Pular para o conteúdo principal

Relações governamentais é parte fundamental da estratégia empresarial, diz Ricardo Sennes

“Relações governamentais é parte fundamental da estratégia empresarial. Não é um pedaço”: essa é a conclusão do sócio-diretor da Prospectiva Consultoria, Ricardo Sennes, após palestra na retomada dos encontros do Comitê Aberje de Relações Governamentais. O evento aconteceu no dia 25 de fevereiro de 2014 no Espaço Aberje Sumaré em São Paulo/SP, sob o tema “Políticas Públicas: Agendas e Processo decisório no Brasil” e com patrocínio do Itaú-Unibanco. O motivo da constatação, feita por um especialista em cenários políticos no Brasil e América Latina, em temas geopolíticos internacionais, políticas de inovação, planejamento estratégico em processos de internacionalização e desenho de agendas públicas setoriais, é a estrutura política brasileira. Em sua visão, há algumas características que estão presentes em várias outras nações, mas nunca de maneira combinada como acontece no Brasil. Ele refere-se, por exemplo, ao federalismo, com competências sobrepostas, arrecadação de impostos concentrado em nível federal e o entendimento que o município é uma unidade federal. Também diz respeito ao sistema de multi-partidarismo fragmentado, que leva ao enfraquecimento dos partidos políticos e a menor transparência. O palestrante agrega ao conjunto o presidencialismo de coalizão, em que barganhas acontecem o tempo todo por orçamento e por cargos no executivo federal. Outro ponto destacado são as medidas provisórias, artifício de governabilidade lançado mão pelo Governo Federal, significando um ato de legislar que dá incertezas regulatórias para os cidadãos e para as organizações. “O sistema brasileiro engessa a tomada de decisão. Leva-se mais tempo em costura política do que em criação de políticas públicas”, resume. Sennes ainda levou vários dados para posicionar o Estado brasileiro como um agente econômico importante, que pode alterar a dinâmica do mercado. Afinal, detem 47,6% do mercado de crédito, alocado em bancos públicos, e quase 100% dos créditos de longo prazo, afora ter ação indireta nas decisões dos grandes fundos de pensão. A existência de 112 estatais diferentes, com distribuição bem assimétrica de recursos e distintos níveis de governança é outro complicador. E tudo evidencia a relevância de uma área de relações governamentais nas organizações para enfrentar esta estrutura. O especialista ainda pontuou a questão da burocracia, que é bem estruturada e treinada e possui agenda própria, com hierarquia e disciplina interna. A burocracia embutida num agente com tamanho peso é ainda mais dramática. E o que ele chama de “mão visível do Estado” é clara, com múltiplas atuações – o Governo é parceiro investidor, formulador de políticas, negociador internacional, regulador, concorrente, comprador, taxador e financiador, a depender do setor de negócio e do momento econômico. A apresentação passou então a ser focada na formulação de políticas públicas e nas formas de monitorar e colaborar com seus aperfeiçoamentos. Esta postura antecipatória, diz Sennes, é estratégica na mobilização posterior de grupos de interesse e na apresentação imediata e propositiva de argumentos para eventuais mudanças no andamento de um assunto. Disponível em: http://www.aberje.com.br/acervo_not_ver.asp?ID_NOTICIA=10227&EDITORIA=Comitês Aberje

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç