Pular para o conteúdo principal

Mendes diz que regulamentação da atividade de lobby é justamente para evitar ações escusas

BRASÍLIA - O novo ministro da Agricultura, deputado Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), considera necessária a regulamentação da atividade de lobby justamente para evitar ações escusas ou irregulares, como ocorre hoje. O ministro falou sobre o assunto de forma genérica. E ressaltou que ressaltou que toda a atividade irregular deve ser coibida.

O ministro não falou especificamente sobre o lobista Júlio Fróes, que atuava dentro do Ministério da Agricultura. Sobre esse caso, Mendes disse que ainda receber os detalhes do caso do ministro da Controlaria Geral da União (CGU), Jorge Hage, na próxima segunda-feira.

- Tem que regulamentar o processo, até para que ele possa ser legítimo e uma atividade dentro dos padrões éticos. E que seja coibido quando houver a mínima suposição de interesses escusos - disse o ministro, mais tarde.

O parlamentar lembrou que o ex-senador Marco Maciel apresentou um projeto amplo, regulamentando a atividade do lobby no Brasil no âmbito dos três Poderes. Vários setores consideram necessária a adoção de medidas para tentar disciplinar esse tipo de atuação, hoje sem controle.

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/08/19/mendes-diz-que-regulamentacao-da-atividade-de-lobby-justamente-para-evitar-acoes-escusas-925168613.asp

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…