Pular para o conteúdo principal

Sim, é preciso regulamentar o lobby.

Sim, é preciso regulamentar o lobby. Mas calma lá! Quem paga propina a servidores é bandido, não lobista. As evidências que existem contra presos da Operação Zelotes nada têm a ver com lobby. Funcionários públicos do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) eram literalmente comprados por escritórios de advocacia para deixar de cumprir a sua função e para aliviar o peso da multa de pessoas em dívida com a Receita. O nome disso? Crime! Ora, ora, ora… Os criminosos agora resolveram optar pela ousadia retórica. Assim como Delúbio Soares, o caixa do mensalão, inventou a tese de que o dinheiro público roubado pela quadrilha era só “caixa dois de campanha” — crime, sim, mas, digamos, menor no cotejo com a safadeza que de fato se praticava —, presos da Operação Zelotes se dizem agora “lobistas” perseguidos. É uma saída marota, claro! Só é crime o que a lei define como tal, e nós, os cidadãos, podemos fazer o que não é proibido. Sem regulamentação, crime o lobby não é. Assim, todos os presos da Operação Zelotes seriam inocentes. Seria uma boa rota de fuga se alguns dos presos não tivessem sido flagrados corrompendo servidores públicos. Uma coisa é um escritório especializado num determinado tema se organizar para pressionar parlamentares em favor de uma determinada tese. Qual é o caminho? Produzem-se estudos, seminários, encontros de debates. Representantes de determinado setor marcam audiências com parlamentares, expõem seu ponto de vista, alertam para dificuldades caso suas teses não triunfem. Assessorias de imprensa contratadas tentam emplacar artigos nos veículos de comunicação em defesa de uma tese, convidam jornalistas para jantar com seus clientes, levam-nos para visitar a redação de jornais e revistas etc. Isso é lobby. Parlamentares e jornalistas honestos conversam com todo mundo, mas exercem o seu trabalho com independência. As evidências que existem contra presos da Operação Zelotes são outras. Funcionários públicos do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) eram literalmente comprados por escritórios de advocacia para deixar de cumprir a sua função e aliviar o peso da multa de pessoas em dívida com a Receita. O nome disso? Crime! Publicidade Querem um exemplo eloquente, noticiado no Painel da Folha desta terça? Erenice Guerra, ex-braço-direito de Dilma Rousseff e depois ela própria ministra da Casa Civil, admitiu em depoimento à Polícia Federal ter firmado uma parceria com José Ricardo da Silva, que está preso, para resolver uma grande dívida tributária com empresa chinesa Huawei. Mas quem era o tal José Ricardo? Ora, conselheiro do Carf. Assim, dona Erenice não via mal nenhum em que aquele senhor atuasse como advogado contra o próprio órgão público no qual trabalhava. Não parece que isso seja lobby. O nome disso é crime. Um dos presos da Operação Zelotes é o notório — procurem a ficha dele na Internet — Alexandre Paes dos Santos, conhecidos como APS. A defesa chamou como testemunha a própria mulher, Maura Lúcia Montella de Carvalho. Cheia de si e de convicção, acusou o Ministério Público de praticar um desserviço à nação — imaginem vocês! — e ainda tentou teorizar: disse que o lobby “faz parte da economia, é uma das condições, uma das estruturas do mercado”. Sim, ela está certa. Mas lobistas não compram funcionários públicos e não praticam corrupção ativa com quem se dispõe a praticar a passiva. Os advogados têm o direito de defender seus clientes como lhes parecer melhor. E a gente tem o direito de não cair na conversa. Acho que já passou da hora de o lobby ser devidamente regulamentado no Brasil, como é nas mais sólidas democracias do mundo. Mas não venham chamar criminosos de lobistas. Criminosos são bandidos. Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/sim-e-preciso-regulamentar-o-lobby-mas-calma-la-quem-paga-propina-a-servidores-e-bandido-nao-lobista/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são e como atuam os lobistas de Brasília

Lobby às claras 20.06.2005 Quem são e como atuam os lobistas de Brasília que defendem os interesses das empresas e querem legalizar a atividade Por Gustavo Paul EXAME Estabelecer uma estratégia de atuação em Brasília é um grande desafio para as empresas brasileiras. De um lado, está a burocracia com suas exigências idiossincráticas e a vocação natural para transformar qualquer ação em letargia. De outro, o fantasma da corrupção que permeia a cidade e, especialmente nos últimos tempos, pode fazer supor que essa é a única forma de se relacionar com autoridades públicas ou personagens da capital federal. Apesar desse cenário pouco favorável, existem caminhos absolutamente legítimos para uma empresa defender pontos de vista ou interesses dentro da máquina pública federal. E, justamente por causa de escândalos como o dos Correios, um tipo diferente de lobista vem ganhando terreno no cenário brasiliense. Esses escritórios de lobby, grandes e pequenos, dedicam-se a fazer de forma absolutam

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG) Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “ O Perfil do Profissional de Relações Governamentais ”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados. Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres [1] . No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres. Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018. A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática  não deve ser vista como 'panaceia'. Entrevista com  Andréa Gozetto , pesquisadora da Fundação Getulio Vargas Thiago Braga - Estadão  BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, o   lobby   deveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadora   Andréa Gozetto , da   Fundação Getulio Vargas , uma das autoras do livro   Lobby e políticas públicas   (FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentaç