Pular para o conteúdo principal

EU Transparency Register

New measures to encourage lobbyists to sign the EU Transparency Register AFCO Press release - Institutions − 18-03-2014 - 12:37 Measures to encourage lobbyists working with the EU to sign the EU’s public “Transparency Register” were backed by the Constitutional Affairs Committee on Tuesday. MEPs reiterated their demand that the register be made compulsory and meanwhile approved new provisions to push interest groups to make their relations with the EU more transparent. Roberto Gualtieri (S&D, IT), MEP in charge for the update of the Register, said: "The approval of this report, which endorses an agreement reached by Parliament and the European Commission, is an important step towards greater transparency of the EU institutions. We insist on our request for a mandatory register for all organizations engaged in EU policy-making and call on the Commission to take all necessary steps for this purpose. Parliament pledges to adapt its internal provisions in order to guarantee incentives for the registered organizations. ” The decision was approved unanimously. So far an estimated 75% of all relevant business-related organisations and approximately 60% of NGOs operating in Brussels have signed the Register. The committee reiterated its demand that signing the register be made compulsory and asked the European Commission to table a proposal, by the end of 2016, to this end. Incentive measures The committee backed the introduction of incentive measures that would link the registration to: further facilitation of access to Parliament’s premises and help in contacting MEPs, easier authorisation to organise or co-host events on its premises, facilitated transmission of information, including through specific mailing lists, participation as speakers in committee hearings, better chances of getting patronage by the institution for events, The committee also encouraged the Commission to adopt similar measures. Clearer definitions The committee called for a more detailed definition of the notion of "inappropriate behaviour", as defined in the Code of Conduct attached to the Register, and asked for full disclosure of the identity of all clients represented by each registered organisation. Background The current Register was set up jointly by the Parliament and the Commission in 2011. Parliament has always wanted the register to become compulsory, but it has proven difficult to find a suitable legal basis for this in the EU Treaty. Next steps These measures will be implemented internally by the Parliament. MEPs also asked for an evaluation of the Register before the end of 2017. http://www.europarl.europa.eu/news/en/news-room/content/20140317IPR39132/html/New-measures-to-encourage-lobbyists-to-sign-the-EU-Transparency-Register

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…