Pular para o conteúdo principal

New and Improved? Why the EU Lobby Register still fails to deliver

Publication date: Tuesday, January 27, 2015 This new research, published by the Alliance for Lobbying Transparency and Ethics Regulation (ALTER-EU), shows how the voluntary approach to EU lobby transparency regulation fails to provide citizens with an accurate picture of the lobby scene in Brussels. Some of the main groups that are actively lobbying the EU institutions have still not registered in the EU's Transparency Register. These include: Financial lobbyists such as Standard & Poors, City of London Corporation and Credit Suisse; Lobby consultancies, such as EUTOP Brussels; Law firms such as Covington & Burling and Freshfields Bruckhaus Deringer; Major corporations such as Electrabel, Anglo American and General Motors. Meanwhile, too many of the register's entries are unreliable: lobby firms and law firms fail to disclose clients - which is a clear breach of the rules for the register - or they mask their identities behind meaningless acronyms. In addition lobby spending and lobbyist numbers are often under-reported, and there are far too many implausible entries. For example: • Google and Novartis list more European Parliament entry passes than the total number of lobbyists they say they employ, which cannot be correct according to the register rules. • Goldman Sachs and Honeywell under-report their lobby expenditures as the amounts they declare are less than the amounts they have paid to lobby consultancies. • Meanwhile, some entries are simply absurd: BearingPoint, a professional consultancy, states that its lobby turnover is a staggering €552,795,000! [Addendum 28-01-2015: Since this report was published, BearingPoint has contacted us to clarify that the figure declared in its register entry was not, in fact, its lobbying expenses, but rather its annual turnover. Whilst this is an easy mistake to make, this example shows that there is a lack of proactive checking by the Transparency Register Secretariat that the entries are accurate and credible.] The European Parliament, alongside transparency campaigners including ALTER-EU, have long demanded a tougher approach to EU lobby regulation. It is now time for the European Commission to take up this challenge. The revamped register currently being launched, will not significantly improve the accuracy of the lobby data (as outlined in this report) and will not enable any interested person to really know who is lobbying whom, and how much is being spent on lobbying in Brussels - surely the key tests of any proper transparency register. Despite numerous commitments to improve the poor quality of information in the register, too little has happened and even the most obvious absurd entries have not been corrected. The Juncker Commission is now proposing to introduce a so-called mandatory lobby register via an inter-institutional agreement. This is very misleading, as such an inter-institutional agreement would not be binding on lobbyists and thus not properly mandatory. What is needed is a proposal for EU legislation to introduce a legally-binding EU lobby register, which would ensure that lobbyists are obliged to be fully open and honest about all their lobbying activities. This would allow the register secretariat to investigate incorrect and misleading entries, and ensure that effective sanctions can be applied in cases of breaches of the register rules. That is the only way to ensure that we know who is influencing the decisions coming out of Brussels, which affect EU citizens' daily lives. http://www.alter-eu.org/documents/2015/01

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…

PERFIL DO PROFISSIONAL: FABÍOLA NADER MOTTA

“Trabalho perene, contínuo, no qual você não escolhe candidatos, partidos, lados. Muita transparência, ética e compliance” Conversar com alguém que está radicado em Brasília é sempre um exercício de adivinhação. A cada frase, desponta uma mistura de sotaques típica da capital federal. Com Fabíola Nader Motta, gerente de relações institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), não é diferente. A cada frase, a cada cadência, o interlocutor aposta em uma região do Brasil. Mas o que aparenta é um leve acento mineiro. Fabíola, filha de militar que serviu em várias partes do País, nasceu em Juiz de Fora (MG) e se mudou muito jovem para Brasília. Pelo histórico familiar e pela profissão que escolheu, ela é, aos 31 anos, uma típica brasiliense. Outro aspecto da fala também não passa despercebido. As frases redondas, repletas de dados, resumem outra característica – desta vez, profissional. O poder de articulação e convencimento demonstra o preparo para exercer a atividade q…