Pular para o conteúdo principal

Journal of Public Affair - Special Issue: Interest Groups, Lobbying and Lobbyists in Developing Democracies

Journal of Public Affairs
Copyright © 2009 John Wiley & Sons, Ltd

TABLE OF CONTENTS
Volume 8 Issue 1-2 , Pages 1 - 127 (February - May 2008)
Special Issue: Interest Groups, Lobbying and Lobbyists in Developing Democracies
Issue Edited by Clive S. Thomas

Academic Papers

Understanding interest groups, lobbying and lobbyists in developing democracies (p 1-14)Clive S. Thomas, Ronald J. HrebenarPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.287
Abstract
This introductory article sets the scene for understanding the seven articles that follow in this Special Issue of the Journal. It lays the groundwork in five areas. First, it explains key terms and concepts important for understanding interests, interest groups and lobbying in developing democracies and goes into some detail about the concept of democracy. Second, it offers insights into the characteristics of interest group systems in developing democracies. Third, it briefly reviews the form and extent of the existing work written on interest groups in these political systems. Fourth, it argues that viewing developing democracies through the role of interest groups is a valuable analytical tool but must be adapted from the study of interest groups in developed and well-established democracies to be of use in understanding these developing systems. And fifth, it points out how the seven articles that follow help illustrate the definitions and explanations presented in the previous four sections and the promise and challenges faced by interests and interest groups in these political systems.
References Full Text: PDF (Size: 129K) Save Article

The development and regulation of lobbying in the new member states of the European Union (p 15-32)Conor McGrathPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.284
Abstract References Full Text: PDF (Size: 158K) Save Article

Economic interest groups and the consolidation of democracy in the Czech Republic (p 33-49)Robert K. EvansonPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.283
Abstract References Full Text: PDF (Size: 144K) Save Article

Interests and lobbying in Lithuania: a spectrum of development (p 51-65)Ronald J. Hrebenar, Courtney H. McBeth, Bryson B. MorganPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.281
Abstract References Full Text: PDF (Size: 318K) Save Article

Business lobbies and policymaking in developing countries: the contrasting cases of India and China (p 67-82)Vineeta YadavPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.285
Abstract References Full Text: PDF (Size: 207K) Save Article

Continuity and change in Argentine interest group activity and lobbying practices (p 83-97)Diane E. JohnsonPublished Online: May 8 2008 12:29PMDOI: 10.1002/pa.282
Abstract
For much of Argentina's history, key groups representing labour, big business and agriculture went directly to the executive branch rather than working through the relatively weak national Congress or political parties. Political instability both contributed to, and resulted from, this tendency. Since the return to democracy in 1983, the process of interest articulation has manifested both continuity and change. Although the system remains distinct from the traditional models of pluralism and corporatism in the U.S. and Western Europe, the adoption of neoliberal economic policies and the gradual institutionalization of democracy have led to an incremental but, as yet, incomplete shift from a form of corporatism to one that is more pluralistic. While neither globalization nor pluralism guarantee democratic stability, the resultant changes in these contexts are likely to be more conducive to democratic stability and government accountability in Argentina than the old system of interest articulation. However, Argentina has no general law regulating lobbying practices, despite efforts to pass one in the recent years.
References Full Text: PDF (Size: 134K) Save Article

Coalition lobbying in Tanzania: the experiences of local NGOs (p 99-114)Ginger L. Elliott-TeaguePublished Online: May 19 2008 10:16AMDOI: 10.1002/pa.286
Abstract References Full Text: PDF (Size: 133K) Save Article

The emergence of civil society organizations in South Africa (p 115-127)Howard P. LehmanPublished Online: Jul 30 2008 1:48PMDOI: 10.1002/pa.288
Abstract References Full Text: PDF (Size: 117K) Save Article

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…