Pular para o conteúdo principal

Honestidade, integridade e credibilidade

Às Claras - Jota Por Andréa Oliveira Gozetto Cientista Política, pós-doutora em Administração Pública, é coordenadora acadêmica do MBA em Economia e Gestão - Relações Governamentais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Em 2006, Connor MacGrath publicou um interessante artigo intitulado “The ideal lobbyist[1]”. Nesse artigo, ele apresentou os resultados de uma pesquisa que havia realizado com 60 profissionais de relações governamentais que operavam em Washington, Londres e Bruxelas. Seu objetivo foi apreender quais eram as mais importantes características pessoais que um profissional de relações governamentais deveria possuir para ter sucesso em seu trabalho. A partir da análise dos relatos obtidos, ele identificou 6 características fundamentais, a saber: (1) capacidade de ouvir atentamente; (2) capacidade de observação; (3) cortesia; (4) capacidade de relacionar-se; (5) honestidade e (6) integridade e credibilidade. Apesar de todas elas serem essenciais, o autor ressalta que o sucesso de um profissional nessa área é consequência direta de sua reputação. A reputação, por sua vez, é construída pela conjunção das duas últimas características, ou seja, honestidade, integridade e credibilidade. Até aqui, não há nenhuma novidade, haja vista que todo profissional que esteja construindo uma carreira de sucesso precisa desenvolver essas características pessoais. Mas, levando-se em consideração que as ferramentas básicas utilizadas por esse profissional em seu cotidiano são a informação e a comunicação, há algumas peculiaridades. Honestidade e credibilidade estão intrinsicamente relacionadas com a maneira como a informação é tratada. Sua honestidade pode ser completamente arruinada, caso o profissional de relações governamentais leve ao tomador de decisão que está tentando influenciar, informações imprecisas e parciais, sem apresentar os pros e contras de seu ponto de vista ou menosprezando os argumentos dos grupos de interesse rivais. A credibilidade, por sua vez, depende da habilidade do profissional em ser reconhecido como um indivíduo bem informado e consistente. Quanto à integridade, ela permanecerá intacta se não houver denúncias de desrespeito aos códigos de ética/conduta de sua profissão e/ou do ordenamento jurídico vigente. O IRelGov (Instituto de Relações Governamentais) realizou, em parceria com a Fundamento RP, a primeira pesquisa de opinião acerca da reputação dos profissionais de relações governamentais. Foram entrevistados 71 CEOs, vice-presidentes e diretores, a maioria deles atuando nas áreas de comunicação, jurídico e compliance e em grandes empresas. Em se tratando de uma área que sempre esteve envolvida por um forte estigma de marginalidade, os resultados foram bastante positivos. 80% dos entrevistados acreditam que a atividade é legítima e 57% afirmam que a reputação da área está mudando para melhor. Um dado extremamente relevante diz respeito a crença dos executivos de que o relacionamento entre as empresas e o governo possa ser transparente. Isso porque a concretização desse ideal é essencial para o aprofundamento da democracia no Brasil. Outro fato relevante refere-se ao grau de conhecimento que os executivos entrevistados demonstraram possuir sobre a área. Quanto às atribuições de um profissional de relações governamentais, 70% afirmaram que esse profissional é responsável pela proposição, influência e contribuição com políticas públicas, 64% apontaram que sua função é evitar ou minimizar riscos para a imagem da empresa e 56% indicaram que a atuação desse profissional é importante para melhorar o ambiente de negócios onde a empresa atua. Apenas um pequeno número de executivos (7%) afirmou que o profissional de relações governamentais é capaz de aumentar as vendas para o governo. Os adjetivos utilizados por esses executivos para designar os profissionais em questão, nos mostram também como houve avanços. Diferentemente da imagem estereotipada que circula acerca desses profissionais – que os mostra como indivíduos que buscam vantagens indevidas junto ao poder público, atuando de “forma obscura e dissimulada, procurando acesso privilegiado aos tomadores de decisão, sempre disposto a entrar em negociatas com agentes públicos capazes de ajudá-lo na obtenção de seus objetivos[2]” –, os executivos ouvidos pela pesquisa caracterizaram os profissionais de relações governamentais como: estrategista (58%), protetor (58%) e facilitador (44%). Ainda que os executivos tenham demonstrado compreender a real função e atuação dos profissionais de relações governamentais, 75% deles afirmou que a atividade não é bem vista pela opinião pública. Espera-se que essa mudança de perspectiva observada no ambiente corporativo possa contaminar a opinião pública. Afinal, a legitimidade pública desses profissionais só será alcançada com um maior grau de profissionalização da atividade. Para que isso aconteça, há um longo caminho a percorrer. É necessário que o sistema político ganhe mais transparência e capacidade de responsabilização (prestação de contas), que as associações profissionais se fortaleçam e, sobretudo que os próprios profissionais se comprometam a esclarecer a opinião pública sobre sua função, atribuição e forma de atuação. [1] McGrath, Conor. The ideal lobbyist. Personal characteristics of effective lobbyists. Journal fo Communication Management. Vol. 1, nº 1, 2006. Pp-67-79 [2] Mancuso, W. P. & Gozetto, A. C. O. Lobby: instrumento democrático de representação de interesses? Organicom (USP), v.14, p.118 – 128, 2011. http://jota.uol.com.br/claras-honestidade-integridade-e-credibilidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…