Pular para o conteúdo principal

O MBA em Relações Governamentais da FGV Rio de Janeiro convida para a palestra do Prof. Vitélio Brustollin, intitulada "Políticas Públicas: a atuação do Estado no desenvolvimento científico e tecnológico"

POLÍTICAS PÚBLICAS: A ATUAÇÃO DO ESTADO NO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO VITÉLIO BRUSTOLIN (UFF) Data: 01/07/2015 Hora: 19:00 Local: FGV BOTAFOGO - Praia de Botafogo, 190 - 8° andar - Sl. 823 PALESTRA Algumas das principais inovações científicas e tecnológicas desenvolvidas a partir da Segunda Guerra Mundial foram iniciadas como empreendimentos militares, embora, sem tardar, tenham sido empregadas para uso civil. Os Estados Unidos foram pioneiros nesse processo, institucionalizando políticas públicas de integração entre governo, indústrias e universidades para vencer a Guerra. Posteriormente esse modelo foi empregado para antagonizar a – hoje extinta – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) na hegemonia científico-tecnológica e militar do planeta. Partindo-se desse estudo de caso, a palestra analisa situações paralelas, como as da Coreia do Sul e de Israel, contrapondo-os às políticas públicas de estímulo à inovação praticadas no Brasil. PALESTRANTE Vitelio Marcos Brustolin. Fellow e Visiting Researcher PhD na Harvard Law School (Direito) e no Harvard Department of History of Science (História da Ciência), professor adjunto da Universidade Federal Fluminense (UFF). É Mestre e Doutor em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ). Possui formação em Ciências Jurídicas (Direito) e Ciências Sociais pela Universidade Regional Integrada - URI, bem como, titulação em Comunicação Social. Foi Analista de Gestão no Governo do Estado do Rio de Janeiro. Atua, também, como consultor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) para a Presidência do Brasil. Palestra do MBA Executivo em Economia e Gestão: Relações Governamentais. Inscrições: http://mgm-rio.fgv.br/eventos/politicas-publicas-atuacao-estado-desenvolvimento-cientifico-tecnologico

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç