Pular para o conteúdo principal

Operação Lava Jato e maturidade das instituições políticas no Brasil

Lava Jato mudará para melhor gestão de empresas e estatais Postado por: DANIELA MARTINS Um dos maiores impactos das revelações feitas pela Operação Lava Jato deverá ser a mudança da cultura corporativa das empresas brasileiras. Já temos uma lei anticorrupção mais severa. Deverá haver uma mudança em procedimentos internos. A punição aos que são acusados de corruptores vai forçar as empresas a rever suas práticas. As empresas deverão ter novos códigos corporativos de conduta, manuais de ética de verdade para lidar com negócios públicos, porque o crime vai dar cadeia na Lava Jato. As denúncias também deverão afetar a governança da Petrobras. Já há enorme pressão sobre a atual diretoria da estatal e o governo a respeito da maneira como a empresa tem sido conduzida nos últimos anos. Foram anunciadas medidas internas para reforçar controles contra corrupção. Mas a Lava Jato deverá promover uma limpeza maior nos procedimentos da Petrobras. E isso também afetará a cultura corporativa das estatais. Como consequência política, as denúncias em bloco da sétima fase da Lava Jato deverão mudar a forma como são financiadas as campanhas eleitorais de todos os partidos. É muito provável que, em breve, o Supremo Tribunal Federal conclua o julgamento que proíbe doações eleitorais de empresas. O ministro Gilmar Mendes, que pediu vista do processo em abril, deveria devolvê-lo logo ao plenário para conclusão do julgamento, que já tem maioria, para acabar com contribuições de pessoas jurídicas. É aguarda, agora, a revelação dos políticos com foro privilegiado. O Ministério Público ainda apresentará os nomes dos deputados e senadores acusados de envolvimento com corrupção pela Lava Jato, concluindo um elo importante entre o sistema político e as grandes corporações. Essa primeira fornada de denunciados pelo Ministério Público é um divisor de águas no combate à corrupção de crimes do colarinho branco no Brasil. Foram 36 denunciados, a maioria executivos de grandes empreiteiras acusadas de formar cartel para pagar propina e obter contratos na Petrobras. É provavelmente o maior caso de denúncia de corruptores na história do país. As consequências jurídicas ficarão a cargo da Justiça, assegurando o amplo direito de defesa aos acusados, o que é fundamental numa democracia. A Lava Jato mostra a maturidade das nossas instituições e como evoluímos no combate à corrupção. O país não vai acabar. O Congresso não vai acabar. O Brasil está punindo quem costumava ficar livre das garras da lei apesar de seus crimes. É uma boa notícia, que vai melhorando o país. Fonte: http://www.blogdokennedy.com.br/lava-jato-mudara-para-melhor-gestao-de-empresas-e-estatais/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …