Pular para o conteúdo principal

A ABA – Associação Brasileira dos Anunciantes – realiza no dia 21 de outubro, em São Paulo, o VII Fórum ABA de Relações Governamentais.

No evento serão discutidas pautas como a visão e as práticas de análise política em suas diversas frentes, os impactos e expectativas em torno da Legislação específica da Publicidade, oportunidades de criação de um diálogo mais eficaz entre os diversos setores envolvidos. Além disso, buscar entender até onde as novas configurações políticas podem contribuir para o futuro dessas relações. Lucélio de Moraes, Gerente Geral de Relações Governamentais do Grupo Votorantim e Presidente do Comitê de Relações Governamentais da ABA; Priscila Cruz, Diretora Jurídica da Danone e Vice-Presidente do Comitê; Guilherme Farhat Ferraz, Presidente da Semprel e Presidente do Comitê de Análise da Conjuntura Política Brasileira da Amcham/DF; e Ricardo Sennes, Sócio-Diretor da Prospectiva Negócios Internacionais & Políticas Públicas mostrarão quais evoluções podem esperar do sistema político brasileiro, a partir dos resultados das recentes eleições para Câmara e Senado. A discussão também aborda o amadurecimento dos cidadãos e como a nova leva de eleitores jovens determinam um quadro social, que reflete expectativas e propostas transformadoras. O Fórum foi criado para Gestores e profissionais de Relações Governamentais, Assuntos Corporativos e Institucionais, Comunicação Corporativa, Relações Públicas, Jurídico e Associações de Classe. Consultorias, Escritórios e entidades especializadas. Serviço: Local: Auditório da ABA – Av. Paulista, 352, 6º andar – Cerqueira César – SP Associados da ABA: R$ 250,00. Demais Interessados: R$ 500,00. Incluso: Welcome-Coffee, Break e Certificado de Participação. Mais informações : (11) 3283-4588 ou eventos@aba.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …