Pular para o conteúdo principal

O 'lobista' está morto. Viva o "profissional de relações governamentais”.

Por Dave Levinthalemail http://www.publicintegrity.org/2013/11/21/13799/lobbyist-dead?utm_source=email&utm_campaign=watchdog&utm_medium=publici-email 16:59 , 21 de novembro de 2013 Atualizado: 16:59 , 21 de novembro de 2013 O lobista , como Philip Morris, ValuJet e a Federação World Wrestling, morreu hoje. Ele tinha 150 anos de idade , mais ou menos uma década , vítima de implacável preconceito. Os pessimistas , que acreditavam que ele muitas vezes abusou do direito de peticionar o seu governo para reparação de injustiças apressou sua morte. O apogeu do lobista ocorreu durante a década de 2000 . Em 2010, ganhou 3,55 bilhões dólares americanos em Washington , DC, por si só - mais do que nunca. Mas o lobista sentiu a enfermidade chegar. O governo , por vezes, jogou-o na cadeia. Seus amigos no Congresso pararam de oferecer-lhe comida e bebida. O presidente evitou-o, deixando de dar-lhe trabalho ou abrigo. A seiva sangrou dos bolsos em volume alarmante. Outros termos passaram a ser utilizados para denominá-lo: "profissional para assuntos federais ", "profissionais de comunicações estratégicas", "advogado", "conselheiro". Durante seus últimos dias , porém, o lobista encheu-se com esperança de uma nova vida . Um antigo lobista nunca morre, ele argumentou . Ele só muda de nome. O pronunciamento oficial da morte do lobista aconteceu hoje no Washington Court Hotel , durante a reunião anual da Sociedade Americana de Lobistas , doravante conhecida como a “Associação de Profissionais de Relações Governamentais”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…