Pular para o conteúdo principal

Mobilização para regulamentar o lobbying na França

French Transparency Law: it’s time to regulate lobbying The undersigned individuals, associations, and journalists, call on the French government and parliament to take the necessary steps to guarantee greater transparency of lobbying activities. France has been rocked by a series of corruption and lobbying scandals recently which have led to calls for tighter regulation of lobbying. The scandals include the “affaire Cahuzac” in which former Budget Minister Jérôme Cahuzac has been charged with tax fraud over a secret bank account [1], revelations about how French pharmaceutical company Servier conducted lobbying over a weight loss drug alleged to have caused as many as 2,000 deaths [2], and exposures of close links between members of the “Parliamentarians Havana Cigar Fan Club” and lobbyists from the British American Tabacco company [3]. The Laws Commission of the French Parliament (Assemblée nationale) has delegated the task of “defining the guidelines for relations with interest groups” to the future “High Authority for Transparency”. This is a first step, but the government and parliament should now seize this chance to require lobbying transparency and respect of ethical rules. French decision makers seem to share this position: in a recent poll by TNS-Sofres [4], the majority of decision makers surveyed believed that private sector lobbying is not sufficiently transparent, and supported the creation of a mandatory register of lobbyists. We call for the High Authority for Transparency to be charged with: - developing a Code of Conduct which applies to all persons trying to influence public decision making; - publishing a register in which all lobbyists will be required to register and to declare yearly their activities and expenditures. A simple amendment, inspired by the provisions adopted in Quebec [5] and proposed to parliamentarians by civil society [6], is necessary to achieve these objectives. We call on the parliament to take action and to endow the High Authority for Transparency with these powers. If our democracy accepts that every person has the right to have his or her point of view taken into consideration and to try to influence public decision-making, society should also demand of these lobbyists transparency and ethical conduct in return. In the development of public decisions, all members of society should have their views taken into account . To guard against some interest groups having priviledged access to decision makers, the interaction between elected representatives and interest groups should be carried out in an ethical and transparent manner. It is high time that France imposes these requirements on lobby groups. http://lite.framapad.org/p/ZQKB4Mmst8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç