrega. Sendo assim, o cliente desconfia dos métodos do lobista e olobista, por sua vez, desconfia das intenções do cliente. Contudo, a atividade de lobbying é necessáriapara que se crie um canal de comunicação entre sociedade civil e Estado. Esse canal de comunicação éuma via de mão de dupla, pois, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa ou entidadejunto ao Estado, possibilita ao mesmo trocar idéias e informações com a sociedade civil, o que subsidiaráo seu processo de tomada de decisões e tornará a empresa ou entidade um interlocutor qualificado doEstado. As estratégias de ação comuns aos quatro tipos de lobbying são: monitoramento legislativo epolítico, elaboração de estudos técnicos e pareceres que subsidiem a informação que fornecem aostomadores de decisão e o corpo-a-corpo, que consiste em argumentar para convencer. A grandevisibilidade pública, a legitimidade, a capacidade de mobilização de suas bases e o caráter consensual emajoritário dos interesses defendidos pelas entidades classistas analisadas, são fatores que diferenciama sua atuação frente à dos escritórios de consultoria e lobbying, que costumam defender interessesespecíficos e particularistas. O lobbying realizado no Brasil é reativo, já que em um país em que o poderExecutivo propõe 85% dos projetos em tramitação e que regulamenta diversas áreas que afetam aatuação da iniciativa privada, seria difícil apresentar uma atuação propositiva. Apesar de polêmica, aregulamentação do lobbying é defendida por lobistas e autoridades públicas, uma vez que, pautado porregras claras, o lobbying poderia contribuir para a transparência do processo de tomada de decisões e anoção errônea de clandestinidade também chegaria ao fim Porém, parece não haver vontade política porparte dos parlamentares e a regulamentação da atividade continua a aguardar debates maiscontundentes, tanto por parte do poder Legislativo, quanto do poder Executivo".

É uma leitura que vale a pena para aprofundar o entendimento sobre a política brasileira.

Comentários

profvbarrientos disse…
Cara Prof. Andrea!
Por favor entre en contato conmigo:

Prof. Vicente Barrientos
Director
Instituto Iberoamericano
http://iiberoamericano.ru/
profvbarrientos@gmail.com
(007 916) 246 3563

Lhe envie email ao lobbying@lobbyinf.combr
Mas nao recebi rsposta.

Por favor visite e leia info sobe o nosso GR Congresso na Russia:
http://eng.gr-congress.ru/
profvbarrientos disse…
Prof. Andrea!
Agradeco pela su agentil atencao.

Peco informar como entrar en contato.
Web/Email/Celular/Telefone/Fax.

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores