Pular para o conteúdo principal

CADE reitera legitimidade e estabelece limite à atividade de lobby

Em 1.10.2014, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) julgou processo administrativo¹ em que examinava se ações de relações governamentais (lobby) realizadas por sindicato teriam violado a legislação de defesa da concorrência então vigente (Lei n° 8.884/94). A decisão, que determinou o arquivamento do processo, levanta questões importantes para o planejamento e a execução de estratégias de participação de empresas e associações em processos de decisão política. Em 2005, a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Justiça (SEAE) recebeu representação que dava conta de que, entre 2002 e 2004, o Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes do Estado do Rio Grande do Sul (SULPETRO) havia atuado junto aos poderes Executivo e Legislativo de diversos municípios do Rio Grande do Sul para influenciar a edição de leis limitando a instalação de postos de gasolina em grandes áreas comerciais (shoppings, supermercados, hipermercados etc.), utilizando como argumentos temas ligados à segurança e proteção ao meio ambiente. A SEAE expressou entendimento de que as ações de relações governamentais do SULPETRO equivaliam a uma atuação concertada entre concorrentes para impedir o acesso de novas empresas ao mercado, incorrendo na prática de abuso de posição dominante em prejuízo à livre concorrência e ao interesse da coletividade, em infração ao art. 20, incisos, I e IV, e ao art. 21, incisos I e IV, todos da Lei n° 8.884/94, então vigente. O SULPETRO alegou, já perante o CADE, que sua atuação havia se pautado no exercício dos direitos de petição e livre associação, e que a SEAE não havia comprovado a existência de barreira à entrada de novos concorrentes. Argumentou ainda que diversas das leis defendidas pelo sindicato foram posteriormente consideradas constitucionais pelo Poder Judiciário, e que sua edição não limitava a livre concorrência, somente a atuação de alguns concorrentes. Em sua decisão, o CADE contrapôs a proteção da livre concorrência com o legítimo direito de petição ao poder público, constitucionalmente garantido (art. 5º, XXXIV, “a”, CF). Nos termos do voto do Conselheiro Relator Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo, a questão central da discussão era verificar se o SULPETRO havia abusado de seu direito de petição, exercendo-o com o objetivo de limitar a livre concorrência. Para definir o que seria considerado “abuso de direito de petição” (sham litigation), o Conselheiro Relator explorou precedentes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC), sugerindo diversos critérios para avaliar e guiar seu exercício. Ao decidir, o Conselheiro Relator se concentrou no critério de falsidade, segundo o qual haveria abuso de direito de petição sempre que o detentor de posição dominante faz uso dessa condição com o intuito de falsear ou prejudicar a livre concorrência. Com base nesse critério, o Conselheiro Relator examinou atas de reunião do SULPETRO e concluiu que não havia indícios de que a vontade subjetiva do sindicato era impedir a entrada de novos concorrentes no mercado. No voto, ele aponta que os diversos temas discutidos nas atas refletiam preocupações com as vantagens tributárias dos grandes centros comerciais, que à época se beneficiavam de uma redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), e com questões de segurança e meio-ambiente. Com base nesse entendimento, o Conselheiro Relator concluiu que o SULPETRO exerceu seu legítimo direito de representar os interesses de seus representados, não estando comprovada Outubro/2014 Maria Cecília Andrade mcandrade@mmk.com.br Caio Leonardo B. Rodrigues caioleonardo@mmk.com.br Thiago Jabor Pinheiro tjabor@mmk.com.br Ana Carolina Estevão acestevao@mmk.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…