Pular para o conteúdo principal

Aberje organiza curso sobre Relações Governamentais e Institucionais com Gilberto Galan no RJ

13/8/2014 O governo, seja em qual nível, tem um poder de influência enorme na vida e nos negócios das empresas por meio de legislação, decisões, normas e regulação. A complexidade e as demandas a serem atendidas em razão dessa influência e interferência tornam-se cada vez maiores, resultando na necessidade de desenvolvimento pelas empresas de programas de relacionamento transparente, profissional e ético com as principais instâncias decisórias do governo, no âmbito dos poderes Executivo e Legislativo. Para discutir essa temática, o curso “Como fazer Relações Governamentais e Institucionais” com Gilberto Galan está marcado entre 9h e 18h dos dias 4 e 5 de setembro de 2014 na Valer (Av. Graça Aranha, 26 - 7o andar) no Rio de Janeiro/RJ. As inscrições feitas até dia 15 de agosto têm 10% de desconto. Para Galan, este relacionamento envolve um diálogo permanente que segue certos ritos e regras, bem como implica no uso adequado de certas ferramentas, como o lobby entre outras, e técnicas de abordagem para que as organizações alcancem seus objetivos com um maior grau de sucesso. Além do governo, outras instituições e entidades que constituem públicos de grande interesse (stakeholders) como as associações de classe, por exemplo, devem igualmente receber a devida atenção e serem foco de iniciativas bem planejadas. O grau de sucesso dependerá muito da capacitação, habilidade e talento dos profissionais responsáveis por esse tipo de relacionamento. Entre os objetivos do curso estão apresentar e discutir os conceitos e as implicações das iniciativas governamentais e de outros públicos de interesse sobre a empresa; ampliar as possibilidades de crescimento profissional; fornecer a base conceitual e do leque de ferramentas para atuar com eficácia dentro do campo dessas práticas e discutir temas ligados a ética e os dilemas que as empresas e os profissionais enfrentam ao lidar com esses públicos e aplicar as principais ferramentas. Segundo o instrutor, também se pretende clarear e entender os principais públicos envolvidos (principalmente governo e associações de classe), bem como saber conquistar espaços internos e posicionar essas atividades como áreas de valor estratégico e contribuinte para os resultados nos negócios e discutir o perfil dos profissionais, qualificações, organização e perspectivas de carreira. INSTRUTOR – Gilberto Galan desenvolveu longa carreira, com mais de 30 anos de experiência, no campo das relações com o governo, como diretor ou vice-presidente de Relações Governamentais em empresas de primeira linha como Kodak, Philip Morris/Kraft, Embraer, HP e Citigroup, nos âmbitos de Brasil, América Latina e global. É professor nos cursos de pós-graduação da ESPM- Escola Superior de Propaganda e Marketing e no MBA de Comunicação Corporativa da Aberje e membro do Conselho Deliberativo da Aberje. Conferencista e coautor de dois livros editados pela Aberje Editorial na série Comunicação Interna: a força das empresas, e é também autor do livro “Relações Governamentais & Lobby- aprendendo a fazer”. Hoje é sócio-diretor da Galan&Associados - consultoria em Assuntos Corporativos e Relações Governamentais. A Aberje tem cadastro no Sicaf, o que facilita a inscrição de comunicadores da área pública. Mais informações pelo e-mail cursos@aberje.com.br e ainda no fone 11-3662-3990 ramal 840, com Danielle Nakasa. Inscrições devem ser feitas diretamente neste link.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …