Pular para o conteúdo principal

Sem vontade política, Câmara adia projeto do lobby

Sem vontade política, Câmara adia projeto do lobby Regulamentar a profissão de lobista parece estar longe da prioridade dos parlamentares. Fora da pauta da CCJ, a proposta só deverá ser apreciada depois das eleições por Mario Coelho | 10/06/2012 08:00 Beto Oliveira/Câmara Ricardo Berzoini diz que os responsáveis pelo projeto do lobby não se empenham por ele: "Quem se desloca, recebe" Eles circulam o tempo todo pelo Congresso Nacional. De vez em quando, alguns aparecem envolvidos em escândalos que envolvem pagamentos de propina e entrega de caros presentes. Mesmo com a suspeita de que um senador da República, Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) possa ser lobista de uma organização do crime, continua a patinar no Legislativo a ideia de dar luz e transparência à atividade do lobby. A primeira tentativa de regulamentar o lobby, proposta pelo ex-senador Marco Maciel (DEM-PE) já tem mais de vinte anos. E a atual proposta em tramitação, por pouco não teve como destino as gavetas eternas do Congresso Nacional. O destino do projeto que regulamenta a atividade remunerada do lobby parecia ser o arquivamento por conta de uma série de vícios de origem e inconstitucionalidades. Com a apresentação de um substitutivo há quase dois meses, parte dos problemas foi sanado. No entanto, parece que o principal ainda persiste: a falta de vontade política para votar a proposta. Com isso, o mais provável é que o projeto só deva ser votado em novembro. Enquanto isso, o lugar dos lobistas continuará sendo a sombra. Substitutivo muda sete dos nove artigos do projeto original Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco A prerrogativa de colocar o projeto na pauta da CCJ é exclusiva do presidente da comissão, deputado Ricardo Berzoini (PT-SP). Na última quarta-feira (5), os deputados analisaram 90 de 127 propostas sugeridas para votação. E é justamente o alto volume de proposições a justificativa usada por Berzoini para a demora da regulamentação ser colocada em votação. De acordo com o petista, ele tem despachado entre 30 e 40 projetos por semana para integrar a pauta da comissão. Além daqueles que já entram na sugestão naturalmente, Berzoini diz que a inclusão de outros projetos acaba dependendo da disposição dos responsáveis por eles em fazer pressão.. Coisa que nem o relator do projeto de regulamentação do lobby, César Colnago (PSDB-ES), muito menos seu autor Carlos Zaratini (PT-SP), segundo Berzoini, fizeram até agora. “Quem pede, tem preferência” Palmeirense fanático, Berzoini usa uma frase atribuída ao ex-técnico de futebol Gentil Cardoso, considerado um dos melhores na área nas décadas de 1950 e 1960 no país. “Quem se desloca, recebe, quem pede, tem preferência”, disse o petista lembrando do treinador, que passou por vários clubes do futebol brasileiros, como Fluminense, Bangu, Vasco da Gama, Portuguesa de Desportos, Ponte Preta, São Paulo, Sport Recife, Santa Cruz e Náutico. A regulamentação do lobby é discutida há mais de 20 anos pelo Congresso. Neste tempo, projetos foram analisados e arquivados pela Câmara e pelo Senado. Alguns tramitam até hoje. Mas, com a apresentação de um substitutivo modificando o Projeto de Lei 1202/07, aumentam as chances de existirem regras claras sobre a atividade. O substitutivo elaborado pelo deputado Cesar Colnago (PSDB-ES) foi apresentado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em 12 de abril. Dos nove artigos originalmente previstos pelo petista, sete foram modificados. “Tirei as inconstitucionalidades e deixei claro o que é e o que não é lobby”, afirmou o tucano ao Congresso em Foco. Porém, desde que o relatório foi entregue, ele ainda não foi colocado na pauta de votações da CCJ. Antes tramitando em caráter conclusivo, o projeto vai ter que passar pelo plenário antes de ser enviado ao Senado. A mudança ocorreu pelo fato de o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), ter autorizado mudanças no mérito da proposta, o que não cabia à CCJ. Ninguém empurra o projeto Mas, para chegar até o plenário e ir à votação, o projeto precisa, antes de tudo, ser colocada na pauta da CCJ. Por enquanto, quase dois meses após a apresentação do relatório, ninguém parece disposto a fazê-lo. O relator Colnago disse ao site que sua função já está completa. Fez as mudanças necessárias para evitar o arquivamento e questionamentos sobre inconstitucionalidades. Para ele, cabe ao autor do projeto, Carlos Zaratini, pedir ao presidente da CCJ para colocar a proposta em pauta. Até agora isso não ocorreu. O Congresso em Foco não conseguiu contato com Zaratini (5). Colegas acreditam que, por ser relator da proposta de divisão dos royalties do petróleo na camada pré-sal, ele ainda não teve tempo de analisar o substitutivo. Segundo vice-presidente da CCJ, o deputado Fábio Trad (PMDB-MS) diz que a prerrogativa de incluir o projeto na pauta é de Ricardo Berzoini. Ele afirma que gostaria de ver o lobby regulamentado. “Já é mais que hora de disciplinar a atividade. O sol é o melhor desinfetante”, disse o peemedebista. Berzoini traça um cenário político complicado para a matéria. Cita as festas de São João, a proximidade do recesso parlamentar e as eleições municipais de outubro como dificuldades pela frente. Isso sem contar obstruções e falta de acordo entre os partidos sobre a matéria. Na visão dele, se não entrar na pauta agora, o projeto só vai ter chance de ser analisado em novembro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …