Pular para o conteúdo principal

Aberje organiza curso sobre Relações Governamentais e Institucionais com Gilberto Galan no RJ

13/8/2014 O governo, seja em qual nível, tem um poder de influência enorme na vida e nos negócios das empresas por meio de legislação, decisões, normas e regulação. A complexidade e as demandas a serem atendidas em razão dessa influência e interferência tornam-se cada vez maiores, resultando na necessidade de desenvolvimento pelas empresas de programas de relacionamento transparente, profissional e ético com as principais instâncias decisórias do governo, no âmbito dos poderes Executivo e Legislativo. Para discutir essa temática, o curso “Como fazer Relações Governamentais e Institucionais” com Gilberto Galan está marcado entre 9h e 18h dos dias 4 e 5 de setembro de 2014 na Valer (Av. Graça Aranha, 26 - 7o andar) no Rio de Janeiro/RJ. As inscrições feitas até dia 15 de agosto têm 10% de desconto. Para Galan, este relacionamento envolve um diálogo permanente que segue certos ritos e regras, bem como implica no uso adequado de certas ferramentas, como o lobby entre outras, e técnicas de abordagem para que as organizações alcancem seus objetivos com um maior grau de sucesso. Além do governo, outras instituições e entidades que constituem públicos de grande interesse (stakeholders) como as associações de classe, por exemplo, devem igualmente receber a devida atenção e serem foco de iniciativas bem planejadas. O grau de sucesso dependerá muito da capacitação, habilidade e talento dos profissionais responsáveis por esse tipo de relacionamento. Entre os objetivos do curso estão apresentar e discutir os conceitos e as implicações das iniciativas governamentais e de outros públicos de interesse sobre a empresa; ampliar as possibilidades de crescimento profissional; fornecer a base conceitual e do leque de ferramentas para atuar com eficácia dentro do campo dessas práticas e discutir temas ligados a ética e os dilemas que as empresas e os profissionais enfrentam ao lidar com esses públicos e aplicar as principais ferramentas. Segundo o instrutor, também se pretende clarear e entender os principais públicos envolvidos (principalmente governo e associações de classe), bem como saber conquistar espaços internos e posicionar essas atividades como áreas de valor estratégico e contribuinte para os resultados nos negócios e discutir o perfil dos profissionais, qualificações, organização e perspectivas de carreira. INSTRUTOR – Gilberto Galan desenvolveu longa carreira, com mais de 30 anos de experiência, no campo das relações com o governo, como diretor ou vice-presidente de Relações Governamentais em empresas de primeira linha como Kodak, Philip Morris/Kraft, Embraer, HP e Citigroup, nos âmbitos de Brasil, América Latina e global. É professor nos cursos de pós-graduação da ESPM- Escola Superior de Propaganda e Marketing e no MBA de Comunicação Corporativa da Aberje e membro do Conselho Deliberativo da Aberje. Conferencista e coautor de dois livros editados pela Aberje Editorial na série Comunicação Interna: a força das empresas, e é também autor do livro “Relações Governamentais & Lobby- aprendendo a fazer”. Hoje é sócio-diretor da Galan&Associados - consultoria em Assuntos Corporativos e Relações Governamentais. A Aberje tem cadastro no Sicaf, o que facilita a inscrição de comunicadores da área pública. Mais informações pelo e-mail cursos@aberje.com.br e ainda no fone 11-3662-3990 ramal 840, com Danielle Nakasa. Inscrições devem ser feitas diretamente neste link.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais habilidades o profissional de relações governamentais deve aprimorar para melhorar a sua performance?

Katz[1], classifica as habilidades necessárias a um profissional de gestão em três grupos principais: habilidade técnica, humana e conceitual. Essa tipologia nos será útil para entender quais desses grupos de habilidades são mais importantes para profissionais que, como você, exercem a atividade de relações governamentais. Vamos iniciar pelas habilidades técnicas, o grupo menos complexo, segundo Katz. Apesar de essenciais, as habilidades técnicas são menos complexas, pois podem ser desenvolvidas mais facilmente, bastando ao profissional adquirir conhecimentos, métodos e aprender a utilizar os equipamentos necessários para a realização de suas tarefas. Obter ou aprimorar conhecimentos sobre políticas públicas setoriais, processo decisório, processo legislativo, negociação e argumentação são um grande diferencial para esse profissional. Porém, caso haja alguma lacuna a ser preenchida, um bom workshop, curso de extensão ou pós-graduação lato sensu pode auxiliar o profissional a desenvolve…

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

Qual habilidade desenvolver para alcançar seus objetivos?

Como você bem sabe, o profissional de relações governamentais é o agente responsável por construir um relacionamento sólido e duradouro entre a organização que representa e o governo.
Aqueles que atuam na área, como você, reconhecem que o estabelecimento desse relacionamento é muito positivo, tanto para os tomadores de decisão quanto para os grupos de interesse. Reconhecem também que os grupos de interesse colaboram para com o processo decisório estatal ao levar aos tomadores de decisão informações que eles nem sempre possuem, o que os capacitam a tomar decisões mais equilibradas acerca de importantes questões que impactam a sociedade civil e o mercado.
Mas, você já parou para pensar sobre quais são as habilidades mais importantes para o exercício da sua atividade? O que garante que o tomador de decisão leve em consideração a informação que você fornece em detrimento da fornecida por outro grupo?
É certo que você precisa compreender profundamente questões técnicas que envolvem tanto a …