Pular para o conteúdo principal

O 'lobista' está morto. Viva o "profissional de relações governamentais”.

Por Dave Levinthalemail http://www.publicintegrity.org/2013/11/21/13799/lobbyist-dead?utm_source=email&utm_campaign=watchdog&utm_medium=publici-email 16:59 , 21 de novembro de 2013 Atualizado: 16:59 , 21 de novembro de 2013 O lobista , como Philip Morris, ValuJet e a Federação World Wrestling, morreu hoje. Ele tinha 150 anos de idade , mais ou menos uma década , vítima de implacável preconceito. Os pessimistas , que acreditavam que ele muitas vezes abusou do direito de peticionar o seu governo para reparação de injustiças apressou sua morte. O apogeu do lobista ocorreu durante a década de 2000 . Em 2010, ganhou 3,55 bilhões dólares americanos em Washington , DC, por si só - mais do que nunca. Mas o lobista sentiu a enfermidade chegar. O governo , por vezes, jogou-o na cadeia. Seus amigos no Congresso pararam de oferecer-lhe comida e bebida. O presidente evitou-o, deixando de dar-lhe trabalho ou abrigo. A seiva sangrou dos bolsos em volume alarmante. Outros termos passaram a ser utilizados para denominá-lo: "profissional para assuntos federais ", "profissionais de comunicações estratégicas", "advogado", "conselheiro". Durante seus últimos dias , porém, o lobista encheu-se com esperança de uma nova vida . Um antigo lobista nunca morre, ele argumentou . Ele só muda de nome. O pronunciamento oficial da morte do lobista aconteceu hoje no Washington Court Hotel , durante a reunião anual da Sociedade Americana de Lobistas , doravante conhecida como a “Associação de Profissionais de Relações Governamentais”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

PERFIL DO PROFISSIONAL: FABÍOLA NADER MOTTA

“Trabalho perene, contínuo, no qual você não escolhe candidatos, partidos, lados. Muita transparência, ética e compliance” Conversar com alguém que está radicado em Brasília é sempre um exercício de adivinhação. A cada frase, desponta uma mistura de sotaques típica da capital federal. Com Fabíola Nader Motta, gerente de relações institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), não é diferente. A cada frase, a cada cadência, o interlocutor aposta em uma região do Brasil. Mas o que aparenta é um leve acento mineiro. Fabíola, filha de militar que serviu em várias partes do País, nasceu em Juiz de Fora (MG) e se mudou muito jovem para Brasília. Pelo histórico familiar e pela profissão que escolheu, ela é, aos 31 anos, uma típica brasiliense. Outro aspecto da fala também não passa despercebido. As frases redondas, repletas de dados, resumem outra característica – desta vez, profissional. O poder de articulação e convencimento demonstra o preparo para exercer a atividade q…