Pular para o conteúdo principal

EU Transparency Register

New measures to encourage lobbyists to sign the EU Transparency Register AFCO Press release - Institutions − 18-03-2014 - 12:37 Measures to encourage lobbyists working with the EU to sign the EU’s public “Transparency Register” were backed by the Constitutional Affairs Committee on Tuesday. MEPs reiterated their demand that the register be made compulsory and meanwhile approved new provisions to push interest groups to make their relations with the EU more transparent. Roberto Gualtieri (S&D, IT), MEP in charge for the update of the Register, said: "The approval of this report, which endorses an agreement reached by Parliament and the European Commission, is an important step towards greater transparency of the EU institutions. We insist on our request for a mandatory register for all organizations engaged in EU policy-making and call on the Commission to take all necessary steps for this purpose. Parliament pledges to adapt its internal provisions in order to guarantee incentives for the registered organizations. ” The decision was approved unanimously. So far an estimated 75% of all relevant business-related organisations and approximately 60% of NGOs operating in Brussels have signed the Register. The committee reiterated its demand that signing the register be made compulsory and asked the European Commission to table a proposal, by the end of 2016, to this end. Incentive measures The committee backed the introduction of incentive measures that would link the registration to: further facilitation of access to Parliament’s premises and help in contacting MEPs, easier authorisation to organise or co-host events on its premises, facilitated transmission of information, including through specific mailing lists, participation as speakers in committee hearings, better chances of getting patronage by the institution for events, The committee also encouraged the Commission to adopt similar measures. Clearer definitions The committee called for a more detailed definition of the notion of "inappropriate behaviour", as defined in the Code of Conduct attached to the Register, and asked for full disclosure of the identity of all clients represented by each registered organisation. Background The current Register was set up jointly by the Parliament and the Commission in 2011. Parliament has always wanted the register to become compulsory, but it has proven difficult to find a suitable legal basis for this in the EU Treaty. Next steps These measures will be implemented internally by the Parliament. MEPs also asked for an evaluation of the Register before the end of 2017. http://www.europarl.europa.eu/news/en/news-room/content/20140317IPR39132/html/New-measures-to-encourage-lobbyists-to-sign-the-EU-Transparency-Register

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç