Pular para o conteúdo principal

Setor farmacêutico eleva gastos com lobby

Setor farmacêutico eleva gastos com lobby
Alicia Mundy e T.W. Farnam, The Wall Street Journal

11/05/2009


O setor farmacêutico, que já é aquele que mais gasta em esforços para influenciar Washington, está fazendo uma aposta ainda maior no jogo do lobby.
Possíveis consequências, boas e ruins, da esperada reforma do sistema de saúde dos EUA têm animado os fabricantes, que gastaram US$ 47,4 milhões em atividades de lobby nos primeiros três meses de 2009. São 36% a mais do que em igual período de 2008, segundo informações obrigadas a prestar ao Congresso e analisadas pela organização não-partidária Centro para Políticas Responsáveis. Esse é um dos poucos setores nos EUA a ter elevado gastos com influência política na recessão. De modo geral, várias empresas e instituições fizeram cortes, deixando os gastos estáveis em relação há um ano.
O setor farmacêutico quer ter um papel na definição das leis que vão expandir a cobertura de seguro-saúde entre os americanos. As empresas podem sair no lucro se mais gente ganhar seguros que incluam remédios sob receita. Mas há perigos à espreita em propostas feitas pelo Executivo e por parlamentares do Partido Democrata - o mesmo de Obama - voltadas a cortar custos de saúde. O Congresso estuda grandes projetos sobre patentes, cobertura para remédios por receita, genéricos biológicos, importação de remédios vendidos no Canadá e limites para propaganda direta ao consumidor.
O projeto de lei de ajuda econômica aprovado em fevereiro põe US$ 1,1 bilhão em pesquisas de eficácia comparativa para determinar quais tratamentos e remédios são melhores para certas doenças. Alguns veem na pesquisa uma forma de ajudar governo e seguradoras privadas a cortar gastos com remédios que vão mal em estudos comparativos, embora o propósito oficial não seja corte de custos.
Várias empresas mais que dobraram seus investimentos em lobby no primeiro trimestre deste ano. Oito grandes farmacêuticas - entre elas a divisão americana da alemã Bayer, a GlaxoSmithKline e a Merck, que no Brasil se chama MSD - divulgaram, cada uma, altas acima de 40% em lobby. A Pfizer gastou US$ 6,1 milhões no primeiro trimestre, 119% a mais do que os US$ 2,8 milhões do mesmo período de 2008. Indagada sobre os números, a Pfizer afirmou se reuniu com representantes do Congresso e Executivo sobre como "expandir a cobertura para não-segurados, melhorar a qualidade ao enfatizar a prevenção e premiar a inovação".
A maior organização setorial da indústria, a Pesquisas e Fabricantes Farmacêuticos da América (PhRMA), gastou US$ 6,9 milhões, contra US$ 3,9 milhões há um ano. Para comparar, a indústria de serviços financeiros, que tem bilhões de dólares pendentes de decisões políticas, cortou gastos com lobby em 8% neste mesmo período. A PhRMA financia um grupo de defesa de patentes que apoia pesquisa de eficácia comparativa, mas faz lobby para evitar que os resultados de pesquisas sejam usados em decisões de cobertura e pagamento.
"Todo mundo deveria usar informação para tomar decisões válidas sobre a eficiência dos remédios", disse o ex-deputado Billy Tauzin, presidente da PhRMA. Ele disse que o governo usar as informações para controlar preços não era "o que queremos ver nos EUA".
Houve uma época em que a indústria farmacêutica cultivava laços estreitos com o Partido Republicano, hoje na oposição. Mas agora o setor tem posto mais dinheiro nas campanhas de democratas e trabalhado com grupos simpáticos ao partido de Obama, conhecidos como liberais.
Desde a eleição de 2008, os comitês de ações políticas das farmacêuticas têm preferido os democratas em suas contribuições de campanha, tendo dado US$ 1,2 milhão a democratas e US$ 1 milhão a republicanos, segundo dados da Comissão Eleitoral Federal analisados pelo Centro para Políticas Responsáveis. No mesmo período logo após o pleito de 2004, o setor deu US$ 944 mil a republicanos e US$ 332 mil a democratas. "Nos últimos quatro anos, nos tornamos menos partidários e talvez apartidários", disse Tauzin.
A PhRMA tem trabalhado com grupos políticos liberais, também, tendo criado um comunicado de princípios compartilhados com o grupo de direitos dos pacientes Families USA. Ela também fez uma campanha publicitária com o sindicato internacional dos empregados em serviços agradecendo a parlamentares por terem expandido a assistência médica do governo, inclusive cobertura de remédios sob prescrição, para crianças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Mesa redonda discutira "O papel da tecnologia na democratização do lobby" em 20/09 em São Carlos/SP

O SL Summit é um evento que reúne diversos profissionais, em um só lugar, para apresentarmos casos de sucesso na área de Relações Institucionais e Governamentais (RIG) e discurtimos o futuro da profissão.

Nessa primeira edição, haverá uma mesa redonda onde vamos discutir sobre “O papel da tecnologia na democratização do lobby”. Contaremos com a presença da Andréa Gozetto, coordenadora do MBA em Relações Governamentais da FGV/IDE e Pedro Fiorelli, Executivo Sênior de Relações Institucionais com mais de 10 anos de experiência no setor de infraestrutura e de fundos de investimento.

Se você é um profissional da área, entusiasta, acadêmico ou gosta de política, venha entender como a tecnologia está mudando a forma como fazemos lobby e o que esperar do futuro. O SL Summit acontece em São Carlos, porém faremos uma transmissão ao vivo no nosso Facebook. Se inscreva para receber novidades e o link para a transmissão!

Inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScXbDXSX-T-bwoE1rpGHKqGMVd…