Pular para o conteúdo principal

Pesquisa sobre as áreas de Relações Governamentais e Institucionais no Brasil

Caros colegas, Dada a inexistência, até hoje, de métricas disponíveis para comparar a atuação de áreas de Relações Governamentais e Institucionais em diferentes empresas – uma vez que as particularidades de cada entidade gera uma infinidade de formatos e práticas – enviamos no link abaixo uma pesquisa anônima e cujos resultados serão compartilhados com todos os interessados. https://pt.surveymonkey.com/s/HDXR3C3 A pesquisa é composta por 42 perguntas divididas em quatro seções – Sobre a empresa, Sobre a área em sua empresa, Sobre os profissionais da área, e Pesquisa de Opinião. O tempo de resposta é de aproximadamente 15 minutos. Nas questões abertas as respostas podem ser curtas e objetivas, evitando assim que o tempo de resposta se estenda muito. Entendemos que em muitos casos os assuntos tratados nesta área são sensíveis. Como se pretende traçar um grande panorama, as perguntas são direcionadas à compreensão do setor no Brasil como um todo, não sendo possível qualquer identificação dos respondentes e impedindo qualquer particularização. Com isto esperamos minimizar as sensibilidades e permitir que o maior número possível de colegas responda à pesquisa em sua totalidade. Por ter surgido da ausência de material disponível, também acreditamos ser essencial que todos tenham acesso aos resultados consolidados da pesquisa, para que possam fazer uso das informações em sua atuação e na comparação com pares da área em outras empresas. Como não é possível identificar os participantes, pedimos que os que desejarem receber os resultados respondam este email e enviaremos prontamente as consolidações. Nesta primeira pesquisa procuramos ser o mais abrangente possível, e agradecemos à ajuda do colega Diogo Brunacci que com suas sugestões nos ajudou a ter o questionário ainda mais completo. Por gentileza fiquem à vontade para compartilhar o questionário com colegas da área e agradecemos também qualquer sugestão, que pedimos ser também enviada em resposta a este email. Muito obrigado Sobre a pesquisa: O questionário foi desenvolvido por Wagner de Macedo Parente Filho e Rafael Felipe de Oliveira, da área de Relações Institucionais da Oxiteno – contudo a iniciativa não tem ligação com a empresa. Com sugestões e ajuda na divulgação contamos também com a participação do Diogo Brunacci, responsável pela comunidade Relações Governamentais e Institucionais no Linked in. Wagner Parente Filho wagnerparente@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…