Pular para o conteúdo principal

FGV Management de São Paulo abre inscrições para o primeiro MBA em Relações Governamentais do Brasil

MBA em Economia e Gestão - Relações Governamentais SOBRE O MBA Com a crescente influência governamental nos mais diferentes mercados, as empresas estão reconhecendo a importância de aprimorar a atividade de Relações Governamentais como um dos principais instrumentos para a devida representação dos interesses do setor privado junto às diferentes esferas de Governo. Devido a esse fato, um grande número de profissionais tem se dedicado à atividade de Relações Governamentais, área que tem apresentado forte tendência de crescimento no Brasil contemporâneo. Esse novo cenário gera a demanda por profissionais altamente qualificados e bem treinados que tenham capacidade para monitorar e influenciar, idealmente de maneira proativa, as oportunidades e ameaças relacionadas ao ambiente externo da organização, seus principais parceiros econômicos, concorrentes, agências reguladoras, órgãos governamentais (nas três esferas - federal, estadual e municipal) e demais agentes externos. A FGV, como organização de ponta na geração de conhecimento correlatos aos novos temas do Management, lidera a iniciativa de ofertar, de forma inédita no país, o primeiro programa formatado exclusivamente para a profissionalização das atividades de representação dos interesses e relações do setor privado com os órgãos públicos. OBJETIVO Fornecer capacitação, em nível de pós-graduação, aos profissionais que pretendem atuar ou já atuam na área de Relações Governamentais. O curso visa a preparar ou a aprimorar o conhecimento desses profissionais para interagir com o Governo, a partir de um abrangente repertório de disciplinas teóricas e práticas. Ao final do curso o aluno deverá ser capaz de, por meio de um conjunto complementar de competências específicas, utilizar de forma estratégica a atividade de Relações Governamentais para contribuir de forma significativa para o atingimento dos objetivos e metas empresariais. PÚBLICO ALVO Profissionais que desejem ampliar os conhecimentos na área de Relações Governamentais como forma de maximizar o resultado da organização e sua sustentabilidade. O caráter interdisciplinar do curso contribuirá para a formação acadêmica de administradores, advogados, cientistas políticos, economistas, profissionais de comunicação social, relações internacionais, relações públicas e demais profissionais que já atuam na área de Relações Governamentais ou que nela desejem atuar. O curso destina-se também a gestores e demais executivos que busquem aperfeiçoar competências relacionadas à atividades desenvolvidas entre o setor privado e o Governo em todas as suas esferas. Todos devem possuir Graduação completa e ter no mínimo 03 anos de experiência profissional relevante. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Andréa Cristina Oliveira Gozetto Doutora em Ciências Sociais pela Unicamp (2004) e mestre em Sociologia Política pela UNESP-Araraquara (1998). Cursa o pós-doutorado em Administração Pública e Governo pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV). É tutora de PBL da Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV) e professora pesquisadora da Universidade Nove de Julho. É autora de diversos artigos sobre o lobbying no Brasil, como: Interest groups in Brazil: a new era and its challenges (2014), Lobby e Políticas Públicas no Brasil (2013), Lobby e Reforma Política (2012), Lobby: instrumento democrático de representação de interesses? (2011) e Estratégias de ação dos grupos de interesse empresariais e de trabalhadores no Legislativo federal brasileiro (2011). Administra o blog: www.lobbying.com.br Wagner Macedo Parente Filho Possui graduação em Direito pela Universidade da Amazônia, mestrado em Direito das Relações Econômicas Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e especialização em Gestão pela Fundação Instituto de Administração (FIA). É advogado e atua como Assessor de Relações Governamentais no Grupo Queiroz Galvão. Atuou como Gerente de Relações Institucionais da Oxiteno, foi membro da equipe de comércio internacional do escritório Felsberg e Advogados, participou do programa de treinamento da missão do Brasil para a OMC em Genebra e foi analista de relações exteriores da FIESP. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito do Comércio Internacional. É autor da obra: ‘A Atividade de Relações Institucionais no Brasil: Evolução Histórica, Legislação Aplicável e a Prática Empresarial’ (2014). Inscrições pelo link: http://mgm-saopaulo.fgv.br/cursos/relacoes-governamentais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç