Pular para o conteúdo principal

Coluna Aberje discute a relação entre governo e empresas e o impacto sobre a transparência no processo decisório

O binômio governo-empresas e transparência do processo decisório Publicado em 13/4/2015 As decisões governamentais constituem importante fator a impactar a competitividade das empresas. Quando se trata de definir estratégias de negócios, há que se destacar o papel decisivo do processo de elaboração de políticas públicas, sem, logicamente, desconsiderar a importância dos fatores empresarias, tais como tecnologia, capacidade de produção e competência mercadológica, operacional e de gestão. Os acontecimentos dos últimos meses têm mostrado como as mudanças nas políticas econômica, tributária, trabalhista, previdenciária, social, energética e infra-estrutural são cruciais para estabelecer, ou não, um ambiente de negócios favorável. Um Estado que pretende se constituir em Estado Democrático de Direito, não pode negar à sociedade civil espaço para influenciar o processo decisório. Decisões melhor informadas – condição básica para o alcance dos objetivos fundamentais da República[1] - dependem da interface entre governo, cidadãos, empresas privadas e organizações do terceiro setor. No que tange às empresas, a interface com o governo é imprescindível para sua sobrevivência. Afinal, um ambiente de negócios favorável gera crescimento econômico e, por conseguinte, desenvolvimento. Acompanhando as ações do governo, é possível ao mercado identificar antecipadamente riscos e/ou oportunidades. Cientes disso, diversas empresas têm alinhado estratégias de relações governamentais às estratégias de negócios. Assim, podem ser minorados potenciais danos e alcançadas vantagens competitivas. As grandes empresas, sobretudo as multinacionais, possuem em seu organograma departamentos de relações governamentais, cuja função é atualizá-las sobre o trabalho do governo; fornecer informações sobre elas; analisar riscos; identificar oportunidades e fazer a prospecção de tendências e cenários futuros. No entanto, é baixo o número de grandes empresas em funcionamento no Brasil. Os dados acerca do segmento industrial, indicam que, dentre, aproximadamente, 700 mil indústrias em atuação, 98% são pequenas e médias. Esse dado é relevante, pois o aperfeiçoamento do processo decisório estatal prescinde da participação do maior número possível de atores impactados pelas políticas públicas em deliberação. Participar da construção dos rumos de um país poderia ser, por si só, um forte fator de incentivo para que as empresas, sobretudo as de pequeno e médio porte, passem a elaborar estratégias de relações governamentais. Merecem destaque outros fatores de incentivo, como, por exemplo, a possibilidade de conquistar ou manter alguma vantagem competitiva que amplie ou estabeleça novos benefícios para o seu setor de atuação econômica; a remoção ou criação de barreiras alfandegárias que possam ampliar seus negócios no exterior ou evitar que empresas estrangeiras ganhem espaço no mercado interno; e, também, a elaboração de propostas ao governo que objetivem o desenvolvimento e/ou ampliação de negócios pré-existentes. Ademais, a abertura de um canal de comunicação entre o governo e as empresas possibilita a avaliação efetiva de propostas e/ou demandas nos processos decisórios, legitimando, assim, a defesa da democracia enquanto ferramenta de tomada de decisões. Dito de outra forma, o binômio governo - empresas pode suscitar um jogo democrático mais equilibrado, aberto e transparente. [1] Conforme Art. 3º da Constituição Federal: “Construir uma sociedade livre, justa e solidária; Garantir o desenvolvimento nacional; Erradicar a pobreza, a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais e Promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade, e quaisquer outras formas de discriminação”. Texto integral em: http://www.aberje.com.br/acervo_colunas_ver.asp?ID_COLUNA=1407&ID_COLUNISTA=120

Comentários

Oliver Jones disse…

We're a group of volunteers and opening a new scheme in our community. Your web site offered us with valuable info to work on. You have done an impressive job and our whole community will be thankful to you. craigslist maine

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…