Pular para o conteúdo principal

Operação Lava Jato e maturidade das instituições políticas no Brasil

Lava Jato mudará para melhor gestão de empresas e estatais Postado por: DANIELA MARTINS Um dos maiores impactos das revelações feitas pela Operação Lava Jato deverá ser a mudança da cultura corporativa das empresas brasileiras. Já temos uma lei anticorrupção mais severa. Deverá haver uma mudança em procedimentos internos. A punição aos que são acusados de corruptores vai forçar as empresas a rever suas práticas. As empresas deverão ter novos códigos corporativos de conduta, manuais de ética de verdade para lidar com negócios públicos, porque o crime vai dar cadeia na Lava Jato. As denúncias também deverão afetar a governança da Petrobras. Já há enorme pressão sobre a atual diretoria da estatal e o governo a respeito da maneira como a empresa tem sido conduzida nos últimos anos. Foram anunciadas medidas internas para reforçar controles contra corrupção. Mas a Lava Jato deverá promover uma limpeza maior nos procedimentos da Petrobras. E isso também afetará a cultura corporativa das estatais. Como consequência política, as denúncias em bloco da sétima fase da Lava Jato deverão mudar a forma como são financiadas as campanhas eleitorais de todos os partidos. É muito provável que, em breve, o Supremo Tribunal Federal conclua o julgamento que proíbe doações eleitorais de empresas. O ministro Gilmar Mendes, que pediu vista do processo em abril, deveria devolvê-lo logo ao plenário para conclusão do julgamento, que já tem maioria, para acabar com contribuições de pessoas jurídicas. É aguarda, agora, a revelação dos políticos com foro privilegiado. O Ministério Público ainda apresentará os nomes dos deputados e senadores acusados de envolvimento com corrupção pela Lava Jato, concluindo um elo importante entre o sistema político e as grandes corporações. Essa primeira fornada de denunciados pelo Ministério Público é um divisor de águas no combate à corrupção de crimes do colarinho branco no Brasil. Foram 36 denunciados, a maioria executivos de grandes empreiteiras acusadas de formar cartel para pagar propina e obter contratos na Petrobras. É provavelmente o maior caso de denúncia de corruptores na história do país. As consequências jurídicas ficarão a cargo da Justiça, assegurando o amplo direito de defesa aos acusados, o que é fundamental numa democracia. A Lava Jato mostra a maturidade das nossas instituições e como evoluímos no combate à corrupção. O país não vai acabar. O Congresso não vai acabar. O Brasil está punindo quem costumava ficar livre das garras da lei apesar de seus crimes. É uma boa notícia, que vai melhorando o país. Fonte: http://www.blogdokennedy.com.br/lava-jato-mudara-para-melhor-gestao-de-empresas-e-estatais/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç