Pular para o conteúdo principal

É preciso definir advocacy

Muito se tem falado sobre advocacy. No entanto, trata-se de um conceito em disputa e, por isso, resolvi sistematizar o que venho pensando sobre isso.
Do meu ponto de vista, advocacy é uma forma não eleitoral de representaçãopolítica e, portanto, auto autorizada. Sua legitimidade é garantida pela afinidade ou identificação de um conjunto de indivíduos ou pela capacidade que as organizações que a utilizam possuem de expressarem uma constelação de discursos públicos.
Até aqui, há duas peculiaridades a ressaltar. Em primeiro lugar, estamos falando de auto autorização. Isso quer dizer que diferentemente da representação eleitoral, nesse caso é o representante quem escolhe o representado. Vejamos o caso do Greenpeace, por exemplo. Essa organização, super atuante escolheu o planeta Terra para representar, mas o planeta Terra não o escolheu, certo?
Em segundo lugar, devemos entender melhor o que, onde e quem se representa com o advocacy. O que se representa são ideias, temas, discursos ou, como se convencionou dizer, causas. Essas causas são representadas na esfera pública, a arena política por excelência para a defesa de causas. Mas, de quem são as causas representadas? Há uma conexão entre o que e quem se representa, já que o que se presenta na esfera pública é um discurso sobre direitos ou temas e não um conjunto específico de pessoas.
Acredito que essa forma não eleitoral de representação política é uma resposta à atual crise de representatividade caracterizada pela distância entre representante e representado, pela dificuldade que os mecanismos de representação eleitoral possuem para captação da vontade da maioria, para além da simples agregação de votos e pelo controle muito restrito do representado sobre as decisões tomadas por seus representantes.
Entendo o advocacy como uma alternativa à representação eleitoral, mas que não a coloca em questão, uma vez que se defendem ideias e temas, de maneira que possam ser incorporados pelas instituições políticas tradicionais.
advocacy pode contribuir para extinguir a dicotomia entre Estado como representante e sociedade civil como representada, uma vez que, há um processo de colaboração intrínseco a essa estratégia.
Pode contribuir também para flexibilizar a noção de legitimidade que até o momento só é possível através do voto. Afinal, apesar de todos terem direito ao voto, independentemente de gênero, cor ou renda, não tem garantido que demandas legítimas da sociedade civil sejam levadas em consideração pelos representantes.
No entanto, a tarefa de construir um conceito rigoroso não é fácil, já que o que se busca é captar a especificidade do termo.
Motivada pelo espírito de colaboração que o advocacy instiga, elaborei o conceito abaixo e gostaria de receber contribuições para aprimorá-lo:
“Advocacy é um tipo de ação política realizada tipicamente por organizações da sociedade civil independentemente de mandato político e dirigida aos tomadores de decisão com o objetivo de influenciá-los a considerar demandas legítimas e relevantes da sociedade civil acerca de políticas públicas em curso, em elaboração ou em implementação”.
Para obter resultados, o advocacy precisa ser realizado a partir de um plano de ação organizado e planejado com o objetivo de levar informações ao tomador de decisão. No entanto, como não possuem mandato, as organizações da sociedade civil engajam e mobilizam outros atores sociais e os incentivam a encaminhar essa informação aos tomadores de decisão. Com isso, essas organizações garantem, ao mesmo tempo, visibilidade para a causa que defendem e legitimidade como representantes dessa causa junto aos tomadores de decisão.  
Através do advocacy, organizações que não possuem acesso à mesa de negociação, forçam sua entrada no processo decisório estatal conscientizando a opinião pública sobre importantes causas a serem defendidas, engajando atores relevantes na discussão, que pressionam os tomadores de decisão em prol da defesa de determinado tema ou política.
Em um momento de inflexão, como o que estamos passando, nunca foi tão necessário que a sociedade civil se organize em torno de causas e pressione os governantes a ouvir suas demandas. 
Use os comentários para contribuir para o aprimoramento desse conceito!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como aumentar a sua capacidade de persuasão?

Oi! Tudo bem?
Semana passada, enfocamos o grupo de habilidades conceituais, pois ao desenvolver essas habilidades o profissional aprimora sua capacidade prospectiva, analítica e estratégica ao aprender a pensar de forma criativa e inovadora e, ao mesmo tempo compreender ideias abstratas e processos complicados.
Porém, para persuadir e influenciar os tomadores de decisão não basta possuir um rol de habilidades técnicas e conceituais bem desenvolvido. O grupo de habilidades humana é essencial para que o profissional de relações governamentais alcance o seu objetivo: influenciar. Para influenciar é preciso persuadir. Assim, qual seria o melhor caminho para aumentar a capacidade de persuasão?
Primeiramente, é preciso destruir um mito que já se encontra enraizado em nossas mentes. É comum ouvir pessoas dizendo que algumas habilidades, como por exemplo, comunicação, expressão e observação são inatas. Portanto, se você não consegue se comunicar com outros de maneira assertiva, jamais poderá apr…

LOBBY INTERNACIONAL

Reportagem publicada no jornal inglês The Guardian no último domingo aponta que o ministro de comércio britânico teria feito lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia do Brasil, Paulo Pedrosa, em favor das empresas BP, Shell e Premier Oil. A notícia veio à tona porque a ONG Greenpeace teve acesso a documentos oficiais do governo britânico, que agora está sendo acusado de agir para isentar impostos e flexibilizar licenças ambientais para a indústria de petróleo. Vale lembrar que Paulo Pedrosa é o grande articulador de projetos como a privatização da Eletrobras e ligado a grupos econômicos e fundos de investimentos que podem ser beneficiados com esses negócios (ler mais aqui). Em resposta à grave notícia, na última quarta-feira congressistas da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional -- Roberto Requião (PMDB-PR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), entre outros -- apresentaram uma denúncia à Procuradoria …

Reputação e Credenciais Acadêmicas

Durante a interessante apresentação dos resultados da 2ª fase da pesquisa sobre Reputação realizada pelo IrelGov (Instituto de Relações Governamentais) uma questão me inquietou.
Afinal, o que realmente pode contribuir para ajudar alguém a criar e manter uma boa reputação como profissional da área de Relações Governamentais? Fui buscar entender o que a teoria sobre reputação pessoal tem a nos dizer e veja só o que encontrei.
A teoria do Capital Humano defende que um indivíduo melhora sua reputação na medida em que adquire mais conhecimento, habilidades e credenciais acadêmicosem sua área de expertise. Sendo assim, seria interessante  sustentar sua reputação em  experiência empírica e, também, em títulos de especialização na área. 
O que estou querendo dizer é que além de se manter atualizado e em busca constante por conhecimento, certificações e diplomas específicos relacionados à área de atuação podem contribuir fortemente para elevar a reputação desses profissionais.
Fico extremamente fe…