Pular para o conteúdo principal

Lava Jato reacende discussão sobre regulamentação do lobby

DANIELA LIMA DE BRASÍLIA 14/01/2016 12h25 As polêmicas envolvendo a interação entre políticos e empresários, evidenciadas com destaque ao longo das investigações da operação Lava Jato, reacenderam na Câmara dos Deputados a disposição de colocar em pauta um marco regulatório para o lobby no Brasil. A medida passou a ser defendida abertamente por lideranças partidárias nos últimos meses e agora será encampada publicamente pelo DEM. A sigla decidiu contratar, por meio de sua fundação partidária, uma consultoria jurídica para reapresentar projeto sobre a regulamentação do lobby lançado há 25 anos pelo ex-vice-presidente da República e ex-senador Marco Maciel. Segundo o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (DEM-PE), a ideia é fazer do tema um assunto de interesse suprapartidário, mobilizando também as siglas da base do governo. Integrantes do próprio PT, como o deputado Carlos Zarattini (SP), já apresentaram projetos que tratam da regulação do lobby. Marco Maciel apresentou sua proposta em 1989. O texto chegou a ser aprovado no Senado, mas nunca foi pautado na Câmara. "Há uma preocupação de lideranças expressivas no Congresso com a criminalização da atividade política. É preciso estabelecer limites claros, dizer o que é admissível e o que não é", diz Mendonça. "Um marco legal falaria inclusive sobre as prerrogativas dos parlamentares, sobre como interagir com os setores sindicais, privado e empresarial sem que possa haver suspeição de ato ilícito", concluiu. O partido vai sugerir ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que crie uma comissão especial para debater o assunto, prevendo, inclusive, a realização de audiências públicas. Eles defendem ainda que órgãos de fiscalização, como o Ministério Público, a Polícia Federal e o próprio Judiciário deem contribuições ao novo projeto de lei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…