Pular para o conteúdo principal

CADE reitera legitimidade e estabelece limite à atividade de lobby

Em 1.10.2014, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) julgou processo administrativo¹ em que examinava se ações de relações governamentais (lobby) realizadas por sindicato teriam violado a legislação de defesa da concorrência então vigente (Lei n° 8.884/94). A decisão, que determinou o arquivamento do processo, levanta questões importantes para o planejamento e a execução de estratégias de participação de empresas e associações em processos de decisão política. Em 2005, a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Justiça (SEAE) recebeu representação que dava conta de que, entre 2002 e 2004, o Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes do Estado do Rio Grande do Sul (SULPETRO) havia atuado junto aos poderes Executivo e Legislativo de diversos municípios do Rio Grande do Sul para influenciar a edição de leis limitando a instalação de postos de gasolina em grandes áreas comerciais (shoppings, supermercados, hipermercados etc.), utilizando como argumentos temas ligados à segurança e proteção ao meio ambiente. A SEAE expressou entendimento de que as ações de relações governamentais do SULPETRO equivaliam a uma atuação concertada entre concorrentes para impedir o acesso de novas empresas ao mercado, incorrendo na prática de abuso de posição dominante em prejuízo à livre concorrência e ao interesse da coletividade, em infração ao art. 20, incisos, I e IV, e ao art. 21, incisos I e IV, todos da Lei n° 8.884/94, então vigente. O SULPETRO alegou, já perante o CADE, que sua atuação havia se pautado no exercício dos direitos de petição e livre associação, e que a SEAE não havia comprovado a existência de barreira à entrada de novos concorrentes. Argumentou ainda que diversas das leis defendidas pelo sindicato foram posteriormente consideradas constitucionais pelo Poder Judiciário, e que sua edição não limitava a livre concorrência, somente a atuação de alguns concorrentes. Em sua decisão, o CADE contrapôs a proteção da livre concorrência com o legítimo direito de petição ao poder público, constitucionalmente garantido (art. 5º, XXXIV, “a”, CF). Nos termos do voto do Conselheiro Relator Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo, a questão central da discussão era verificar se o SULPETRO havia abusado de seu direito de petição, exercendo-o com o objetivo de limitar a livre concorrência. Para definir o que seria considerado “abuso de direito de petição” (sham litigation), o Conselheiro Relator explorou precedentes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC), sugerindo diversos critérios para avaliar e guiar seu exercício. Ao decidir, o Conselheiro Relator se concentrou no critério de falsidade, segundo o qual haveria abuso de direito de petição sempre que o detentor de posição dominante faz uso dessa condição com o intuito de falsear ou prejudicar a livre concorrência. Com base nesse critério, o Conselheiro Relator examinou atas de reunião do SULPETRO e concluiu que não havia indícios de que a vontade subjetiva do sindicato era impedir a entrada de novos concorrentes no mercado. No voto, ele aponta que os diversos temas discutidos nas atas refletiam preocupações com as vantagens tributárias dos grandes centros comerciais, que à época se beneficiavam de uma redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), e com questões de segurança e meio-ambiente. Com base nesse entendimento, o Conselheiro Relator concluiu que o SULPETRO exerceu seu legítimo direito de representar os interesses de seus representados, não estando comprovada Outubro/2014 Maria Cecília Andrade mcandrade@mmk.com.br Caio Leonardo B. Rodrigues caioleonardo@mmk.com.br Thiago Jabor Pinheiro tjabor@mmk.com.br Ana Carolina Estevão acestevao@mmk.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…