Pular para o conteúdo principal

É preciso regulamentar o lobby, diz ministro da AGU

FERNANDO RODRIGUES DE BRASÍLIA O advogado-geral da União, ministro Luís Inácio Adams, defendeu ontem "regulamentar" a atividade do lobby no Brasil. "Pode ser um sistema de qualificação das demandas da sociedade", disse. Em entrevista ao Poder e Política, projeto da Folha e do UOL, Adams afirmou ter tomado providências após a deflagração da Operação Porto Seguro, na qual a Polícia Federal descobriu um sistema de tráfico de influência para produção de pareceres dentro da Advocacia Geral da União. http://www3.uol.com.br/module/playlist-videos/2013/trechos-da-entrevista-com-luis-inacio-adams-1362509779296.js Indagado se essas medidas seriam suficientes para barrar a promiscuidade dentro da AGU, respondeu: "Evidente que não. Não posso achar que uma norma vai resolver todo o problema do ponto de vista desse tipo de influência". Para o ministro, o problema não está em receber pessoas interessadas nos pareceres, que entregam memoriais sobre o tema. "O problema é você, como servidor usar a sua função para promover o interesse particular. Aí é diferente". Adams disse ser necessário reconhecer que "a sociedade tem grupos de interesse (...) faz parte do processo democrático, o Estado não se isola". O problema é como se dá essa interação. "Quando você usa mecanismos inadequados, impróprios e, às vezes, criminosos, para fazer valer o seu interesse". Aí entra a regulamentação do lobby. "O lobby existe nos Estados Unidos regulamentado, existe em vários países", afirma o ministro. "É uma forma que a sociedade tem de, através de pessoas qualificadas tecnicamente, poder estruturar propostas e levar ao Estado". Por que então os projetos dentro do próprio governo sobre regulamentar o lobby não andam? Adams responde que "aí é uma questão do processo político". Diz não saber "quais são as matrizes que movimentam isso agora". A presidente Dilma Rousseff teria uma opinião formada sobre regular o lobby? "Não conversei com ela sobre isso", diz Adams, que fala quase diariamente com a presidente. Ontem, antes de a entrevista terminar, seu assessor escreveu num quadro no estúdio onde era realizada a gravação: "Dilma te chama no Alvorada c/ urgência!". Assim que terminou a entrevista, Adams seguiu para o encontro. O ministro enfrentou dentro da AGU uma sindicância que apontou "evidentes indícios" de irregularidades que teriam sido cometidas por ele próprio em conexão com os fatos do inquérito da Operação Porto Seguro -que indicou a existência de uma quadrilha negociando pareceres em benefício de empresas privadas. A Corregedoria Geral da AGU preferiu recomendar o arquivamento do caso. Agora, tudo está com a presidente da República, que pode ou não determinar a abertura de nova investigação contra Adams. Ele nega ter cometido infrações. Quando se refere ao caso, o ministro demonstra confiança sobre a decisão final de Dilma. "Eu já comuniquei a ela, pessoalmente, o resultado da comissão. Mas eu não questionei ela sobre isso. Acho que não é a minha função. Essa é uma decisão dela, e a presidente, evidentemente, vai emitir seu juízo no momento em que ela tiver os elementos e a análise adequada". Uma das ações da AGU para conter o tráfico de influência será a publicação das agendas de audiências, com a lista completa de quem é recebido e os temas abordados. A divulgação desses registros terá ser imediata, diz Adams. "Não existe reserva nesse tipo de informação". No site da AGU, entretanto, tais dados ainda não estão à disposição dos interessados. Acesse a transcrição completa da entrevista: http://www1.folha.uol.com.br/poder/poderepolitica/1241387-leia-a-transcricao-da-entrevista-com-adams-a-folha-e-ao-uol.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…