Pular para o conteúdo principal

Lobista profissional: o lobby do bem

O alagoano Jorge Barros, é Vice-Presidente Senior da Divisão de Relações Governamentais da em­presa alemã SiemensAs relações entre os setores público e privado são importantes para as estratégias das empresas e do governo. Do ponto de vista da essência contributiva para a sociedade, embora os papéis e a forma de atuar sejam diferentes, governo e setor privado são duas faces de uma mesma realidade e têm a mesma relevância para as pessoas. Portanto, um trabalho conjunto e consensual entre esses dois setores sempre traz enormes benefícios para o desenvolvimento econômico e social de um país. Numa nação de história e cultura patrimonialista em que os privilegiados sempre negociaram favores com quem detinha o poder, o Lobby do Bem é uma novidade. Esse movimento mais profissionalizado começou por volta de 2008, quando foi necessário entender o que a sociedade brasileira passou a exigir de seus governantes e qual seria o novo ordenamento jurídico-regulatório que regeria as relações institucionais entre governo e iniciativa privada. A partir dai, muitas empresas sérias começaram a contratar profissionais diferenciados para desenvolver essa nova atividade. Foi o caso da empresa alemã de tecnologia, Siemens. O alagoano Jorge Barros, 52 anos, que entrou na empresa como estagiário em 1987, 20 anos mais tarde foi escolhido para ser Vice-Presidente Senior da Divisão de Relações Governamentais. Antes disso, tinha sido Diretor Regional para a Região Centro-Oeste-Norte do Brasil. Formado em Economia, Pós-Graduado em Gestão de Negócios, MBA em Finanças e atualmente se doutorando em Administração de Empresas na Universidade de Rennes - França, sua experiência em se relacionar com o poder público foi adquirida no período em que sentava na cadeira de Diretor Regional da empresa. "Aprendi na prática, com os meus próprios erros e acertos." Atualmente, Jorge Barros comanda diretamente uma equipe de oito funcionários que fica alocada entre São Paulo e Brasília. "Ainda existe muito preconceito com qualquer profissão que precise se relacionar diretamente com o governo, mas a falta de regulamentação não supõe falta de legalidade. A principal qualidade do atual lobista é ser ético.", diz com gravidade. No Brasil de hoje, não se concebe a atividade de relações governamentais sem se observar a ética nos negócios. Graças à evolução dos mecanismos de prevenção, controle e punição às práticas anticoncorrenciais, o Brasil pode hoje se orgulhar de ver tantos desmandos sendo identificados e criminalmente punidos. Ainda temos um longo caminho até conseguirmos reduzir drasticamente esses desvios de conduta, mas com certeza já podemos comemorar grandes avanços nesse tema

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…