Pular para o conteúdo principal

Journal of Public Affair - Special Issue: Interest Groups, Lobbying and Lobbyists in Developing Democracies

Journal of Public Affairs
Copyright © 2009 John Wiley & Sons, Ltd

TABLE OF CONTENTS
Volume 8 Issue 1-2 , Pages 1 - 127 (February - May 2008)
Special Issue: Interest Groups, Lobbying and Lobbyists in Developing Democracies
Issue Edited by Clive S. Thomas

Academic Papers

Understanding interest groups, lobbying and lobbyists in developing democracies (p 1-14)Clive S. Thomas, Ronald J. HrebenarPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.287
Abstract
This introductory article sets the scene for understanding the seven articles that follow in this Special Issue of the Journal. It lays the groundwork in five areas. First, it explains key terms and concepts important for understanding interests, interest groups and lobbying in developing democracies and goes into some detail about the concept of democracy. Second, it offers insights into the characteristics of interest group systems in developing democracies. Third, it briefly reviews the form and extent of the existing work written on interest groups in these political systems. Fourth, it argues that viewing developing democracies through the role of interest groups is a valuable analytical tool but must be adapted from the study of interest groups in developed and well-established democracies to be of use in understanding these developing systems. And fifth, it points out how the seven articles that follow help illustrate the definitions and explanations presented in the previous four sections and the promise and challenges faced by interests and interest groups in these political systems.
References Full Text: PDF (Size: 129K) Save Article

The development and regulation of lobbying in the new member states of the European Union (p 15-32)Conor McGrathPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.284
Abstract References Full Text: PDF (Size: 158K) Save Article

Economic interest groups and the consolidation of democracy in the Czech Republic (p 33-49)Robert K. EvansonPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.283
Abstract References Full Text: PDF (Size: 144K) Save Article

Interests and lobbying in Lithuania: a spectrum of development (p 51-65)Ronald J. Hrebenar, Courtney H. McBeth, Bryson B. MorganPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.281
Abstract References Full Text: PDF (Size: 318K) Save Article

Business lobbies and policymaking in developing countries: the contrasting cases of India and China (p 67-82)Vineeta YadavPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.285
Abstract References Full Text: PDF (Size: 207K) Save Article

Continuity and change in Argentine interest group activity and lobbying practices (p 83-97)Diane E. JohnsonPublished Online: May 8 2008 12:29PMDOI: 10.1002/pa.282
Abstract
For much of Argentina's history, key groups representing labour, big business and agriculture went directly to the executive branch rather than working through the relatively weak national Congress or political parties. Political instability both contributed to, and resulted from, this tendency. Since the return to democracy in 1983, the process of interest articulation has manifested both continuity and change. Although the system remains distinct from the traditional models of pluralism and corporatism in the U.S. and Western Europe, the adoption of neoliberal economic policies and the gradual institutionalization of democracy have led to an incremental but, as yet, incomplete shift from a form of corporatism to one that is more pluralistic. While neither globalization nor pluralism guarantee democratic stability, the resultant changes in these contexts are likely to be more conducive to democratic stability and government accountability in Argentina than the old system of interest articulation. However, Argentina has no general law regulating lobbying practices, despite efforts to pass one in the recent years.
References Full Text: PDF (Size: 134K) Save Article

Coalition lobbying in Tanzania: the experiences of local NGOs (p 99-114)Ginger L. Elliott-TeaguePublished Online: May 19 2008 10:16AMDOI: 10.1002/pa.286
Abstract References Full Text: PDF (Size: 133K) Save Article

The emergence of civil society organizations in South Africa (p 115-127)Howard P. LehmanPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.288
Abstract References Full Text: PDF (Size: 117K) Save Article

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …