Pular para o conteúdo principal

Tese de doutorado investiga o lobby no Brasil

A tese de doutorado de Andréa Cristina de Jesus Oliveira tem como título o "Lobby e Representação de Interesses: lobistas e seu impacto sobre a representação de interesses no Brasil" foi defendida em 2004, no Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas daUniversidade Estadual de Campinas, sob Orientação do Prof. Dr. Bruno W. Speck.

O link para o trabalho, na sua íntegra é: http://www.lobbying.com.br/tesededoutorado.

No resumo, a autora explica que "examina a atuação dos lobistas a fim de investigar sua relação com os poderesLegislativo e Executivo, com seus clientes e, sobretudo, as estratégias de ação que utilizam paraalcançar seus objetivos. Como a atividade lobista apresenta várias formas de atuação, a caracterizamosem quatro tipos: lobbying público; lobbying institucional; lobbying classista e lobbying privado. Nossaanálise, no entanto, foi delimitada à comparação dos lobbying classista e privado. O plenodesenvolvimento do lobbying no Brasil só foi possível com o fortalecimento do poder Legislativo,resultante do processo de redemocratização do país. Porém, a atual predominância do poder Executivosobre o poder Legislativo faz com que o foco de atuação do lobbying no Brasil se dirija aos dois poderes.Dessa forma, o foco de atuação do lobista depende do interesse que se deva defender e quem propôs amatéria que lhes interessa. A relação entre lobistas e clientes é tensa devido ao forte estigma demarginalidade que o lobbying carrega. Sendo assim, o cliente desconfia dos métodos do lobista e olobista, por sua vez, desconfia das intenções do cliente. Contudo, a atividade de lobbying é necessáriapara que se crie um canal de comunicação entre sociedade civil e Estado. Esse canal de comunicação éuma via de mão de dupla, pois, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa ou entidadejunto ao Estado, possibilita ao mesmo trocar idéias e informações com a sociedade civil, o que subsidiaráo seu processo de tomada de decisões e tornará a empresa ou entidade um interlocutor qualificado doEstado. As estratégias de ação comuns aos quatro tipos de lobbying são: monitoramento legislativo epolítico, elaboração de estudos técnicos e pareceres que subsidiem a informação que fornecem aostomadores de decisão e o corpo-a-corpo, que consiste em argumentar para convencer. A grandevisibilidade pública, a legitimidade, a capacidade de mobilização de suas bases e o caráter consensual emajoritário dos interesses defendidos pelas entidades classistas analisadas, são fatores que diferenciama sua atuação frente à dos escritórios de consultoria e lobbying, que costumam defender interessesespecíficos e particularistas. O lobbying realizado no Brasil é reativo, já que em um país em que o poderExecutivo propõe 85% dos projetos em tramitação e que regulamenta diversas áreas que afetam aatuação da iniciativa privada, seria difícil apresentar uma atuação propositiva. Apesar de polêmica, aregulamentação do lobbying é defendida por lobistas e autoridades públicas, uma vez que, pautado porregras claras, o lobbying poderia contribuir para a transparência do processo de tomada de decisões e anoção errônea de clandestinidade também chegaria ao fim Porém, parece não haver vontade política porparte dos parlamentares e a regulamentação da atividade continua a aguardar debates maiscontundentes, tanto por parte do poder Legislativo, quanto do poder Executivo".

É uma leitura que vale a pena para aprofundar o entendimento sobre a política brasileira.

Comentários

profvbarrientos disse…
Cara Prof. Andrea!
Por favor entre en contato conmigo:

Prof. Vicente Barrientos
Director
Instituto Iberoamericano
http://iiberoamericano.ru/
profvbarrientos@gmail.com
(007 916) 246 3563

Lhe envie email ao lobbying@lobbyinf.combr
Mas nao recebi rsposta.

Por favor visite e leia info sobe o nosso GR Congresso na Russia:
http://eng.gr-congress.ru/
profvbarrientos disse…
Prof. Andrea!
Agradeco pela su agentil atencao.

Peco informar como entrar en contato.
Web/Email/Celular/Telefone/Fax.

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…