Pular para o conteúdo principal

Lobista profissional: o lobby do bem

O alagoano Jorge Barros, é Vice-Presidente Senior da Divisão de Relações Governamentais da em­presa alemã SiemensAs relações entre os setores público e privado são importantes para as estratégias das empresas e do governo. Do ponto de vista da essência contributiva para a sociedade, embora os papéis e a forma de atuar sejam diferentes, governo e setor privado são duas faces de uma mesma realidade e têm a mesma relevância para as pessoas. Portanto, um trabalho conjunto e consensual entre esses dois setores sempre traz enormes benefícios para o desenvolvimento econômico e social de um país. Numa nação de história e cultura patrimonialista em que os privilegiados sempre negociaram favores com quem detinha o poder, o Lobby do Bem é uma novidade. Esse movimento mais profissionalizado começou por volta de 2008, quando foi necessário entender o que a sociedade brasileira passou a exigir de seus governantes e qual seria o novo ordenamento jurídico-regulatório que regeria as relações institucionais entre governo e iniciativa privada. A partir dai, muitas empresas sérias começaram a contratar profissionais diferenciados para desenvolver essa nova atividade. Foi o caso da empresa alemã de tecnologia, Siemens. O alagoano Jorge Barros, 52 anos, que entrou na empresa como estagiário em 1987, 20 anos mais tarde foi escolhido para ser Vice-Presidente Senior da Divisão de Relações Governamentais. Antes disso, tinha sido Diretor Regional para a Região Centro-Oeste-Norte do Brasil. Formado em Economia, Pós-Graduado em Gestão de Negócios, MBA em Finanças e atualmente se doutorando em Administração de Empresas na Universidade de Rennes - França, sua experiência em se relacionar com o poder público foi adquirida no período em que sentava na cadeira de Diretor Regional da empresa. "Aprendi na prática, com os meus próprios erros e acertos." Atualmente, Jorge Barros comanda diretamente uma equipe de oito funcionários que fica alocada entre São Paulo e Brasília. "Ainda existe muito preconceito com qualquer profissão que precise se relacionar diretamente com o governo, mas a falta de regulamentação não supõe falta de legalidade. A principal qualidade do atual lobista é ser ético.", diz com gravidade. No Brasil de hoje, não se concebe a atividade de relações governamentais sem se observar a ética nos negócios. Graças à evolução dos mecanismos de prevenção, controle e punição às práticas anticoncorrenciais, o Brasil pode hoje se orgulhar de ver tantos desmandos sendo identificados e criminalmente punidos. Ainda temos um longo caminho até conseguirmos reduzir drasticamente esses desvios de conduta, mas com certeza já podemos comemorar grandes avanços nesse tema

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç