Pular para o conteúdo principal

Ironia

Andréa C. Oliveira Gozetto O objetivo principal de uma organização que utiliza a atividade de lobby é influenciar o curso das políticas públicas a seu favor. Seria natural, portanto que os cientistas políticos estudassem como os lobistas obtêm influência. Apesar de diversos fenômenos associados ao lobby – formação, organização, acesso e atividade dos grupos de interesse – terem sido estudados exaustivamente, ironicamente os especialistas se calam quando o tema é influência (Mahoney, 2007). Essa ironia decorre da dificuldade em operacionalizar tal conceito. De maneira geral, influência pode ser definida como o poder de moldar a política ou garantir tratamento favorável para alguém, especialmente por meio de status, contatos ou riqueza. É influente aquele que tem a capacidade de mudar o comportamento, crença ou opinião de outro ou de modificar a prioridade dos temas da agenda pública. Na Ciência Política, tradicionalmente, o termo tem sido utilizado como sinônimo de poder político. A abordagem reputacional, por exemplo, infere que as bases do poder se traduzem em influência. Isso significa que, ao identificar quem possui os recursos para exercer influência, assume-se automaticamente que esse a possua. No entanto, é necessário refletir, em que medida recursos realmente se traduzem em influência. Em outras palavras, seria possível mensurar como o dinheiro se transforma em poder? (Lowery, 2015) Mas os obstáculos persistem. Como identificar com precisão os verdadeiros objetivos dos grupos de interesse e cada possível fator gerador de influência? (Mahoney, 2007) Como definir de maneira precisa como a influência se evidencia? Especula-se que, talvez, os especialistas estejam procurando as evidências de influência no lugar errado. (Lowery, 2015) Para aqueles que precisam mensurar os resultados de suas ações de lobby, essa não é uma discussão abstrata. Muitas vezes, a manutenção ou o fortalecimento da área de relações governamentais de uma organização são determinados pela capacidade dos profissionais que nela atuam de comprovar os seus resultados e traduzi-los em números. Diferentemente do mundo corporativo, onde as decisões são baseadas em certezas, uma vez que os papéis, metas e preços estão bem definidos, o mundo do lobby é governado pela incerteza de objetivos e significados (Lowery, 2015). Sendo assim, o grande desafio para especialistas e profissionais de relações governamentais é tornar o que é substancialmente significativo em termos de influência em algo observável e mensurável. Referências Bibliográficas LOWERY, D. Lobbying influence: meaning, measurement and missing. Interest Groups and advocacy. Vol. 2, 1, 1-26. MAHONEY, C. Lobbying Success in the United States and the European Union. Journal of Public Policy, Volume 27, Issue 01, May 2007, pp 35-56.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…