Pular para o conteúdo principal

Sem vontade política, Câmara adia projeto do lobby

Sem vontade política, Câmara adia projeto do lobby Regulamentar a profissão de lobista parece estar longe da prioridade dos parlamentares. Fora da pauta da CCJ, a proposta só deverá ser apreciada depois das eleições por Mario Coelho | 10/06/2012 08:00 Beto Oliveira/Câmara Ricardo Berzoini diz que os responsáveis pelo projeto do lobby não se empenham por ele: "Quem se desloca, recebe" Eles circulam o tempo todo pelo Congresso Nacional. De vez em quando, alguns aparecem envolvidos em escândalos que envolvem pagamentos de propina e entrega de caros presentes. Mesmo com a suspeita de que um senador da República, Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) possa ser lobista de uma organização do crime, continua a patinar no Legislativo a ideia de dar luz e transparência à atividade do lobby. A primeira tentativa de regulamentar o lobby, proposta pelo ex-senador Marco Maciel (DEM-PE) já tem mais de vinte anos. E a atual proposta em tramitação, por pouco não teve como destino as gavetas eternas do Congresso Nacional. O destino do projeto que regulamenta a atividade remunerada do lobby parecia ser o arquivamento por conta de uma série de vícios de origem e inconstitucionalidades. Com a apresentação de um substitutivo há quase dois meses, parte dos problemas foi sanado. No entanto, parece que o principal ainda persiste: a falta de vontade política para votar a proposta. Com isso, o mais provável é que o projeto só deva ser votado em novembro. Enquanto isso, o lugar dos lobistas continuará sendo a sombra. Substitutivo muda sete dos nove artigos do projeto original Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco A prerrogativa de colocar o projeto na pauta da CCJ é exclusiva do presidente da comissão, deputado Ricardo Berzoini (PT-SP). Na última quarta-feira (5), os deputados analisaram 90 de 127 propostas sugeridas para votação. E é justamente o alto volume de proposições a justificativa usada por Berzoini para a demora da regulamentação ser colocada em votação. De acordo com o petista, ele tem despachado entre 30 e 40 projetos por semana para integrar a pauta da comissão. Além daqueles que já entram na sugestão naturalmente, Berzoini diz que a inclusão de outros projetos acaba dependendo da disposição dos responsáveis por eles em fazer pressão.. Coisa que nem o relator do projeto de regulamentação do lobby, César Colnago (PSDB-ES), muito menos seu autor Carlos Zaratini (PT-SP), segundo Berzoini, fizeram até agora. “Quem pede, tem preferência” Palmeirense fanático, Berzoini usa uma frase atribuída ao ex-técnico de futebol Gentil Cardoso, considerado um dos melhores na área nas décadas de 1950 e 1960 no país. “Quem se desloca, recebe, quem pede, tem preferência”, disse o petista lembrando do treinador, que passou por vários clubes do futebol brasileiros, como Fluminense, Bangu, Vasco da Gama, Portuguesa de Desportos, Ponte Preta, São Paulo, Sport Recife, Santa Cruz e Náutico. A regulamentação do lobby é discutida há mais de 20 anos pelo Congresso. Neste tempo, projetos foram analisados e arquivados pela Câmara e pelo Senado. Alguns tramitam até hoje. Mas, com a apresentação de um substitutivo modificando o Projeto de Lei 1202/07, aumentam as chances de existirem regras claras sobre a atividade. O substitutivo elaborado pelo deputado Cesar Colnago (PSDB-ES) foi apresentado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em 12 de abril. Dos nove artigos originalmente previstos pelo petista, sete foram modificados. “Tirei as inconstitucionalidades e deixei claro o que é e o que não é lobby”, afirmou o tucano ao Congresso em Foco. Porém, desde que o relatório foi entregue, ele ainda não foi colocado na pauta de votações da CCJ. Antes tramitando em caráter conclusivo, o projeto vai ter que passar pelo plenário antes de ser enviado ao Senado. A mudança ocorreu pelo fato de o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), ter autorizado mudanças no mérito da proposta, o que não cabia à CCJ. Ninguém empurra o projeto Mas, para chegar até o plenário e ir à votação, o projeto precisa, antes de tudo, ser colocada na pauta da CCJ. Por enquanto, quase dois meses após a apresentação do relatório, ninguém parece disposto a fazê-lo. O relator Colnago disse ao site que sua função já está completa. Fez as mudanças necessárias para evitar o arquivamento e questionamentos sobre inconstitucionalidades. Para ele, cabe ao autor do projeto, Carlos Zaratini, pedir ao presidente da CCJ para colocar a proposta em pauta. Até agora isso não ocorreu. O Congresso em Foco não conseguiu contato com Zaratini (5). Colegas acreditam que, por ser relator da proposta de divisão dos royalties do petróleo na camada pré-sal, ele ainda não teve tempo de analisar o substitutivo. Segundo vice-presidente da CCJ, o deputado Fábio Trad (PMDB-MS) diz que a prerrogativa de incluir o projeto na pauta é de Ricardo Berzoini. Ele afirma que gostaria de ver o lobby regulamentado. “Já é mais que hora de disciplinar a atividade. O sol é o melhor desinfetante”, disse o peemedebista. Berzoini traça um cenário político complicado para a matéria. Cita as festas de São João, a proximidade do recesso parlamentar e as eleições municipais de outubro como dificuldades pela frente. Isso sem contar obstruções e falta de acordo entre os partidos sobre a matéria. Na visão dele, se não entrar na pauta agora, o projeto só vai ter chance de ser analisado em novembro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…