Pular para o conteúdo principal

CALL FOR PAPERS: SPECIAL ISSUE OF INTEREST GROUPS & ADVOCACY

LEARNING TO LOBBY: PROGRAMS, PRACTICE, AND PERSONALITY Deadline: 1 March 2014 Guest Editor: Conor McGrath, Public Affairs Consultant & Independent Scholar, Dublin, Ireland Among the topics which articles might cover are: • Can effective lobbying skills be learned – are good lobbyists born or taught (Goldman, 2012)? • What subjects do / should be include in the curriculum of a public affairs and lobbying course? • How can real-world, experiential, learning be built into higher education lobbying programs, and how can academic theory be incorporated into industry-driven training courses? • Can or should lobbying education reach a point where possession of an academic qualification could serve as a requirement of entry to the profession? • What are the typical experiential profiles of lobbyists at different stages of their careers, in different countries? • Do professional associations have a role to play in providing or accrediting lobbying courses (Rawel, 2002)? • How can in-house lobbyists be trained to adjust to a new position in consultancy, and vice versa? • Should university courses on public affairs and lobbying be based in departments of political science, or business / management, or communication? • Are there distinctively US, European or Asian models of lobbying training and education? • Would it be useful to have an international association of academics who specialise in lobbying (perhaps similar to NASPAA in the field of public policy and administration, or to the Public Relations Division of the Association for Education in Journalism and Mass Communication), and if so, how can one be established? • What steps can be taken to encourage and promote greater dialogue between academics and lobbying practitioners? Contributions would be particularly welcomed from: academics who run university programmes aimed at lobbyists or aspiring lobbyists; organisations which provide in-career professional development training; associations which represent lobbyists; recruitment consultants with a detailed knowledge of the skills which lobbyists’ employers value; and lobbyists with considerable experience of hiring colleagues. If you are interested in submitting an article to this Special Issue, please contact: Conor McGrath, Public Affairs Consultant & Independent Scholar, Dublin, Ireland conor.p.mcgrath@gmail.com Articles may be of between 3,000 and 8,000 words, and must include an Executive Summary of 400-500 words written for a non-academic audience. Submissions must be original and unpublished works, and must not be submitted elsewhere while under consideration by Interest Groups & Advocacy. All submissions will be double-blind reviewed. Manuscripts should follow the style requirements of Interest Groups & Advocacy – available at http://www.palgrave-journals.com/iga/author_instructions.html. Please ensure that the first page of your submission has only the manuscript title, and the name, institutional affiliation and contact details of each author. Following pages should not contain any identifying references which would indicate to reviewers who the piece is authored by. Submissions due by: 1 March 2014 Peer Review Decisions will be made by: 1 July 2014 Final Submissions due by: 1 October 2014 Publication of Special Issue by: Spring 2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç