Pular para o conteúdo principal

Operação Lava Jato e maturidade das instituições políticas no Brasil

Lava Jato mudará para melhor gestão de empresas e estatais Postado por: DANIELA MARTINS Um dos maiores impactos das revelações feitas pela Operação Lava Jato deverá ser a mudança da cultura corporativa das empresas brasileiras. Já temos uma lei anticorrupção mais severa. Deverá haver uma mudança em procedimentos internos. A punição aos que são acusados de corruptores vai forçar as empresas a rever suas práticas. As empresas deverão ter novos códigos corporativos de conduta, manuais de ética de verdade para lidar com negócios públicos, porque o crime vai dar cadeia na Lava Jato. As denúncias também deverão afetar a governança da Petrobras. Já há enorme pressão sobre a atual diretoria da estatal e o governo a respeito da maneira como a empresa tem sido conduzida nos últimos anos. Foram anunciadas medidas internas para reforçar controles contra corrupção. Mas a Lava Jato deverá promover uma limpeza maior nos procedimentos da Petrobras. E isso também afetará a cultura corporativa das estatais. Como consequência política, as denúncias em bloco da sétima fase da Lava Jato deverão mudar a forma como são financiadas as campanhas eleitorais de todos os partidos. É muito provável que, em breve, o Supremo Tribunal Federal conclua o julgamento que proíbe doações eleitorais de empresas. O ministro Gilmar Mendes, que pediu vista do processo em abril, deveria devolvê-lo logo ao plenário para conclusão do julgamento, que já tem maioria, para acabar com contribuições de pessoas jurídicas. É aguarda, agora, a revelação dos políticos com foro privilegiado. O Ministério Público ainda apresentará os nomes dos deputados e senadores acusados de envolvimento com corrupção pela Lava Jato, concluindo um elo importante entre o sistema político e as grandes corporações. Essa primeira fornada de denunciados pelo Ministério Público é um divisor de águas no combate à corrupção de crimes do colarinho branco no Brasil. Foram 36 denunciados, a maioria executivos de grandes empreiteiras acusadas de formar cartel para pagar propina e obter contratos na Petrobras. É provavelmente o maior caso de denúncia de corruptores na história do país. As consequências jurídicas ficarão a cargo da Justiça, assegurando o amplo direito de defesa aos acusados, o que é fundamental numa democracia. A Lava Jato mostra a maturidade das nossas instituições e como evoluímos no combate à corrupção. O país não vai acabar. O Congresso não vai acabar. O Brasil está punindo quem costumava ficar livre das garras da lei apesar de seus crimes. É uma boa notícia, que vai melhorando o país. Fonte: http://www.blogdokennedy.com.br/lava-jato-mudara-para-melhor-gestao-de-empresas-e-estatais/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Mesa redonda discutira "O papel da tecnologia na democratização do lobby" em 20/09 em São Carlos/SP

O SL Summit é um evento que reúne diversos profissionais, em um só lugar, para apresentarmos casos de sucesso na área de Relações Institucionais e Governamentais (RIG) e discurtimos o futuro da profissão.

Nessa primeira edição, haverá uma mesa redonda onde vamos discutir sobre “O papel da tecnologia na democratização do lobby”. Contaremos com a presença da Andréa Gozetto, coordenadora do MBA em Relações Governamentais da FGV/IDE e Pedro Fiorelli, Executivo Sênior de Relações Institucionais com mais de 10 anos de experiência no setor de infraestrutura e de fundos de investimento.

Se você é um profissional da área, entusiasta, acadêmico ou gosta de política, venha entender como a tecnologia está mudando a forma como fazemos lobby e o que esperar do futuro. O SL Summit acontece em São Carlos, porém faremos uma transmissão ao vivo no nosso Facebook. Se inscreva para receber novidades e o link para a transmissão!

Inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScXbDXSX-T-bwoE1rpGHKqGMVd…

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…