Pular para o conteúdo principal

Relações governamentais é parte fundamental da estratégia empresarial, diz Ricardo Sennes

“Relações governamentais é parte fundamental da estratégia empresarial. Não é um pedaço”: essa é a conclusão do sócio-diretor da Prospectiva Consultoria, Ricardo Sennes, após palestra na retomada dos encontros do Comitê Aberje de Relações Governamentais. O evento aconteceu no dia 25 de fevereiro de 2014 no Espaço Aberje Sumaré em São Paulo/SP, sob o tema “Políticas Públicas: Agendas e Processo decisório no Brasil” e com patrocínio do Itaú-Unibanco. O motivo da constatação, feita por um especialista em cenários políticos no Brasil e América Latina, em temas geopolíticos internacionais, políticas de inovação, planejamento estratégico em processos de internacionalização e desenho de agendas públicas setoriais, é a estrutura política brasileira. Em sua visão, há algumas características que estão presentes em várias outras nações, mas nunca de maneira combinada como acontece no Brasil. Ele refere-se, por exemplo, ao federalismo, com competências sobrepostas, arrecadação de impostos concentrado em nível federal e o entendimento que o município é uma unidade federal. Também diz respeito ao sistema de multi-partidarismo fragmentado, que leva ao enfraquecimento dos partidos políticos e a menor transparência. O palestrante agrega ao conjunto o presidencialismo de coalizão, em que barganhas acontecem o tempo todo por orçamento e por cargos no executivo federal. Outro ponto destacado são as medidas provisórias, artifício de governabilidade lançado mão pelo Governo Federal, significando um ato de legislar que dá incertezas regulatórias para os cidadãos e para as organizações. “O sistema brasileiro engessa a tomada de decisão. Leva-se mais tempo em costura política do que em criação de políticas públicas”, resume. Sennes ainda levou vários dados para posicionar o Estado brasileiro como um agente econômico importante, que pode alterar a dinâmica do mercado. Afinal, detem 47,6% do mercado de crédito, alocado em bancos públicos, e quase 100% dos créditos de longo prazo, afora ter ação indireta nas decisões dos grandes fundos de pensão. A existência de 112 estatais diferentes, com distribuição bem assimétrica de recursos e distintos níveis de governança é outro complicador. E tudo evidencia a relevância de uma área de relações governamentais nas organizações para enfrentar esta estrutura. O especialista ainda pontuou a questão da burocracia, que é bem estruturada e treinada e possui agenda própria, com hierarquia e disciplina interna. A burocracia embutida num agente com tamanho peso é ainda mais dramática. E o que ele chama de “mão visível do Estado” é clara, com múltiplas atuações – o Governo é parceiro investidor, formulador de políticas, negociador internacional, regulador, concorrente, comprador, taxador e financiador, a depender do setor de negócio e do momento econômico. A apresentação passou então a ser focada na formulação de políticas públicas e nas formas de monitorar e colaborar com seus aperfeiçoamentos. Esta postura antecipatória, diz Sennes, é estratégica na mobilização posterior de grupos de interesse e na apresentação imediata e propositiva de argumentos para eventuais mudanças no andamento de um assunto. Disponível em: http://www.aberje.com.br/acervo_not_ver.asp?ID_NOTICIA=10227&EDITORIA=Comitês Aberje

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …