Pular para o conteúdo principal

Aberje funda Associação Brasileira de Relações Governamentais e firma acordo de cooperação com a FGV

Aberje funda Associação Brasileira de Relações Governamentais e firma acordo de cooperação com a FGV 16/7/2014 Um acordo de cooperação científica foi celebrado na manhã desta quarta-feira, dia 16 de julho de 2014, no Espaço Aberje Sumaré, na capital paulista, unindo a Fundação Getúlio Vargas, por meio da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, e a Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial. A assinatura do acordo marca a fundação da Associação Brasileira de Relações Governamentais, integrada pelo Laboratório de Relações Governamentais da Aberje. A ideia é buscar desenvolvimento e execução de projetos de pesquisa em conjunto. Assinaram o documento o presidente da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, o Diretor-Presidente da Aberje, Paulo Nassar, e a diretora da FGV-EAESP, Maria Tereza Leme Fleury. Ricardo de Aquino Salles, secretário particular do governador do estado de São Paulo Geraldo Alckmin, representou o governador na solenidade. A fundação foi celebrada logo antes da realização do encontro de julho do Comitê Aberje de Relações Governamentais, que recebeu Helio Duarte, membro do Conselho de Administração do FGC – Fundo Garantidor de Créditos e professor da FGV-SP, para falar sobre a realidade e perspectivas da área. O acordo prevê intercâmbio de conhecimentos, experiências e informações técnico-científicas, desenvolvimento de projetos e eventos de interesse comum, no campo do ensino e da pesquisa, e intercâmbio de técnicos e membros entre as partes. Mais de 600 empresas integram a nova associação, que conta com convênios de pesquisa profissionais e científicos em âmbito nacional e internacional, dentre as quais a Syracuse University. A primeira pesquisa será sobre o perfil do profissional de Relações Governamentais, conduzida pela FGV em parceria com o Laboratório de Relações Governamentais da Aberje, em consulta aos membros da Associação. “Pela primeira vez na história da comunicação brasileira e das relações governamentais no País, os profissionais contarão com uma pesquisa científica que expõe o futuro da profissão, seu desenvolvimento e desafios na atualidade”, comenta Nassar. O estabelecimento da Associação Brasileira de Relações Governamentais marca uma nova ação pioneira da Aberje na área. “É uma associação forjada numa história de cinco décadas, que a Aberje construiu pesquisando, divulgando, esclarecendo, defendendo a atividade ética das relações governamentais no País. Uma história que também é documentada e disseminada em nossas inúmeras publicações, encontros, eventos, livros, artigos, pesquisas e comitês sobre o tema. A Aberje se tornou, assim, o grande hub de Relações Governamentais no Brasil. É para onde convergem as atividades de outras instituições que abordam o tema como organizações, institutos, empresas e a tríade sociedade-academia-mercado”.

Comentários

Unknown disse…
Ótima iniciativa, parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…