Pular para o conteúdo principal

EU Transparency Register

New measures to encourage lobbyists to sign the EU Transparency Register AFCO Press release - Institutions − 18-03-2014 - 12:37 Measures to encourage lobbyists working with the EU to sign the EU’s public “Transparency Register” were backed by the Constitutional Affairs Committee on Tuesday. MEPs reiterated their demand that the register be made compulsory and meanwhile approved new provisions to push interest groups to make their relations with the EU more transparent. Roberto Gualtieri (S&D, IT), MEP in charge for the update of the Register, said: "The approval of this report, which endorses an agreement reached by Parliament and the European Commission, is an important step towards greater transparency of the EU institutions. We insist on our request for a mandatory register for all organizations engaged in EU policy-making and call on the Commission to take all necessary steps for this purpose. Parliament pledges to adapt its internal provisions in order to guarantee incentives for the registered organizations. ” The decision was approved unanimously. So far an estimated 75% of all relevant business-related organisations and approximately 60% of NGOs operating in Brussels have signed the Register. The committee reiterated its demand that signing the register be made compulsory and asked the European Commission to table a proposal, by the end of 2016, to this end. Incentive measures The committee backed the introduction of incentive measures that would link the registration to: further facilitation of access to Parliament’s premises and help in contacting MEPs, easier authorisation to organise or co-host events on its premises, facilitated transmission of information, including through specific mailing lists, participation as speakers in committee hearings, better chances of getting patronage by the institution for events, The committee also encouraged the Commission to adopt similar measures. Clearer definitions The committee called for a more detailed definition of the notion of "inappropriate behaviour", as defined in the Code of Conduct attached to the Register, and asked for full disclosure of the identity of all clients represented by each registered organisation. Background The current Register was set up jointly by the Parliament and the Commission in 2011. Parliament has always wanted the register to become compulsory, but it has proven difficult to find a suitable legal basis for this in the EU Treaty. Next steps These measures will be implemented internally by the Parliament. MEPs also asked for an evaluation of the Register before the end of 2017. http://www.europarl.europa.eu/news/en/news-room/content/20140317IPR39132/html/New-measures-to-encourage-lobbyists-to-sign-the-EU-Transparency-Register

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

PERFIL DO PROFISSIONAL: FABÍOLA NADER MOTTA

“Trabalho perene, contínuo, no qual você não escolhe candidatos, partidos, lados. Muita transparência, ética e compliance” Conversar com alguém que está radicado em Brasília é sempre um exercício de adivinhação. A cada frase, desponta uma mistura de sotaques típica da capital federal. Com Fabíola Nader Motta, gerente de relações institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), não é diferente. A cada frase, a cada cadência, o interlocutor aposta em uma região do Brasil. Mas o que aparenta é um leve acento mineiro. Fabíola, filha de militar que serviu em várias partes do País, nasceu em Juiz de Fora (MG) e se mudou muito jovem para Brasília. Pelo histórico familiar e pela profissão que escolheu, ela é, aos 31 anos, uma típica brasiliense. Outro aspecto da fala também não passa despercebido. As frases redondas, repletas de dados, resumem outra característica – desta vez, profissional. O poder de articulação e convencimento demonstra o preparo para exercer a atividade q…