Pular para o conteúdo principal

Regulamentação do lobbying na Inglaterra

Make lobbying healthy The recent revelations regarding the lobbying of parliamentarians are, regrettably, the latest in a long line of similar scandals. Such disclosures serve to undermine public trust in parliament and bring both Houses into disrepute. There is a real danger of adding to the growing perception that parliament is out of touch with the concerns of ordinary people. I have been calling, on behalf of the opposition, for progress on the introduction of a statutory register of lobbyists along with a clear code of conduct since the start of this parliament. It is now more important than ever before. Lobbying ought to be a healthy and necessary part of our democracy. It can help politicians to have fully informed debates, and allows for open access to government by constituents, individuals and organisations. But, as the public administration select committee’s recent report stated, while lobbying “enhances democracy … it can also subvert it.” The recent revelations regarding the lobbying of parliamentarians certainly reveal the extent to which democracy can appear to be subverted. As long ago as February 2010, David Cameron stated in his “rebuilding trust in politics” speech that “it’s time we shone the light of transparency on lobbying and forced our politics to come clean.” Yet on such an important issue, the government has prevaricated and delayed. The previous minister responsible, Mark Harper MP, failed to bring forward any proposals and was unable even to give a timeframe for any action. When Chloe Smith took over the Cabinet Office brief responsible for lobbying in September 2012 after a small reshuffle, her new brief failed to include any mention of lobbying at all. Indeed, by April 2013 Smith still had no meetings about the lobbying consultation recorded on the Cabinet Office website. Perhaps it was unsurprising, then, that the government’s 2013 Queen’s Speech did not contain any legislation on a statutory register of lobbyists, despite considerable public pressure to include it. Let’s be clear—powerful private vested interests have a voice within government, while the public are ignored. The government overlooked more than 1,300 individual submissions to their lobbying consultation coordinated by Unlock Democracy, calling for a register of lobbyists, while accepting numerous submissions from the lobbying industry itself. It should not have to take yet another public scandal to force the government into action. Today, I have written to David Cameron to request immediate cross-party talks on lobbying and a statutory register of lobbyists in order to reach a solution. As I have made clear on many previous occasions, such a statutory register should include all those professional lobbyists whether third party or not. It will have to have a code of conduct, the first line of which must surely be to forbid financial relations between lobbyists and parliamentarians. Any code of conduct must be backed by clear sanctions in order for it to be effective, with the ultimate sanction of being struck off the register in the most serious cases, such as making illegal payments to MPs. The vast majority of practitioners within the lobbying industry want to operate ethically, with many supporting a statutory register with a clear code of conduct. Given the fact that the government has been consulting for a period of years, any further delay or procrastination is simply not acceptable. http://www.prospectmagazine.co.uk/blog/lobbying-parliament-register-conduct-jon-trickett/#.UcIlW025dy2

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …