Pular para o conteúdo principal

The S.E.C. and Political Spending (New York Times)

The Opinion Pages | EDITORIAL The S.E.C. and Political Spending By THE EDITORIAL BOARD OCT. 29, 2014 It’s almost Election Day. Shareholders: Do you know how the cash from companies you invest in is being spent to influence the outcomes? Unless you invest in companies that voluntarily disclose their political spending, the answer is no. Worse, the Securities and Exchange Commission — the presumed guardian of investors’ right to know how corporate executives spend shareholder money — will not lift a finger to help you find out. The sums in question are not insignificant. Election spending has mushroomed since 2010, when the Supreme Court’s decision in the Citizens United case opened the floodgates to special interest money in politics. The latest tally by the Center for Responsive Politics, a watchdog group, projects that nearly $700 million will be spent this year by groups other than parties and candidates. Of that total, roughly one-third, at least, will be spent by tax-exempt groups, including trade associations and “social welfare” groups that are set up for the purpose of raising money from anonymous donors. Supporters of both political parties use these vehicles, though Republican-backed groups far outstrip Democratic-backed ones in secret fund-raising. The S.E.C. has a role to play, because a disclosure requirement is the only way for shareholders to know for sure whether and how much the companies they own are donating and whether such spending helps the bottom line. As things stand now, evidence indicates that much of the money flowing to tax-exempt groups comes from companies that give anonymously in order to avoid alienating shareholders, customers or legislators they aim to unseat. Starting in 2011, securities experts, institutional and individual investors, investor advocates and many Democratic lawmakers joined forces in a broad effort to get the S.E.C. to require public companies to disclose their political spending. In late 2012, the issue was placed on the S.E.C. agenda. But nothing happened, and, in May 2013, the newly confirmed S.E.C. chairwoman, Mary Jo White, assured Republican legislators who opposed disclosure that the S.E.C. was not working on a rule. In late 2013, the issue was removed from the agency’s agenda. Ms. White explained that the S.E.C. had to focus on a host of overdue rulemakings required by Congressional legislation passed in earlier years. That claim may not have been credible then and is certainly not now. Over the past year, progress has remained slow on overdue rules, while other issues have been added to the agenda. It seems clear that the S.E.C. is not putting off consideration of a political disclosure rule because it is too busy with other things. Rather, the delay is part and parcel of its longstanding reluctance to issue strong rules on investor rights and protections, especially in the face of Republican resistance. Basic investor protection requires that shareholders know how corporate money is spent. Good corporate governance requires executives to be transparent about their use of company cash. Ignoring the need for disclosure political spending won’t make the need go away. It only makes the S.E.C. complicit in the corrupting system of unlimited campaign donations from unnamed donors.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…