Pular para o conteúdo principal

FGV Management de São Paulo abre inscrições para o primeiro MBA em Relações Governamentais do Brasil

MBA em Economia e Gestão - Relações Governamentais SOBRE O MBA Com a crescente influência governamental nos mais diferentes mercados, as empresas estão reconhecendo a importância de aprimorar a atividade de Relações Governamentais como um dos principais instrumentos para a devida representação dos interesses do setor privado junto às diferentes esferas de Governo. Devido a esse fato, um grande número de profissionais tem se dedicado à atividade de Relações Governamentais, área que tem apresentado forte tendência de crescimento no Brasil contemporâneo. Esse novo cenário gera a demanda por profissionais altamente qualificados e bem treinados que tenham capacidade para monitorar e influenciar, idealmente de maneira proativa, as oportunidades e ameaças relacionadas ao ambiente externo da organização, seus principais parceiros econômicos, concorrentes, agências reguladoras, órgãos governamentais (nas três esferas - federal, estadual e municipal) e demais agentes externos. A FGV, como organização de ponta na geração de conhecimento correlatos aos novos temas do Management, lidera a iniciativa de ofertar, de forma inédita no país, o primeiro programa formatado exclusivamente para a profissionalização das atividades de representação dos interesses e relações do setor privado com os órgãos públicos. OBJETIVO Fornecer capacitação, em nível de pós-graduação, aos profissionais que pretendem atuar ou já atuam na área de Relações Governamentais. O curso visa a preparar ou a aprimorar o conhecimento desses profissionais para interagir com o Governo, a partir de um abrangente repertório de disciplinas teóricas e práticas. Ao final do curso o aluno deverá ser capaz de, por meio de um conjunto complementar de competências específicas, utilizar de forma estratégica a atividade de Relações Governamentais para contribuir de forma significativa para o atingimento dos objetivos e metas empresariais. PÚBLICO ALVO Profissionais que desejem ampliar os conhecimentos na área de Relações Governamentais como forma de maximizar o resultado da organização e sua sustentabilidade. O caráter interdisciplinar do curso contribuirá para a formação acadêmica de administradores, advogados, cientistas políticos, economistas, profissionais de comunicação social, relações internacionais, relações públicas e demais profissionais que já atuam na área de Relações Governamentais ou que nela desejem atuar. O curso destina-se também a gestores e demais executivos que busquem aperfeiçoar competências relacionadas à atividades desenvolvidas entre o setor privado e o Governo em todas as suas esferas. Todos devem possuir Graduação completa e ter no mínimo 03 anos de experiência profissional relevante. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Andréa Cristina Oliveira Gozetto Doutora em Ciências Sociais pela Unicamp (2004) e mestre em Sociologia Política pela UNESP-Araraquara (1998). Cursa o pós-doutorado em Administração Pública e Governo pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV). É tutora de PBL da Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV) e professora pesquisadora da Universidade Nove de Julho. É autora de diversos artigos sobre o lobbying no Brasil, como: Interest groups in Brazil: a new era and its challenges (2014), Lobby e Políticas Públicas no Brasil (2013), Lobby e Reforma Política (2012), Lobby: instrumento democrático de representação de interesses? (2011) e Estratégias de ação dos grupos de interesse empresariais e de trabalhadores no Legislativo federal brasileiro (2011). Administra o blog: www.lobbying.com.br Wagner Macedo Parente Filho Possui graduação em Direito pela Universidade da Amazônia, mestrado em Direito das Relações Econômicas Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e especialização em Gestão pela Fundação Instituto de Administração (FIA). É advogado e atua como Assessor de Relações Governamentais no Grupo Queiroz Galvão. Atuou como Gerente de Relações Institucionais da Oxiteno, foi membro da equipe de comércio internacional do escritório Felsberg e Advogados, participou do programa de treinamento da missão do Brasil para a OMC em Genebra e foi analista de relações exteriores da FIESP. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito do Comércio Internacional. É autor da obra: ‘A Atividade de Relações Institucionais no Brasil: Evolução Histórica, Legislação Aplicável e a Prática Empresarial’ (2014). Inscrições pelo link: http://mgm-saopaulo.fgv.br/cursos/relacoes-governamentais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…