Pular para o conteúdo principal

Lobista entrevistado pelo programa Sem fronteiras da Globonews apresenta sua visão

Por Diego Zancan Bonomo Ontem, a GloboNews exibiu uma versão do Sem Fronteiras sobre lobby nos Estados Unidos. O jornalista convidou a mim, a Leticia Barbalho Phillips e a Celia Feldpausch, todos registrados como lobista junto ao Congresso dos Estados Unidos, para conversar sobre o tema. A nós, a matéria, em fase de produção, foi apresentada como uma discussão sobre o que, de fato, é lobby -- e como ele funciona nos Estados Unidos (i.e. sua regulamentação e prática). Passamos mais de uma hora conversando com o jornalista sobre o assunto, a maior parte dela dedicada a explicar a diferença entre o direito de defender um interesse particular legítimo (o direito de petição ao governo) e o ato de corromper um funcionário do governo. Nosso objetivo era, justamente, mostrar como no Brasil -- e até nos Estados Unidos -- há o falso entendimento de que lobby é corrupção; e que a discussão séria sobre os limites do lobby diz respeito não ao direito de peticionar o governo, mas à questão do financiamento de campanha, ou seja, da influência do poder econômico no processo eleitoral, que distorce a representatividade dos eleitores e a competitividade eleitoral dos candidatos. Fizemos um grande esforço para explicar que quem anda com mala de dinheiro para corromper funcionários públicos, faz "caixa 2" ou troca financiamento eleitoral por contratos com o governo não é lobista, é corruptor -- e deve ir para a cadeia. O resultado do programa contudo, foi essa produção péssima que faz, justamente, o contrário! O jornalista começa o programa entrevistando o Abramoff -- um criminoso que desrespeitou as leis sobre lobby e foi preso! --, reforça o mito de que lobby é corrupção e segue por 30 minutos "mostrando" como o sistema político americano é degenerado por conta dessa "verdade"! Confunde o direito de petição ao governo com financiamento de campanha. Não mostra o lobby, legítimo, das empresas e dos sindicatos. Não mostra o lobby, legítimo, dos grupos ambientalistas e de direitos humanos. E, além de tudo, termina com uma falsa oposição entre o movimento pró-direitos civis e a existência do lobby. O Civil Rights Act foi, entre outras coisas, resultado de 100 anos de lobby! Legítimo! Assim como a 19a Emenda, que estabeleceu a voto feminino! O programa só serve para (1) confundir quem assiste e (2) manter o mito de que lobby é corrupção; uma degeneração do regime democrático. Mas o mais interessante de tudo foi a desonestidade intelectual da TV Globo que, ao entrar em contato conosco, disse querer mostrar como, de fato, funcionava o lobby nos Estados Unidos -- ou seja, desmistificar o mito. OBS. Detalhe final para a trilha sonora sombria e a metáfora boba do Império Romano em declínio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

PERFIL DO PROFISSIONAL: FABÍOLA NADER MOTTA

“Trabalho perene, contínuo, no qual você não escolhe candidatos, partidos, lados. Muita transparência, ética e compliance” Conversar com alguém que está radicado em Brasília é sempre um exercício de adivinhação. A cada frase, desponta uma mistura de sotaques típica da capital federal. Com Fabíola Nader Motta, gerente de relações institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), não é diferente. A cada frase, a cada cadência, o interlocutor aposta em uma região do Brasil. Mas o que aparenta é um leve acento mineiro. Fabíola, filha de militar que serviu em várias partes do País, nasceu em Juiz de Fora (MG) e se mudou muito jovem para Brasília. Pelo histórico familiar e pela profissão que escolheu, ela é, aos 31 anos, uma típica brasiliense. Outro aspecto da fala também não passa despercebido. As frases redondas, repletas de dados, resumem outra característica – desta vez, profissional. O poder de articulação e convencimento demonstra o preparo para exercer a atividade q…