Pular para o conteúdo principal

O lobby, à espera de regulamentação

O lobby, à espera de regulamentação
Carlos Ming, Estadão, 19/05/2019

Formalização da prática pode trazer mais transparência, esclarecendo quem defende o que, em nome de quem e com atuação junto a quem. Há assuntos que há quatro décadas vêm e voltam no Congresso brasileiro, como as fases da lua. Um desses assuntos é a regulamentação do lobby, agora em crescente. Um projeto de lei tramita na Câmara dos Deputados em regime de urgência. Em paralelo, corre a solicitação de decreto federal, de iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), que impõe mais transparência à atividade dos lobistas no governo. As práticas de lobby, no Brasil, quase sempre estiveram associadas a corrupção e a relacionamento escuso entre os setores privado e público. Se não isso, têm servido para arrancar do governo, do Congresso e até mesmo do Judiciário decisões que atendem a interesses privados, nem sempre em harmonia com o interesse público. Por trás de um lobby podem estar empresas, setores da economia, sindicatos, ONGs, instituições religiosas e corporações profissionais. Os mais críticos advertem que o lobby não passa de instrumento que, na prática, sabota o funcionamento de uma democracia, entendida esta como o governo do povo para o povo. No entanto, na vida moderna também é preciso entender que, desde que não contrariem o interesse público e que não “desequilibrem o jogo”, as atividades de grupos particulares de pressão são também legítimas. Daí por que é preciso que, nas atividades de lobby, haja transparência, que é para deixar claro quem defende o que, em nome de quem e com atuação junto a quem. O professor de estratégia do Insper Sérgio Lazzarini lembra que uma relação aberta entre políticos e lobistas é essencial para que todas as empresas (e não só as grandes) tenham influência no poder público para permitir acesso isonômico. “Regulamentar é tornar a atividade legítima e torná-la transparente.” Por isso, a palavra-chave deveria ser sempre simplificação do lobby, e não burocratização, já que esta só tenderia a ajudar as grandes corporações. A OCDE entende que o lobby é um direito democrático, na medida em que apresenta o ponto de vista de diferentes agentes. Mas reconhece que o interesse público estará sempre em risco se as negociações não forem de conhecimento de todos. São 14 países, dos 36 da OCDE, os que já dispõem de uma estrita regulamentação das atividades do lobby. Nos Estados Unidos, em tempos passados chegaram a ser consideradas crime. Mas lá, em 1946, foi aprovado o primeiro conjunto de leis que as regulamentaram. Pelos levantamentos da organização americana especializada Open Secrets, o setor lobista movimentou US$ 3,4 bilhões em 2018, ano em que operaram cerca de 11 mil profissionais devidamente cadastrados (veja o gráfico). Hoje, 30 mil lobistas estão em Bruxelas para influenciar as decisões políticas da União Europeia. Como no Brasil ainda não há regulamentação, não há mensuração confiável do setor. AAssociação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig) estima que existam 8 mil profissionais dedicados à atividade. Mas tira desse universo os que se dedicam à defesa dos interesses dos sindicatos e das entidades de representação dos empresários. Além de reconhecer que o lobby deva ser atividade de interesse público, o projeto de lei do deputado Carlos Zarattini (PT-SP) prevê que os lobistas sejam cadastrados em cada órgão público em que atuam e exige deles o porte de crachás. O projeto de decreto de autoria da Controladoria-Geral da União prevê que as negociações e as audiências realizadas em gabinetes públicos sejam transmitidas online e que informem objetivos, horários, locais e participantes dos encontros. O problema dessa iniciativa é que, por se tratar de decreto da Presidência da República, terá vigência apenas no âmbito do Executivo federal, deixando de fora o Congresso e outros organismos públicos estaduais e municipais. Para a professora do MBA de Relações Governamentais da Fundação Getúlio Vargas Andréa Gozetto a iniciativa da CGU será um passo na direção certa, mas estará longe de se tornar uma regulamentação do setor. Para ela, uma boa regulamentação deveria monitorar a ação dos grupos de interesse (como se faz nos Estados Unidos) sem restringir o acesso desses agentes ao poder público. “Regulamentar o lobby não vai acabar com a corrupção”, adverte. O que não pode, diz, é falar em lobby e pensar em ilicitude.
Fonte: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,o-lobby-a-espera-de-regulamentacao,70002833231

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE MONITORAR O LEGISLATIVO?

A primeira vez em que ouvi a palavra lobby em sua acepção política, eu estava terminando o mestrado em Sociologia Política na Unesp-Araraquara. Esse tema, muito inovador no Brasil, estava em alta na Europa, porque os acadêmicos iniciavam suas investigações para compreender a fundo as estratégias e táticas dos grupos de interesse que haviam se instalado em Bruxelas com o objetivo de influenciar o ciclo de políticas públicas no Parlamento Europeu. Era 1998 e, apesar de ter cursado Ciências Sociais, jamais tinha estudado grupos de interesse ou lobby. Estranhamente, ainda hoje é raro encontrar, na literatura de Ciência Política voltada a estudantes de graduação, uma obra que defina e discuta esses termos apropriadamente. Extremamente incomodada com o que me pareceu uma grande contradição, comecei a estudar o assunto. A literatura em português era pífia e toda a cobertura jornalística sobre a atividade de lobby a associava a corrupção e tráfico de influência. Resolvi enfrentar o desafio d…

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

BROADCAST ESTADÃO

26/11/2018 10:23:13 - POLÍTICO ESPECIAL:

CENÁRIO É FAVORÁVEL À REGULAMENTAÇÃO DO LOBBY, DIZEM ESPECIALISTAS E PROFISSIONAIS

São Paulo, 26/11/2018 - O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode favorecer a regulamentação do lobby no Brasil, avaliaram especialistas e profissionais que atuam nesse setor. O assunto está em discussão no Congresso há décadas, mas projetos que procurem determinar regras claras para a representação de interesses privados junto ao poder público até hoje custam a avançar no Legislativo. O presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Guilherme Cunha Costa, afirma que integrantes do futuro governo Bolsonaro têm dado sinais favoráveis ao andamento dessa pauta no Congresso. "O agora ministro Sérgio Moro, logo na posse, deu uma sinalização forte de regulamentação e de como deve se dar o diálogo entre o público e o privado. Isso é muito importante, não só para nós, mas para toda a sociedad…

PERFIL DO PROFISSIONAL: FABÍOLA NADER MOTTA

“Trabalho perene, contínuo, no qual você não escolhe candidatos, partidos, lados. Muita transparência, ética e compliance” Conversar com alguém que está radicado em Brasília é sempre um exercício de adivinhação. A cada frase, desponta uma mistura de sotaques típica da capital federal. Com Fabíola Nader Motta, gerente de relações institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), não é diferente. A cada frase, a cada cadência, o interlocutor aposta em uma região do Brasil. Mas o que aparenta é um leve acento mineiro. Fabíola, filha de militar que serviu em várias partes do País, nasceu em Juiz de Fora (MG) e se mudou muito jovem para Brasília. Pelo histórico familiar e pela profissão que escolheu, ela é, aos 31 anos, uma típica brasiliense. Outro aspecto da fala também não passa despercebido. As frases redondas, repletas de dados, resumem outra característica – desta vez, profissional. O poder de articulação e convencimento demonstra o preparo para exercer a atividade q…