Pular para o conteúdo principal

New global group on lobbying transparency

New Lobbying Transparency Working Group from the Open Knowledge Foundation and the Sunlight Foundation October 29, 2013 in Open Government Data, Open Knowledge Foundation, Transparency The Open Knowledge Foundation and the Sunlight Foundation are teaming up to convene a new global group on lobbying transparency. We want civil society organisations, journalists and citizens around the world to be able to use information about lobbying to understand and report on the influence of big money on politics and to push for reforms in this area. To this end we’d like to connect and support campaigners working to improve lobbying transparency around the world so that they can: Learn about what each other are doing – including sharing updates and asking for advice about ongoing policy and advocacy work Coordinate advocacy around lobbyist registers – to push for better lobbyist registries, and to ensure that they are published as machine readable open data, as per the Open Data Charter Collaborate around shared areas of interest – from campaigns to mapping activities to tracking lobbying across borders We’ll both be raising the importance of lobbying transparency in discussions and sessions around the Open Government Partnership Summit in London later this week. The Sunlight Foundation will also soon be releasing guidance on lobbying disclosure, based on their experience in the US and their in-depth research into global lobbying regulations. If you’re working on lobbying transparency or interested in seeing what you can do in your country then please do come and join us on the lobbying-transparency group and introduce yourself - See more at: http://blog.okfn.org/2013/10/29/new-lobbying-transparency-working-group-from-the-open-knowledge-foundation-and-the-sunlight-foundation/#sthash.G7xVMV6H.x3GYg9MO.dpuf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç