Pular para o conteúdo principal

RelGov Veste Prada: uma rede que contribui para o aprofundamento da democracia

Em março de 2006, a Revista UM (Universo Masculino) publicou uma matéria em que apresentava a história de três mulheres que atuavam na área de relações governamentais. A partir de uma abordagem inovadora, o jornalista conseguiu desmistificar um pouco a zona cinzenta que envolve a atividade de lobby e ao relatar o dia a dia de suas fontes, apresentou a complexidade do trabalho dessas profissionais. Intitulada “O lobby de saias” (*1), a matéria tentava apreender possíveis dificuldades que uma mulher enfrentaria ao defender os interesses da organização que representa no Congresso Nacional. Para evitar envolvimentos em esquemas de corrupção e tráfico de influência e ameaças de assédio sexual, essas profissionais formaram uma rede de informações que, entre outros objetivos, servia como um alerta acerca de pessoas ou atos suspeitos.
A existência de esquemas de corrupção e tráfico de influência ainda constituem desafios a superar. Mas é muito bom saber que, em menos de uma década, outras redes de informação têm sido criadas por mulheres que atuam na área de relações governamentais. Felizmente, por motivos bem diferentes.
É o caso do grupo RGVP – RelGov Veste Prada – ou simplesmente As Pradas, como referem-se entre elas às participantes do grupo. Fruto dos encontros informais de algumas amigas que se reuniam para trocar experiências, o RGVP foi crescendo e transformou-se em uma rede. Há algumas exigências para tornar-se uma Prada, entre elas: a) ser mulher; b) atuar na área de relações governamentais, c) ser colaboradora de Empresas, Consultorias, Confederações, Federações, Associações de Classe e think tanks e d) estar em Brasília com frequência (2 ou 3 vezes por mês). Os encontros mensais acontecem sempre na terceira semana, em Brasília e alternam-se entre uma reunião de trabalho (preferencialmente um café da manhã) e um Happy Hour. Atualmente, o grupo conta com mais 60 mulheres, mas há outras 10 solicitando inclusão. Apesar de não possuírem um alto grau de formalização, a sua carta de 
apresentação define regras para inclusão de novos membros, normas de conduta e de confidencialidade das informações do grupo.
O RGVP atua com base em três pilares: networking; leadership, mentoring e coaching e trabalho social voluntário. O seu objetivo é tornar cada um dos membros um radar e assim ampliar a capacidade de captação e disseminação de informações. Como se sabe, a antecipação é essencial à área de relações governamentais. Um bom profissional é aquele que é capaz de identificar oportunidades e riscos para a organização que representa antes que outros o façam. Afinal, a informação é vital para o processo de defesa de interesses. É por isso que as Pradas interagem entre si por meio de um grupo no Whatsapp, possuem um grupo de discussões no Linkedin (*2) e trocam  informações por e-mail.
A pluralidade é a marca do grupo. Profissionais em diferentes níveis hierárquicos se relacionam de igual para igual e trocam experiências. Em um país em que os direitos civis mais básicos, como o direito à igualdade, ainda não estão plenamente consolidados, a existência do RGVP é um ganho substancial para o aprofundamento da democracia.

(*1) LAMBRANHO, Lúcio. O Lobby de Saias. In: Revista UM. Edição 17, março de 2006.
(*2) https://www.linkedin.com/grps/RelGov-Veste-Prada-6953871/about?http://aberje.com.br/acervo_colunas_ver.asp?ID_COLUNA=1604&ID_COLUNISTA=120

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Mesa redonda discutira "O papel da tecnologia na democratização do lobby" em 20/09 em São Carlos/SP

O SL Summit é um evento que reúne diversos profissionais, em um só lugar, para apresentarmos casos de sucesso na área de Relações Institucionais e Governamentais (RIG) e discurtimos o futuro da profissão.

Nessa primeira edição, haverá uma mesa redonda onde vamos discutir sobre “O papel da tecnologia na democratização do lobby”. Contaremos com a presença da Andréa Gozetto, coordenadora do MBA em Relações Governamentais da FGV/IDE e Pedro Fiorelli, Executivo Sênior de Relações Institucionais com mais de 10 anos de experiência no setor de infraestrutura e de fundos de investimento.

Se você é um profissional da área, entusiasta, acadêmico ou gosta de política, venha entender como a tecnologia está mudando a forma como fazemos lobby e o que esperar do futuro. O SL Summit acontece em São Carlos, porém faremos uma transmissão ao vivo no nosso Facebook. Se inscreva para receber novidades e o link para a transmissão!

Inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScXbDXSX-T-bwoE1rpGHKqGMVd…

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…