Pular para o conteúdo principal

Lobista entrevistado pelo programa Sem fronteiras da Globonews apresenta sua visão

Por Diego Zancan Bonomo Ontem, a GloboNews exibiu uma versão do Sem Fronteiras sobre lobby nos Estados Unidos. O jornalista convidou a mim, a Leticia Barbalho Phillips e a Celia Feldpausch, todos registrados como lobista junto ao Congresso dos Estados Unidos, para conversar sobre o tema. A nós, a matéria, em fase de produção, foi apresentada como uma discussão sobre o que, de fato, é lobby -- e como ele funciona nos Estados Unidos (i.e. sua regulamentação e prática). Passamos mais de uma hora conversando com o jornalista sobre o assunto, a maior parte dela dedicada a explicar a diferença entre o direito de defender um interesse particular legítimo (o direito de petição ao governo) e o ato de corromper um funcionário do governo. Nosso objetivo era, justamente, mostrar como no Brasil -- e até nos Estados Unidos -- há o falso entendimento de que lobby é corrupção; e que a discussão séria sobre os limites do lobby diz respeito não ao direito de peticionar o governo, mas à questão do financiamento de campanha, ou seja, da influência do poder econômico no processo eleitoral, que distorce a representatividade dos eleitores e a competitividade eleitoral dos candidatos. Fizemos um grande esforço para explicar que quem anda com mala de dinheiro para corromper funcionários públicos, faz "caixa 2" ou troca financiamento eleitoral por contratos com o governo não é lobista, é corruptor -- e deve ir para a cadeia. O resultado do programa contudo, foi essa produção péssima que faz, justamente, o contrário! O jornalista começa o programa entrevistando o Abramoff -- um criminoso que desrespeitou as leis sobre lobby e foi preso! --, reforça o mito de que lobby é corrupção e segue por 30 minutos "mostrando" como o sistema político americano é degenerado por conta dessa "verdade"! Confunde o direito de petição ao governo com financiamento de campanha. Não mostra o lobby, legítimo, das empresas e dos sindicatos. Não mostra o lobby, legítimo, dos grupos ambientalistas e de direitos humanos. E, além de tudo, termina com uma falsa oposição entre o movimento pró-direitos civis e a existência do lobby. O Civil Rights Act foi, entre outras coisas, resultado de 100 anos de lobby! Legítimo! Assim como a 19a Emenda, que estabeleceu a voto feminino! O programa só serve para (1) confundir quem assiste e (2) manter o mito de que lobby é corrupção; uma degeneração do regime democrático. Mas o mais interessante de tudo foi a desonestidade intelectual da TV Globo que, ao entrar em contato conosco, disse querer mostrar como, de fato, funcionava o lobby nos Estados Unidos -- ou seja, desmistificar o mito. OBS. Detalhe final para a trilha sonora sombria e a metáfora boba do Império Romano em declínio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç