Pular para o conteúdo principal

É preciso definir advocacy

Muito se tem falado sobre advocacy. No entanto, trata-se de um conceito em disputa e, por isso, resolvi sistematizar o que venho pensando sobre isso.
Do meu ponto de vista, advocacy é uma forma não eleitoral de representaçãopolítica e, portanto, auto autorizada. Sua legitimidade é garantida pela afinidade ou identificação de um conjunto de indivíduos ou pela capacidade que as organizações que a utilizam possuem de expressarem uma constelação de discursos públicos.
Até aqui, há duas peculiaridades a ressaltar. Em primeiro lugar, estamos falando de auto autorização. Isso quer dizer que diferentemente da representação eleitoral, nesse caso é o representante quem escolhe o representado. Vejamos o caso do Greenpeace, por exemplo. Essa organização, super atuante escolheu o planeta Terra para representar, mas o planeta Terra não o escolheu, certo?
Em segundo lugar, devemos entender melhor o que, onde e quem se representa com o advocacy. O que se representa são ideias, temas, discursos ou, como se convencionou dizer, causas. Essas causas são representadas na esfera pública, a arena política por excelência para a defesa de causas. Mas, de quem são as causas representadas? Há uma conexão entre o que e quem se representa, já que o que se presenta na esfera pública é um discurso sobre direitos ou temas e não um conjunto específico de pessoas.
Acredito que essa forma não eleitoral de representação política é uma resposta à atual crise de representatividade caracterizada pela distância entre representante e representado, pela dificuldade que os mecanismos de representação eleitoral possuem para captação da vontade da maioria, para além da simples agregação de votos e pelo controle muito restrito do representado sobre as decisões tomadas por seus representantes.
Entendo o advocacy como uma alternativa à representação eleitoral, mas que não a coloca em questão, uma vez que se defendem ideias e temas, de maneira que possam ser incorporados pelas instituições políticas tradicionais.
advocacy pode contribuir para extinguir a dicotomia entre Estado como representante e sociedade civil como representada, uma vez que, há um processo de colaboração intrínseco a essa estratégia.
Pode contribuir também para flexibilizar a noção de legitimidade que até o momento só é possível através do voto. Afinal, apesar de todos terem direito ao voto, independentemente de gênero, cor ou renda, não tem garantido que demandas legítimas da sociedade civil sejam levadas em consideração pelos representantes.
No entanto, a tarefa de construir um conceito rigoroso não é fácil, já que o que se busca é captar a especificidade do termo.
Motivada pelo espírito de colaboração que o advocacy instiga, elaborei o conceito abaixo e gostaria de receber contribuições para aprimorá-lo:
“Advocacy é um tipo de ação política realizada tipicamente por organizações da sociedade civil independentemente de mandato político e dirigida aos tomadores de decisão com o objetivo de influenciá-los a considerar demandas legítimas e relevantes da sociedade civil acerca de políticas públicas em curso, em elaboração ou em implementação”.
Para obter resultados, o advocacy precisa ser realizado a partir de um plano de ação organizado e planejado com o objetivo de levar informações ao tomador de decisão. No entanto, como não possuem mandato, as organizações da sociedade civil engajam e mobilizam outros atores sociais e os incentivam a encaminhar essa informação aos tomadores de decisão. Com isso, essas organizações garantem, ao mesmo tempo, visibilidade para a causa que defendem e legitimidade como representantes dessa causa junto aos tomadores de decisão.  
Através do advocacy, organizações que não possuem acesso à mesa de negociação, forçam sua entrada no processo decisório estatal conscientizando a opinião pública sobre importantes causas a serem defendidas, engajando atores relevantes na discussão, que pressionam os tomadores de decisão em prol da defesa de determinado tema ou política.
Em um momento de inflexão, como o que estamos passando, nunca foi tão necessário que a sociedade civil se organize em torno de causas e pressione os governantes a ouvir suas demandas. 
Use os comentários para contribuir para o aprimoramento desse conceito!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lobby deveria ser regulamentado no País, avalia pesquisadora Andréa Gozetto da Fundação Getúlio Vargas

Andréa Gozetto, da Fundação Getulio Vargas, afirma que a regulamentação da prática não deve ser vista como 'panaceia'.



Entrevista com Andréa Gozetto, pesquisadora da Fundação Getulio Vargas
Thiago Braga - Estadão 


BRASÍLIA - Atividade pouco conhecida no Brasil, olobbydeveria ser regulamentado, mas, a legislação, sozinha, não representaria uma solução contra desvios. Essa é uma das visões apresentadas pela pesquisadoraAndréa Gozetto, daFundação Getulio Vargas, uma das autoras do livroLobby e políticas públicas(FGV Editora), juntamente com o professor Wagner Mancuso, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Estado, Andréa diz que a regulamentação não deve ser vista como “panaceia”. A seguir trechos da entrevista. Por que, na sua opinião, o lobby não foi regulamentado? A questão é que não se consegue entrar num consenso sobre as regras que vão normatizar. Pesquisas mostram que 80% do Congresso é a favor da regulamentação do lobby. Ótimo, mas como? O que vai se exigir? Um credenciamento…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

Gênero e Relações Governamentais

Gênero e Relações Governamentais Andréa Gozetto (FGV/IDE) Manoel Santos (UFMG) Eduardo Galvão (Pensar RelGov) Bruno Pinheiro (UFMG)

Em 2018, a Pensar RelGov atualizou os dados da pesquisa “O Perfil do Profissional de Relações Governamentais”, realizada em 2015. Para essa atualização, foram entrevistados 265 profissionais da área. Os resultados obtidos nos permitem analisar diversas questões, entre elas: gênero, nível hierárquico, grau de instrução e remuneração dos indivíduos entrevistados.Nossa amostra é composta por 58,1% de profissionais do gênero masculino e 41,9% do gênero feminino. É relevante pontuar que essa proporção é inversa a encontrada na população brasileira, composta por 48,5% de homens e 51,5% de mulheres[1]. No quadro retratado por nossa amostra há 16% de homens a mais atuando em Relações Governamentais do que mulheres.Gráfico 1 – Profissionais de RIG por gênero Fonte: Pensar Relgov, 2018.A pesquisa “Estatísticas de gênero — Indicadores sociais das mulheres no Brasil"…