Pular para o conteúdo principal

Veja quanto as empresas de TI gastaram com lobby em 2015

Maioria das grandes empresas de tecnologia aumentou a quantidade de dinheiro gasto tentando influenciar legisladores nos Estados Unidos IDG News Service 21 de Janeiro de 2016 - 13h01 White Papers Por trás desse aumento está um “empurrão” do setor de TI para reduzir ou acabar com as regulações que estão fazendo as empresas desacelerarem seus negócios à medida que expandem em outros setores da economia, como carros e aparelhos médicos. O Google gastou mais em lobby do que qualquer outra empresa de tecnologia, apesar de o total de gastos em 2015, cerca de US$ 16,7 milhões ficar sido 1% menor do que o registrado no ano anterior. Esse valor foi gasto fazendo lobby áreas tradicionais de tecnologia como cibersegurança e competição online, problemas de grandes empresas, vistos de trabalho para imigrantes, e áreas conectadas com as pesquisas, como energia eólica. Antes, as empresas de telecomunicações eram as que mais gastavam com lobby no setor de tecnologia nos EUA. Isso mudou há cerca de 10 anos quando as empresas de TI perceberam que dinheiro podia comprar poder e influência em Washington. De qualquer forma, o mercado de telecom continua gastando bastante com lobby. Em 2015, a Comcast desembolsou US$ 15,6 milhões; a AT&T gastou US$ 14,9 milhões, e a Verizon aplicou cerca de US$ 11,4 milhões. Bem atrás aparecem gigantes de TI, como Facebook, com US$ 9,8 milhões; Amazon, com US$ 9,1 milhões; e Microsoft, com US$ 8,5 milhões. A Apple vem bem depois, com “apenas” US$ 4,5 milhões, pouco menos que IBM e Intel, cada uma com gastos na casa dos US$ 4,6 milhões. Vale notar que boa parte desses gastos não é feito diretamente pelas empresas, apesar de as maiores do mercado possuírem os seus próprios “lobbystas” na equipe. Muitas das empresas contratam um ou mais empresas de lobby baseadas em Washington que cobram uma taxa mensal pelos seus serviços. Veja quanto as empresas de TI e Telecom gastaram com lobby em 2015 nos Estados Unidos: Amazon US$ 9,1 milhões Apple US$ 4,5 milhões AT&T US$ 14,9 milhões Comcast US$ 15,6 milhões CTA US$ 4 milhões CTIA US$ 10,1 milhões Facebook US$ 9,8 milhões HP US$ 3,4 milhões Google US$ 16,7 milhões IBM US$ 4,6 milhões Intel US$ 4,6 milhões Microsoft US$ 8,5 milhões NCTA US$ 14,1 milhões Oracle US$ 7,5 milhões Qualcomm US$ 7,9 milhões USTA US$ 5,2 milhões Verizon US$ 11,4 milhões

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Consulta pública sobre projeto para regulamentação do lobby (FGV e Transparência Internacional)

O projeto de lei que pretende regulamentar o lobby no Brasil deverá ser apreciado até o final de março!
É importante que todos participem dessa discussão. Por isso, divulgo um trabalho sensacional realizado pelo Centro de Justiça e Sociedade (FGV Direito Rio) e o Grupo de Estudos Anticorrupção (FGV Direito SP), em parceria com a Transparência Internacional - Programa Brasil. Juntos, elesdesenvolveram um conjunto de medidas normativas anticorrupção.
Eu fui uma das especialistas convidadas para elaborar minutas de proposições legislativas sobre a regulamentação do lobby. A minuta que elaborei foi submetidas a um processo de revisão por outros especialistas (blind peer review) e, agora, encontra-se em consulta pública. Cidadãos e organizações da sociedade civil poderão apresentar críticas e sugestões às proposições elaboradas.
Participe!

Matéria veiculada pelo Jornal da Cultura discute o reconhecimento da ocupação do profissional de relações institucionais e governamentais pelo Ministério do Trabalho

O Jornal da Cultura veiculou ontem a noite uma excelente matéria sobre o reconhecimento da ocupação de relações institucionais e governamentais. Os alunos do MBA em Relações Governamentais da FGV em São Paulo marcaram presença. 

Importante ressaltar que o profissional de relações institucionais e governamentais não é um vendedor. Esse profissional leva informações ao governo sobre a organização que representa e traz para a organização informações relevantes sobre o processo decisório estatal. Portanto, propagandistas da indústria farmacêutica não são profissionais de relações governamentais. 

Após a matéria, o Prof. Villa esclareceu o público sobre a importância da atividade de lobby e a necessidade de regulamentação. 

Confiram a íntegra da matéria: http://www.info4.com.br/ver/ver.asp?bA=MTE3NTA5NQ&YQ=MTQzMg&Yw=NDA0MQ&b3JpZ2Vt=ZW1haWw=&ZGF0YQ=MjcvMDIvMjAxOA

Governo reconhece lobby como profissão. Por que isso ainda diz pouco

Lilian Venturini 21 Fev 2018 (atualizado 21/Fev 18h36) 
Inclusão de atividades em lista federal de ocupação é mais um passo para formalização da prática, que há duas décadas está à espera de regulamentação


O lobby entrou para a lista de atividades reconhecidas como ocupação pelo Ministério do Trabalho. A inclusão significa que a pasta passou a considerar como ofício a atuação de quem defende interesses de empresas e organizações junto a agentes públicos e políticos. A Classificação Brasileira de Ocupações é atualizada constantemente para, segundo o ministério, acompanhar o “dinamismo das ocupações”, considerando as mudanças nos cenários tecnológico, econômico, cultural e social. Há registros sobre a atividade do lobby no país ao menos desde 1940. O reconhecimento como ocupação dá mais segurança ao trabalhador, mas a profissão de lobista, como tal, continua sem uma lei específica que determine o que pode ou não ser feito por este profissional. Cercada de desinformações e ao mesmo tempo e…