Pular para o conteúdo principal

Short-Course: Lobby Regulation and Political Ethics in Contemporary Government: Lessons from Experiences Around the Democratic World


Aberto para alunos de graduação e pós-graduação em Administração Pública e Governo da FGV/EAESP e público externo, o Centro de Estudos em Administração Pública e Governo (CEAPG) promove:

 

Mini-Curso:

Lobby Regulation and Political Ethics in Contemporary Government: Lessons from Experiences Around the Democratic World[1]

Professor Clive S. Thomas, Ph.D. Fellow no Thomas S. Foley Institute for Public Policy and Public Service,  Washington State University.

 

This short course will examine the strengths and weaknesses of interest group and lobby regulation in advancing political ethics and combating corruption in a country.  It will draw on lessons from around the democratic world including: the United States, Europe and Australia.  The course will provide an overview of the many choices that governments face in regulating lobbying.  The essence of the argument that will be presented is that lobby regulation is only one of several provisions that need to be in place to aid in advancing political ethics and public transparency.  The core of the argument presented, however, will be that laws and regulations must be based on a political culture foundation of the willingness to work to eliminate unethical and corrupt conduct.   

 

Data: 24/09 das 14:00h as 17:00h

Local: Fundação Getúlio Vargas – EAESP - Av. Nove de Julho, 2029 – sala 806

Inscrições até 22/09: enviar e-mail para giovanna.lima@gvmail.br com nome completo e RG.



[1] O mini-curso será ministrado em inglês e não haverá tradução simultânea.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…