Pular para o conteúdo principal

Lava Jato reacende discussão sobre regulamentação do lobby

DANIELA LIMA DE BRASÍLIA 14/01/2016 12h25 As polêmicas envolvendo a interação entre políticos e empresários, evidenciadas com destaque ao longo das investigações da operação Lava Jato, reacenderam na Câmara dos Deputados a disposição de colocar em pauta um marco regulatório para o lobby no Brasil. A medida passou a ser defendida abertamente por lideranças partidárias nos últimos meses e agora será encampada publicamente pelo DEM. A sigla decidiu contratar, por meio de sua fundação partidária, uma consultoria jurídica para reapresentar projeto sobre a regulamentação do lobby lançado há 25 anos pelo ex-vice-presidente da República e ex-senador Marco Maciel. Segundo o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (DEM-PE), a ideia é fazer do tema um assunto de interesse suprapartidário, mobilizando também as siglas da base do governo. Integrantes do próprio PT, como o deputado Carlos Zarattini (SP), já apresentaram projetos que tratam da regulação do lobby. Marco Maciel apresentou sua proposta em 1989. O texto chegou a ser aprovado no Senado, mas nunca foi pautado na Câmara. "Há uma preocupação de lideranças expressivas no Congresso com a criminalização da atividade política. É preciso estabelecer limites claros, dizer o que é admissível e o que não é", diz Mendonça. "Um marco legal falaria inclusive sobre as prerrogativas dos parlamentares, sobre como interagir com os setores sindicais, privado e empresarial sem que possa haver suspeição de ato ilícito", concluiu. O partido vai sugerir ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que crie uma comissão especial para debater o assunto, prevendo, inclusive, a realização de audiências públicas. Eles defendem ainda que órgãos de fiscalização, como o Ministério Público, a Polícia Federal e o próprio Judiciário deem contribuições ao novo projeto de lei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …