Pular para o conteúdo principal

CALL FOR PAPERS: SPECIAL ISSUE OF INTEREST GROUPS & ADVOCACY

LEARNING TO LOBBY: PROGRAMS, PRACTICE, AND PERSONALITY Deadline: 1 March 2014 Guest Editor: Conor McGrath, Public Affairs Consultant & Independent Scholar, Dublin, Ireland Among the topics which articles might cover are: • Can effective lobbying skills be learned – are good lobbyists born or taught (Goldman, 2012)? • What subjects do / should be include in the curriculum of a public affairs and lobbying course? • How can real-world, experiential, learning be built into higher education lobbying programs, and how can academic theory be incorporated into industry-driven training courses? • Can or should lobbying education reach a point where possession of an academic qualification could serve as a requirement of entry to the profession? • What are the typical experiential profiles of lobbyists at different stages of their careers, in different countries? • Do professional associations have a role to play in providing or accrediting lobbying courses (Rawel, 2002)? • How can in-house lobbyists be trained to adjust to a new position in consultancy, and vice versa? • Should university courses on public affairs and lobbying be based in departments of political science, or business / management, or communication? • Are there distinctively US, European or Asian models of lobbying training and education? • Would it be useful to have an international association of academics who specialise in lobbying (perhaps similar to NASPAA in the field of public policy and administration, or to the Public Relations Division of the Association for Education in Journalism and Mass Communication), and if so, how can one be established? • What steps can be taken to encourage and promote greater dialogue between academics and lobbying practitioners? Contributions would be particularly welcomed from: academics who run university programmes aimed at lobbyists or aspiring lobbyists; organisations which provide in-career professional development training; associations which represent lobbyists; recruitment consultants with a detailed knowledge of the skills which lobbyists’ employers value; and lobbyists with considerable experience of hiring colleagues. If you are interested in submitting an article to this Special Issue, please contact: Conor McGrath, Public Affairs Consultant & Independent Scholar, Dublin, Ireland conor.p.mcgrath@gmail.com Articles may be of between 3,000 and 8,000 words, and must include an Executive Summary of 400-500 words written for a non-academic audience. Submissions must be original and unpublished works, and must not be submitted elsewhere while under consideration by Interest Groups & Advocacy. All submissions will be double-blind reviewed. Manuscripts should follow the style requirements of Interest Groups & Advocacy – available at http://www.palgrave-journals.com/iga/author_instructions.html. Please ensure that the first page of your submission has only the manuscript title, and the name, institutional affiliation and contact details of each author. Following pages should not contain any identifying references which would indicate to reviewers who the piece is authored by. Submissions due by: 1 March 2014 Peer Review Decisions will be made by: 1 July 2014 Final Submissions due by: 1 October 2014 Publication of Special Issue by: Spring 2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …