Pular para o conteúdo principal

RelGov Veste Prada: uma rede que contribui para o aprofundamento da democracia

Em março de 2006, a Revista UM (Universo Masculino) publicou uma matéria em que apresentava a história de três mulheres que atuavam na área de relações governamentais. A partir de uma abordagem inovadora, o jornalista conseguiu desmistificar um pouco a zona cinzenta que envolve a atividade de lobby e ao relatar o dia a dia de suas fontes, apresentou a complexidade do trabalho dessas profissionais. Intitulada “O lobby de saias” (*1), a matéria tentava apreender possíveis dificuldades que uma mulher enfrentaria ao defender os interesses da organização que representa no Congresso Nacional. Para evitar envolvimentos em esquemas de corrupção e tráfico de influência e ameaças de assédio sexual, essas profissionais formaram uma rede de informações que, entre outros objetivos, servia como um alerta acerca de pessoas ou atos suspeitos.
A existência de esquemas de corrupção e tráfico de influência ainda constituem desafios a superar. Mas é muito bom saber que, em menos de uma década, outras redes de informação têm sido criadas por mulheres que atuam na área de relações governamentais. Felizmente, por motivos bem diferentes.
É o caso do grupo RGVP – RelGov Veste Prada – ou simplesmente As Pradas, como referem-se entre elas às participantes do grupo. Fruto dos encontros informais de algumas amigas que se reuniam para trocar experiências, o RGVP foi crescendo e transformou-se em uma rede. Há algumas exigências para tornar-se uma Prada, entre elas: a) ser mulher; b) atuar na área de relações governamentais, c) ser colaboradora de Empresas, Consultorias, Confederações, Federações, Associações de Classe e think tanks e d) estar em Brasília com frequência (2 ou 3 vezes por mês). Os encontros mensais acontecem sempre na terceira semana, em Brasília e alternam-se entre uma reunião de trabalho (preferencialmente um café da manhã) e um Happy Hour. Atualmente, o grupo conta com mais 60 mulheres, mas há outras 10 solicitando inclusão. Apesar de não possuírem um alto grau de formalização, a sua carta de 
apresentação define regras para inclusão de novos membros, normas de conduta e de confidencialidade das informações do grupo.
O RGVP atua com base em três pilares: networking; leadership, mentoring e coaching e trabalho social voluntário. O seu objetivo é tornar cada um dos membros um radar e assim ampliar a capacidade de captação e disseminação de informações. Como se sabe, a antecipação é essencial à área de relações governamentais. Um bom profissional é aquele que é capaz de identificar oportunidades e riscos para a organização que representa antes que outros o façam. Afinal, a informação é vital para o processo de defesa de interesses. É por isso que as Pradas interagem entre si por meio de um grupo no Whatsapp, possuem um grupo de discussões no Linkedin (*2) e trocam  informações por e-mail.
A pluralidade é a marca do grupo. Profissionais em diferentes níveis hierárquicos se relacionam de igual para igual e trocam experiências. Em um país em que os direitos civis mais básicos, como o direito à igualdade, ainda não estão plenamente consolidados, a existência do RGVP é um ganho substancial para o aprofundamento da democracia.

(*1) LAMBRANHO, Lúcio. O Lobby de Saias. In: Revista UM. Edição 17, março de 2006.
(*2) https://www.linkedin.com/grps/RelGov-Veste-Prada-6953871/about?http://aberje.com.br/acervo_colunas_ver.asp?ID_COLUNA=1604&ID_COLUNISTA=120

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…