Pular para o conteúdo principal

Ironia

Andréa C. Oliveira Gozetto O objetivo principal de uma organização que utiliza a atividade de lobby é influenciar o curso das políticas públicas a seu favor. Seria natural, portanto que os cientistas políticos estudassem como os lobistas obtêm influência. Apesar de diversos fenômenos associados ao lobby – formação, organização, acesso e atividade dos grupos de interesse – terem sido estudados exaustivamente, ironicamente os especialistas se calam quando o tema é influência (Mahoney, 2007). Essa ironia decorre da dificuldade em operacionalizar tal conceito. De maneira geral, influência pode ser definida como o poder de moldar a política ou garantir tratamento favorável para alguém, especialmente por meio de status, contatos ou riqueza. É influente aquele que tem a capacidade de mudar o comportamento, crença ou opinião de outro ou de modificar a prioridade dos temas da agenda pública. Na Ciência Política, tradicionalmente, o termo tem sido utilizado como sinônimo de poder político. A abordagem reputacional, por exemplo, infere que as bases do poder se traduzem em influência. Isso significa que, ao identificar quem possui os recursos para exercer influência, assume-se automaticamente que esse a possua. No entanto, é necessário refletir, em que medida recursos realmente se traduzem em influência. Em outras palavras, seria possível mensurar como o dinheiro se transforma em poder? (Lowery, 2015) Mas os obstáculos persistem. Como identificar com precisão os verdadeiros objetivos dos grupos de interesse e cada possível fator gerador de influência? (Mahoney, 2007) Como definir de maneira precisa como a influência se evidencia? Especula-se que, talvez, os especialistas estejam procurando as evidências de influência no lugar errado. (Lowery, 2015) Para aqueles que precisam mensurar os resultados de suas ações de lobby, essa não é uma discussão abstrata. Muitas vezes, a manutenção ou o fortalecimento da área de relações governamentais de uma organização são determinados pela capacidade dos profissionais que nela atuam de comprovar os seus resultados e traduzi-los em números. Diferentemente do mundo corporativo, onde as decisões são baseadas em certezas, uma vez que os papéis, metas e preços estão bem definidos, o mundo do lobby é governado pela incerteza de objetivos e significados (Lowery, 2015). Sendo assim, o grande desafio para especialistas e profissionais de relações governamentais é tornar o que é substancialmente significativo em termos de influência em algo observável e mensurável. Referências Bibliográficas LOWERY, D. Lobbying influence: meaning, measurement and missing. Interest Groups and advocacy. Vol. 2, 1, 1-26. MAHONEY, C. Lobbying Success in the United States and the European Union. Journal of Public Policy, Volume 27, Issue 01, May 2007, pp 35-56.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…